fbpx

Principais skills para se tornar um Desenvolvedor full stack

No mercado de trabalho do desenvolvimento, o tipo de profissional mais conhecido é o desenvolvedor full stack, ele atua como back-end e front-end. A pessoa desenvolvedora back-end é responsável por criar a estrutura de funcionamento de um site ou software, ligando usuários e servidores. Dessa forma, a aplicação cumpre o papel para a qual foi criada. O profissional front-end, por sua vez, cumpre o papel de desenvolver a interface que será utilizada pelos usuários, o ambiente com o qual ele vai interagir diretamente para mandar informações aos servidores. Os desenvolvedores full stack, por fim, são aqueles que exercem as duas funções explicadas acima.

Para que seu trabalho seja executado da melhor maneira possível, o desenvolvedor full stack tem que desenvolver habilidades e obter conhecimentos relacionados às duas áreas, o que exige um pouco mais de tais profissionais. Então, dê uma olhada em quais são as principais habilidades procuradas em um desenvolvedor full stack:

Hard skills

As hard skills são os conhecimentos técnicos necessários para o desenvolvimento dos softwares. Entre eles, estão as linguagens de programação, conhecimento em algoritmos e banco de dados, por exemplo. Sendo assim, já que o desenvolvedor full stack executa tanto o trabalho de front-end quanto o de back-end, é necessário que ele desenvolva e aprimore as hard skills necessárias para cada um deles.

Entre as hard skills de front-end estão as linguagens de programação HTML, CSS e JavaScript, consideradas básicas para profissionais do segmento. Em relação ao back-end, por outro lado, há inúmeras linguagens de programação voltada a esse tipo de trabalho, como PHP, Java, C#, ASP.NET, Ruby, entre outras. Além disso, os conhecimentos técnicos de back-end também envolvem bancos de dados, com os quais as pessoas desenvolvedoras da área lidam diariamente. Portanto, conhecimentos em servidores de banco de dados como MySQL, PostgreSQL ou Oracle, dentre outros disponíveis no mercado, são essenciais para o desenvolvedor full stack.

Controle de versão

As ferramentas de controle de versão são utilizadas para acompanhar e analisar as versões de um projeto. É um recurso muito útil para a identificação e correção de bugs e outros problemas, pois permite a comparação dos códigos de cada versão, destacando que partes foram alteradas, excluídas ou adicionadas ao código em cada uma delas. Saber como usá-las é muito importante para qualquer pessoa desenvolvedora, especialmente para o desenvolvedor full stack, que lida tanto com a parte front-end quanto com a back-end de uma aplicação, e precisa identificar eventuais problemas em cada uma delas.

A ferramenta de controle de versão mais famosa é o Git, que pode ser usado através da plataforma Github, que conta com inúmeras funcionalidades que ajudam o cotidiano de pessoas desenvolvedoras. Além do Git, o SVN também é uma ferramenta bastante utilizada no mercado.

Programação mobile

Ter conhecimentos relacionados ao desenvolvimento para plataformas mobile têm sido um diferencial no mercado da programação, já que as empresas vêm aderindo cada dia mais ao uso de aplicativos (ou Apps) em dispositivos móveis, que podem facilitar tanto o dia a dia de seus funcionários quanto o de seus clientes. Além disso, como esses aplicativos costumam estar integrados a um recurso back-end, é importante que o desenvolvedor full stack tenha conhecimento em programação mobile para atuar em projetos desse tipo com maior efetividade.

Conhecimento em UX

Já que o desenvolvedor full stack lida tanto com os mecanismos funcionais de um software quanto com a interface dele, com a qual o usuário interage diretamente, é importante que ele possua conhecimentos em UX, ou User Experience (experiência do usuário, em inglês). Tais conhecimentos permitem que a pessoa desenvolvedora crie uma interface eficiente, intuitiva, simples e funcional, capaz de proporcionar ao usuário a maior satisfação possível em sua experiência com a aplicação.

Qualidade de código

Desenvolver um projeto prezando pela qualidade de código é muito importante para qualquer pessoa desenvolvedora. No caso de desenvolvedores full stack, é mais ainda. Um código com qualidade facilita o entendimento do mesmo, bem como a identificação e correção de eventuais problemas. Sendo assim, é importante que o desenvolvedor full stack busque desenvolver um código com a melhor qualidade possível, a fim de integrar as “partes” front end e back end de seu trabalho com maior clareza e facilidade.

Além disso, um código com qualidade proporciona um melhor desempenho da aplicação como um todo, já que faz com que o código “exija” menos da máquina em que está sendo usado. Portanto, a qualidade do código é capaz de interferir no desempenho tanto no âmbito do back-end quanto no do front-end, positiva ou negativamente, razão pela qual é importante que o desenvolvedor full stack trabalhe com a melhor possível.

Soft skills

Essas são as habilidades não relacionadas ao conhecimento técnico da profissão. Ainda que não possuam tal relação, as soft skills influenciam muito no cotidiano de equipes de desenvolvimento. São inúmeras as habilidades consideradas soft skills, e algumas das mais interessantes para um desenvolvedor full stack são: boa comunicação, já que este profissional pode lidar com mais de uma equipe, talvez até ao mesmo tempo, e deve se comunicar bem com colegas; flexibilidade, pois podem haver trocas de função ou equipe, às quais o profissional deve se adaptar; e boa organização, já que terá que lidar com partes de um projeto que são consideravelmente diferentes, o que requer certo cuidado.

Essas são algumas skills importantes para quem deseja se tornar um desenvolvedor full stack. Porém, independente de que tipo de programação lhe interesse (back-end, front-end ou full stack) ou em que nível você deseje atuar (júnior, pleno ou sênior), lembre-se sempre de estudar muito, de se atualizar sempre e de sempre aprimorar suas habilidades, sejam elas técnicas ou não. Boa sorte em sua vida profissional!

6 frameworks front-end mais utilizados no mercado de tecnologia

Os frameworks front-end contribuem muito para a agilidade no desenvolvimento de softwares, facilitando o trabalho de pessoas programadoras em diversas etapas da execução dos projetos. Mas, como os conhecimentos relacionados à tecnologia estão em constante atualização, diversos frameworks e atualizações para estes surgem a cada momento, a partir de uma dificuldade encontrada. 

Pensando nisso, para que você se mantenha atualizado e consiga desenvolver softwares com mais eficiência, listamos neste artigo os frameworks front-end mais utilizados no momento no mercado Tech. 

Para saber quais são eles, continue a leitura!

Bootstrap

Considerado o framework mais conhecido entre os front-end, o Bootstrap tornou-se uma ferramenta famosa para a criação de interfaces web pouco tempo depois de sua criação, em agosto de 2011, e atualmente é utilizado por cerca de 7 milhões de sites como framework front-end.

Esse framework CSS, que também possui componentes HTML e JavaScript, é ideal para projetos construídos em múltiplas plataformas. Possui inúmeros componentes que são facilmente aplicáveis ao seu programa, uma base de padrões estéticos que possibilita a criação de páginas bonitas e igualmente funcionais, além de uma documentação farta. Soluções feitas com o Bootstrap costumam ser bastante eficientes e atrativas.

Angular.js

Desenvolvido pela Google, este framework JavaScript é utilizado por uma grande comunidade de pessoas desenvolvedoras e conta com uma rápida produção de códigos. Ele é adequado para criar aplicativos web avançados que contenham apenas uma página e, além de ser utilizado pela empresa que o criou, também é utilizado pelas empresas Microsoft e PayPal.

Vue.js

Criado por Evan You e lançado em 2014, Vue.js é um framework open source de JavaScript muito utilizado em aplicações single page (SPA) e em projetos com interfaces que prezam pela interação e experiência dos usuários. 

Por ser um framework de fácil utilização e muito versátil, o Vue.js tem se tornado a primeira opção para muitos profissionais que desejam criar sites com boa qualidade e desempenho. Isso porque sua versatilidade, por exemplo, está relacionada a um ecossistema incremental e progressivo, onde você pode encontrar soluções prontas para uma grande quantidade de situações. 

React

Este framework foi desenvolvido em 2011 pela equipe do Facebook e seus criadores a denominam como “Biblioteca de JavaScript declarativa, eficiente e flexível para criar interfaces de usuário (UI)”. Sendo assim, ela facilita o processo de atualização e sincronização de atividades simultâneas, como o chat e a timeline dos usuários. 

Além do Facebook e os demais aplicativos do grupo, como Instagram e WhatsApp, grandes empresas como Netflix, Airbnb e eBay utilizam este framework em seus softwares.

Svelte

Dos frameworks citados aqui neste artigo, o Svelte é o de criação mais recente, sendo lançado em 2016. É destinado à criação de componentes, mas com uma abordagem totalmente diferenciada em relação aos seus concorrentes Vue.js e React, anteriormente citados. 

No Svelte, as responsabilidades não ficam a cargo do navegador, mas sim da etapa de compilação e, com isso, o JavaScript gerado pode ser entendido pelo navegador sem o apoio de outros recursos.

Este artigo abordou os seis frameworks mais usados pelos desenvolvedores Front-end ultimamente. Continue acompanhando nosso blog para ter acesso à conteúdos de tecnologia e também conhecer mais sobre a EZ.devs!

Conheça as 5 principais habilidades de um tech lead

Tech Lead é o nome dado às pessoas desenvolvedoras que, ao mesmo tempo, trabalham diretamente na programação de um software e lideram uma equipe de desenvolvimento. Tais profissionais, que costumam se destacar pelos trabalhos entregues e por sua experiência, são responsáveis por trazer novas soluções e tecnologias ao projeto, buscando a resolução mais eficiente possível para os problemas que aparecem. Também é papel de um tech lead manter sua equipe concentrada nos objetivos e metas do projeto e definir que atividades devem ser priorizadas ao longo do desenvolvimento, para que tudo ocorra da melhor maneira possível.

Dê uma olhada nas habilidades consideradas importantes para profissionais que exercem o cargo de tech lead:

Comunicação

Já que estamos falando de um cargo de liderança, não tem como deixar essa habilidade de fora, certo? Afinal, a quantidade de tarefas concluídas não é o único ponto a se avaliar na qualidade de uma liderança técnica. É necessário manter contato com cada pessoa que faz parte de sua equipe, ouvindo suas opiniões sobre fatores ou problemas que as incomodam, analisando suas sugestões de mudança que podem trazer melhorias ao trabalho em equipe, repassando feedbacks sobre o trabalho de cada um, e assim por diante. Portanto, para que a equipe possa se entender da melhor maneira possível, é importante que seja liderada por alguém que tenha boas habilidades comunicacionais.

Tech Lead deve ser flexível

Como dito no começo do texto, os tech lead, além de exercerem a função de liderança, também precisam colocar a mão na massa. Sendo assim, eles também devem estar preparados para as mudanças que venham a acontecer no andamento do projeto e podem, por algum motivo ou imprevisto, ter que trocar de função com uma ou outra pessoa desenvolvedora. Portanto, para lidar com mudanças repentinas da melhor forma possível, flexibilidade, versatilidade e resiliência têm que ser características de quem ocupa o cargo de tech lead.

Estudo e atualização constantes

Pessoas desenvolvedoras que desempenham o papel de tech lead normalmente possuem uma capacidade técnica superior em relação à sua equipe. Por isso, e também pelo fato de que tais profissionais são responsáveis por trazer novas tecnologias e soluções aos projetos que lideram, é necessário que estejam sempre pesquisando, se informando quanto às novidades do mercado da tecnologia e estudando novos conceitos, métodos e recursos que possam ser aplicados a seus projetos. Tanto conhecimento também serve para orientar as pessoas desenvolvedoras lideradas pelos tech leads.

Atenção à qualidade

Essa é uma habilidade fundamental para que o tech lead coordene um trabalho que preze pela qualidade do software, de suas interfaces (que estarão intimamente ligadas à experiência do usuário, tanto em aspectos estéticos quanto funcionais) e, sem dúvida, do código. A qualidade do código tem uma importância enorme, já que afeta tanto as pessoas desenvolvedoras que nele trabalham quanto os usuários: um código feito sem qualidade dificulta o entendimento por parte de colegas de equipe, o que torna mais complicada a identificação de problemas e, consequentemente, a solução dos mesmos; a baixa qualidade de um código também costuma diminuir a eficiência do sistema como um todo, fator que, por sua vez, impacta negativamente a experiência do usuário. Sendo assim, é responsabilidade do tech lead conhecer sobre tais conceitos de qualidade para aplicá-los aos projetos que estão sob sua liderança.

Todo tech lead deve ser interdisciplinar

Conhecimento nunca é demais, certo? E no caso de profissionais em posição de liderança, assim como os tech lead, é importante que se busque conhecimento relacionado a outras áreas da empresa, como marketing, vendas ou diretoria executiva, ainda que ele seja básico. Aliando esse conhecimento a boas habilidades de comunicação, a relação entre as áreas é facilitada, assim como a cooperação entre as mesmas, o que pode fazer com que sua liderança técnica seja ainda mais eficaz e valiosa. Além disso, repassar tais conhecimentos à sua equipe facilita ainda mais a comunicação entre setores, e isso pode dar ainda mais credibilidade à sua gestão como tech lead.

Buscar mais informação e conhecimento técnico, bem como procurar fortalecer suas soft skills, são atitudes que fazem parte do trabalho de qualquer boa pessoa desenvolvedora. Para quem deseja se tornar pleno, sênior , ou até mesmo ocupar um cargo de liderança técnica, essa busca deve ser ainda mais ampla e deve contar com ainda mais esforço. Portanto, dedique-se bastante aos seus estudos e boa sorte para alcançar seus objetivos profissionais!

Quais soft skills analisar na contratação de uma pessoa desenvolvedora

As habilidades e competências relacionadas ao comportamento humano são chamadas de soft skills. Elas estão sendo cada vez mais valorizadas nos processos de recrutamento e seleção pois influenciam na carreira de cada indivíduo e no andamento de um time, principalmente quando se trata de empresas que adotam a cultura ágil. Sendo assim, selecionamos algumas soft skills importantes de se analisar na contratação de uma pessoa desenvolvedora, confira:

Comunicação

Uma pessoa desenvolvedora sempre estará em contato com outros profissionais por trabalharem juntos em times, como em uma squad, por exemplo. Ela muitas vezes também estará em contato com o cliente para entender suas necessidades, comunicar o que pode ser feito, negociar prazos, explicar o que foi desenvolvido, etc. Assim, ter um profissional capaz de ter uma boa comunicação é essencial para o andamento de um projeto, para evitar conflito e eliminar possíveis ruídos, além de garantir um maior alinhamento. Por isso, observe ao longo do processo seletivo se os candidatos possuem facilidade em se comunicar.

Trabalho em equipe

Como comentado no item anterior, uma pessoa desenvolvedora costuma trabalhar em grupo. Assim, é de extrema importância que ela saiba cooperar com seus colegas de trabalho, mantenha um bom relacionamento com eles, respeite suas opiniões e se dedique para que, juntos, consigam entregar um bom projeto. Portanto, pergunte aos candidatos como costumava ser o trabalho em equipe nas empresas em que já trabalhou. Caso ache necessário, também é possível realizar dinâmicas para analisar como cada candidato se comporta em trabalhos em grupo. 

Flexibilidade e resiliência

Sabemos que o dia a dia da pessoa desenvolvedora pode ser agitado, que podem acontecer alterações no planejamento e que podem surgir demandas urgentes que não estavam previstas. Assim, é importante que este profissional tenha flexibilidade e resiliência para se adaptar às mudanças e à adversidade. Para saber se os candidatos possuem esse perfil, é possível perguntar como eles reagem em situações de mudança ou realizar uma dinâmica e observar.

Criatividade

A área de desenvolvimento é repleta de desafios. Por isso, para além da capacidade de programar, a pessoa desenvolvedora precisa entender os problemas de seus clientes e apresentar soluções. Assim, a criatividade se faz importante para pensar através de novos pontos de vista, trazer inovações e soluções. Como seus candidatos lidam perante problemas difíceis?

Proatividade

As tecnologias estão sempre mudando e é necessário que a pessoa desenvolvedora as acompanhe. Caso contrário, pode se tornar uma profissional desatualizada, o que pode ser negativo para os projetos da empresa. Por isso, é importante proatividade para continuar estudando, se desenvolvendo e entendendo as novidades da área. Não deixe de perguntar para o seu candidato o que ele faz para se manter atualizado. 

Organização

É muito importante que a pessoa desenvolvedora tenha organização para que consiga priorizar suas tarefas e atingir seus objetivos. A organização também é importante para escrever um código limpo e intuitivo, que seja fácil para seus colegas compreenderem. Portanto, questione como os candidatos costumam se organizar no dia a dia.

Gerenciamento de tempo

Completando o tópico da organização, é importante que a pessoa que está sendo avaliada saiba gerenciar seu tempo. Tudo isso, para que seja possível ter produtividade, realizar bom trabalho em equipe e entregar os projetos dos clientes com qualidade no prazo ideal, já que o profissional sabe gerir bem seu tempo de trabalho.

Perseverança

Muitos profissionais se frustram e se tornam impacientes frente a problemas. Na contramão, a área de tecnologia é repleta de desafios, portanto, a pessoa desenvolvedora precisa ter perseverança para não desistir com facilidade perante os contratempos. Essa característica é fundamental para que os times consigam continuar motivados na resolução dos problemas. É preciso enfrentar os bugs e seguir em frente. 

Atitude positiva

Todo mundo gosta de ter por perto aquelas pessoas que veem o copo meio cheio. O dia a dia dos desenvolvedores é desafiador, então aquele profissional otimista e focado nas possibilidades pode ser importante para auxiliar na motivação e realização do time.

Ética

Para o bem estar de uma equipe, é importante que a pessoa desenvolvedora tenha ética. Ser comprometida com as regras da empresa, respeitar seus colegas, não levar crédito pelo serviço dos outros, não mentir sobre o andamento das tarefas, entre outros, é essencial.

Analisar as soft skills de uma pessoa antes de sua contratação é muito importante para a equipe de trabalho e para a empresa. Esperamos que as citadas aqui no texto te ajudem em seu processo de recrutamento e seleção!

Desenvolvedor Pleno: como chegar a sênior

No mercado de trabalho de desenvolvimento, são consideradas pessoas desenvolvedoras de nível pleno aquelas que possuem entre 2 e 5 anos de experiência profissional, aproximadamente. É esperado que o desenvolvedor pleno seja capaz de trabalhar em vários projetos ao mesmo tempo, de dominar as tecnologias mais usadas na empresa e de otimizar os códigos com o objetivos de torná-los mais eficientes e fáceis de serem compreendidos, dentre outras habilidades.

A experiência e o conhecimento técnico de tais profissionais permitem que a eles sejam atribuídas maiores responsabilidades, comparando às pessoas desenvolvedoras de nível júnior, já que eles têm maior influência nas tomadas de decisão de líderes. No entanto, embora sejam capazes de orientar juniores, a experiência do desenvolvedor pleno pode não ser suficiente para que atue na resolução de tarefas em vários níveis e de forma independente, o que faz com que também precise de mentores.

Tais mentores, por sua vez, podem ser pessoas desenvolvedoras sênior, que possuem maior experiência e independência na organização. Por possuírem cerca de 5 ou mais anos de carreira, esses profissionais são mais maduros profissionalmente, executam tarefas mais complexas e estão mais aptos a exercerem funções de liderança.

Então, se você se identifica como desenvolvedor pleno e tem o objetivo de tornar-se sênior, dê uma olhada nas dicas que trouxemos:

Busque conhecimento sempre Isso vale para qualquer pessoa desenvolvedora, na verdade. No caso do desenvolvedor pleno que quer se tornar sênior, é importante que se busquem conhecimentos sobre negócios em geral, liderança de equipes, gestão de projetos e afins, que vão além do conhecimento técnico. São tais conhecimentos que permitirão que você mentoreie tanto os desenvolvedores plenos quanto os juniores, gerencie e solucione os conflitos que venham a ocorrer entre membros de sua equipe, delegue tarefas e acompanhe entregas da melhor maneira possível, dentre outras habilidades desejáveis em uma pessoa desenvolvedora deste nível.

Conheça a fundo seu objeto de trabalho Uma das funções de pessoas desenvolvedoras sênior é encontrar soluções para problemas críticos. Para isso, é necessário que ela conheça o máximo possível das tecnologias utilizadas na empresa em que trabalha, tenha experiência com engenharia de software e também saiba com uma maior profundidade sobre o funcionamento de todos os aspectos do projeto. Dessa forma, além de resolver problemas mais facilmente, profissionais de nível sênior também se mostram capazes de reconhecer que partes de código podem ser otimizadas, que recursos tecnológicos podem ser utilizados de maneira mais eficiente, dentre outros aspectos que permitem que todo o software trabalhe com o desempenho mais efetivo possível.

Arrisque-se Afinal, de que adianta buscar mais conhecimento, novos métodos e novas tecnologias se você não tentar implementá-las em seus projetos? Ainda que tais escolhas devam ser feitas com responsabilidade, fazer um experimento desse tipo pode trazer benefícios para o desenvolvimento de seus projetos ou, na pior das hipóteses, o conhecimento de que aquela implementação não é a melhor para o caso. Se o experimento não causar grandes problemas ou prejuízos ao andamento do projeto, sempre trará resultados que enriquecem seu conhecimento profissional.

Aprenda como se fosse Junior Mesmo que você já tenha aprendido muito com sua carreira e com seus estudos, seja uma pessoa aberta a sugestões dos mais novos. Muitas vezes, a troca de ideias entre profissionais com diferentes tempos de experiência pode ser incrivelmente produtiva para as duas partes da conversa. E sempre que se deparar com algo novo quando estiver se informando ou estudando sobre tecnologia, busque aprender com o entusiasmo e o empenho que uma pessoa desenvolvedora júnior teria!

Incremente suas soft skills Tais habilidades, muito importantes para qualquer pessoa desenvolvedora, que envolvem conhecimentos não técnicos, são ainda mais importantes caso você queira se tornar sênior. Boas habilidades de comunicação, gestão de tempo, organização, flexibilidade, resiliência, dentre outras tantas, são de uma importância enorme para quem tem como objetivo a ocupação de um cargo de liderança. Portanto, ainda que você se considere uma pessoa que possui essas habilidades, procure que outros pontos você pode desenvolver para se tornar uma pessoa desenvolvedora completa.

Com essas dicas, fica claro que o tempo de atuação no mercado de trabalho não é o único critério para que um desenvolvedor pleno chegue ao posto de sênior, certo? Então, busque evoluir constantemente seus conhecimentos e habilidades, sejam elas técnicas ou não, para estar cada vez mais preparado para as oportunidades de passar ao próximo nível!

Vaga de JavaScript: como recrutar o candidato ideal

O uso da linguagem de programação JavaScript tem crescido nos últimos anos, já que vem se tornando cada vez mais essencial e importante para o desenvolvimento de vários tipos de projetos digitais. A pessoa desenvolvedora de JavaScript pode trabalhar com diversos paradigmas de programação (procedural, orientada a objeto, entre outras) em função da leveza e dinamismo característicos desta linguagem voltada para programação de projetos Web, que tem uma enorme funcionalidade. Então, se o seu objetivo é preencher uma vaga de JavaScript na sua empresa, dê uma olhada nas dicas que trouxemos:

Back-end:

Profissionais de desenvolvimento back-end têm o foco do seu trabalho voltado ao servidor e ao banco de dados. Uma plataforma poderosa para este tipo de desenvolvimento é o Node.js, uma vantagem do uso de JavaScript, que é um ambiente de execução que possibilita a criação de aplicações JavaScript sem a dependência de um navegador, além de ser ótimo para trabalhar com frameworks como Express.js ou Koa.js.

Além disso, a pessoa ideal para preencher sua vaga de JavaScript deve ter conhecimento sobre SQL ou MongoDB para lidarem com o banco de dados, a fim de integrar seções voltadas ao usuário e servidor e também otimizar o código para que o funcionamento do projeto ocorra no melhor desempenho possível.

Front-end:

O desenvolvimento front-end, diferentemente do anterior, é aquele que lida diretamente com o usuário. Sendo assim, as pessoas desenvolvedoras de front-end são responsáveis por criar interfaces que proporcionem a melhor experiência possível para o usuário durante o uso do aplicativo ou site desenvolvido, devendo conhecer conceitos de design de UX (Experiência do Usuário) e criar soluções otimizadas.

Portanto, além das ferramentas mais importantes para o desenvolvimento front-end (HTML, CSS e o próprio JavaScript), conhecer frameworks como Ember.js, Vue.js, React e Angular.js é um complemento importante para os conhecimentos da pessoa desenvolvedora que virá a ocupar a vaga de JavaScript.

Full-Stack:

Responsáveis por projetar protótipos de sites, aplicativos e softwares e por criar arquiteturas para todas as etapas de projetos digitais, profissionais de desenvolvimento full-stack trabalham simultaneamente com front-end e back-end e devem possuir habilidades versáteis para desenvolver seus projetos com rapidez.

Para contratar pessoas desenvolvedoras para tal função, é importante que elas conheçam linguagens que usam simultaneamente Node.js e outras estruturas, como é o caso do Meteor.js. Além disso, conhecer e ter experiência com o conjunto de ferramentas conhecido como MEAN (composto por MongoDB, Express.js, Angular.js e Node.js) também é desejável para profissionais que se candidatem à vaga.

Soft skills:

Aqui falaremos das habilidades e conhecimentos que não estão relacionados aos conhecimentos técnicos. As soft skills, embora não digam respeito à tecnologia ou à programação em si, fazem muita diferença no cotidiano de profissionais e equipes de desenvolvimento. Sendo assim, trataremos de algumas delas que são consideradas relevantes para a profissão de que estamos falando neste artigo.

Possuir boas habilidades de comunicação é muito importante para qualquer pessoa que trabalhe em equipe, assim como ocorre no desenvolvimento de projetos que envolvem JavaScript. Além da comunicação que ocorre entre uma equipe, um projeto de JavaScript envolve equipes back-end e front-end, as quais, consequentemente, precisam se comunicar no decorrer do desenvolvimento. De qualquer forma, independentemente de quem faça parte da comunicação, ela deve ocorrer da maneira mais clara e objetiva possível, de forma a resolver os problemas, relatar erros ou sugerir melhorias de forma rápida e eficaz.

A profissão de desenvolvimento de softwares exige que as pessoas desenvolvedoras se mantenham sempre atualizadas quanto aos avanços tecnológicos que interferem direta ou indiretamente em seu dia a dia. Portanto, tais profissionais devem estudar e buscar informação e conhecimento constantemente para que saibam quais são as melhores opções de técnicas, tecnologias e recursos para a execução de seu trabalho e de sua equipe.

Além dessas soft skills, possuir boa organização e gestão de tempo são muito importantes para que tais profissionais estejam em dia com os prazos e alinhados com o progresso de sua equipe e das demais equipes envolvidas nos projetos. Resiliência e flexibilidade, habilidades importantes para que as pessoas desenvolvedoras lidem com as mudanças que ocorrem em seu cotidiano da melhor maneira possível, também são soft skills desejáveis para quem for ocupar a vaga de JavaScript de sua empresa.

Esperamos que essas dicas possam ser úteis para seu recrutamento e que ajudem a escolher a melhor pessoa para fazer parte de sua equipe de desenvolvimento em JavaScript. Boa sorte!