fbpx

Recrutamento 100% remoto: como fazer e quais os benefícios

O trabalho remoto já vem ganhando espaço há algum tempo no mercado de tecnologia, justamente pela praticidade que é dada ao colaborador em trabalhar de qualquer lugar, ganhar mais tempo no dia a dia e economizar recursos, por não ter necessidade de locomoção, por exemplo. Este cenário vem se repetindo com o recrutamento remoto.

Um processo seletivo totalmente remoto pode ajudar os candidatos e a empresa a economizar recursos e tempo já que tudo é feito remotamente, dando mais praticidade aos participantes, pois estes não precisarão enfrentar o estresse de organizar seu tempo para ir até a empresa e enfrentar trânsito.

Com a chegada da pandemia e a necessidade de aplicar o distanciamento social, esse modelo de processo se tornou uma realidade. Neste artigo, apresentarei um pouco mais a fundo sobre os benefícios do recrutamento remoto e como implementá-lo no cotidiano de uma empresa. Continue a leitura para saber mais!

Quais os benefícios?

Diminuição de custos

Um dos principais benefícios de se levar um processo seletivo de forma totalmente remota é que os custos financeiros para o candidato e para a empresa ficam bem menores. Isso acontece pois os participantes podem realizar as entrevistas ou testes sem precisar se locomover.

Flexibilidade nos horários

Também por conta do setor de tecnologia estar em crescimento, acaba ficando mais fácil encontrar profissionais de outras cidades que não seja a do seu empreendimento. Isso abre um leque de possibilidades e a empresa pode encontrar pessoas mais qualificados com maior facilidade.

Distanciamento Social

Um benefício que começamos a pensar atualmente é o do distanciamento social. Por causa da pandemia do novo coronavírus, as empresas tiveram que se adaptar para realizar o trabalho remoto, e aquelas que ainda contratam, transformaram seu processo seletivo também para o regime de home office. Sendo feito dessa forma, o processo, além dos benefícios já citados, traz mais segurança para todos os envolvidos, sejam os colaboradores da empresa ou os profissionais que estão buscando uma nova oportunidade.

Como implementar o recrutamento remoto?

Primeiramente, é necessário realizar o levantamento de requisitos e entender completamente a vaga proposta e quais as etapas necessárias para avaliar esses profissionais. Isso em razão da importância de tudo ser informado de forma transparente para todos os participantes do processo. 

É muito importante que a comunicação com os candidatos seja bem transparente, para não haver desentendimentos. Então, desde o primeiro contato esclareça que o processo será realizado de forma completamente remota e, se possível, informe também quais as ferramentas serão utilizadas, para que o candidato tenha um tempo de planejamento e verifique se possui os requisitos para participar, como a conexão com internet. 

É importante oferecer opções para pessoas que podem não ter esse equipamento, como a opção de realizar uma conversa via telefone. Além disso, uma atualização frequente das etapas seguintes também é importante e ajuda na hora do candidato se organizar.

Uma entrevista remota pode ser uma novidade diferente para algumas pessoas, então, utilizar de perguntas quebra-gelo para criar uma conversa um pouco mais descontraída, pode deixar o candidato mais tranquilo e calmo para a conversa.

Que ferramentas podem ajudar?

Para ser um processo totalmente online e remoto, é importante não só utilizar ferramentas para videoconferências, mas também para manter a organização do processo totalmente digital.

No quesito de organização do processo, existem alguns softwares de recrutamento que podem auxiliar na organização das etapas e dos participantes, e também ajudar a armazenar informações do processo. Alguns desses produtos contém até inteligências artificiais (IAs) que podem acelerar a triagem de candidatos para algumas vagas. 

Além desses softwares específicos, também podem ser utilizados quadros de organização, como Trello ou Pipefy, que são ótimas ferramentas de gerenciamento, se usadas de forma organizada.

Já para a comunicação, é importante entender se a empresa já utiliza algum serviço, como G Suíte da Google, ou o Outlook da Microsoft, pois neles existem ferramentas para a realização de chamadas de áudio/vídeo. Abaixo estão algumas ferramentas que podem ser utilizadas:

  • Google Meet/Google Hangouts
  • Skype
  • Zoom

Para decidir qual ferramenta utilizar, é necessário avaliar os prós e os contras de cada uma, e aplicar esses benefícios para o dia a dia da empresa, entendendo melhor o que cada uma pode oferecer.

Conclusão

Com este artigo conseguimos entender um pouco mais sobre os benefícios que a implementação de processos seletivos totalmente remotos podem trazer às pessoas envolvidas. Dessa forma, ficou muito mais fácil entender como trazer essa realidade para o dia a dia de uma empresa.

Hard Skills e Soft Skills que todo CTO deve ter

Possuir Hard Skills e Soft Skills específicas pode fazer toda a diferença no trabalho de um CTO. Como todo líder de empresa, esse profissional precisa possuir habilidades voltadas para gestão de pessoas, negócios e também ter domínio de aspectos técnicos, como linguagens de programação e gerenciamento de projetos. Isso é importante para que sua startup se desenvolva da melhor maneira possível e com um menor índice de problemas ao longo do caminho.

Por conta dessa importância na área, nós produzimos um artigo que detalha as principais hard skills e soft skills que todo CTO deve ter. Talvez isso possa ajudar profissionais a melhorarem suas características ou auxiliar você a contratar o líder técnico ideal. Confira nas linhas a seguir.

Hard Skills

Planejamento de projetos

Por se tratar de uma área bastante técnica, um bom CTO deve saber executar corretamente o planejamento dos seus projetos. Isso porque, para que um determinado produto tenha um bom resultado final, é necessário que técnicas de gerenciamento de projetos sejam executadas de uma forma ágil. Ter experiência com SCRUM e Kanban são fundamentais para o currículo de um diretor de tecnologia.

Nesse planejamento, o profissional é responsável por realizar um levantamento de requisitos sobre quais funcionalidades entrarão no projeto. Além disso, ele precisa entender e montar esse planejamento de acordo com as necessidades da empresa e de seus clientes. O CTO realiza ainda análises de escopos e limitações de projetos, estudo de soluções, e também trabalha para garantir o sucesso de produtos, gerenciando tempo, processos, priorização, recursos e prazos.

Conhecimento estratégico

Assim como citado anteriormente, para que um CTO consiga planejar projetos ele precisa ter um conhecimento estratégico bem elaborado. Esse profissional se torna o líder e responsável por escolher quais tecnologias serão utilizados no produtos, implementar essas linguagens e desenvolver estratégias para aprimorar e aperfeiçoar o produto.

Como seu foco está no cliente, no produto final e no aumento da receita, é importante que todo CTO esteja bem atualizado sobre o surgimento de novas tecnologias – e das mais utilizadas -, para que ele possa entender onde é indicado utilizar cada linguagem de programação. Dessa forma, o profissional consegue passar as principais instruções para sua equipe de desenvolvimento. Esse pensamento estratégico é importante para que erros de execução não aconteçam e para que produto final não tenha problemas.

Conhecimento técnico

Dando sequência às principais hard skills necessárias em um CTO, ter conhecimento técnico é o mais importante. Um profissional que almeja um cargo de CTO precisa ter experiência prática em engenharia da computação e áreas similares. Como ele será o líder técnico de uma equipe, ele precisa organizar todo o time e apresentar soluções para possíveis erros técnicos que possam vir a acontecer na execução de um projeto.

É por isso que a maioria dos CTOs é formada em ciência da computação e possui conhecimento em arquitetura de sistema, programação e design de software. Apesar de nem todas essas habilidades estejam presentes nos profissionais, possuir conhecimento prático da parte técnica e experiência na área os torna mais bem preparados para lidar com tipos de desafios técnicos.

Saber contratar profissionais

Além das características citadas anteriormente, é super importante que um CTO saiba como contratar profissionais. Por ele ser o responsável por montar os times de desenvolvimento, saber onde encontrar desenvolvedores, quais suas características e em quais áreas há maior necessidade pode ajudar no andamento do projeto e na gestão da equipe.

O CTO precisa ser capaz de identificar e atrair desenvolvedores que não sejam apenas talentosos, mas que façam parte da cultura da empresa. Além de ser importante saber detectar problemas de desempenho entre os funcionários o quanto antes, para que a empresa não sofra com resultados fora do esperado. Por isso, busque profissionais em que você possa confiar e que goste de trabalhar em conjunto para que os objetivos da empresa sejam atingidos e as metas possam ser concluídas.

Soft Skills

Comunicação

Além das hard skills, as soft skills também são importante para qualquer CTO. Por conta disso, ter um profissional com capacidade de se comunicar é super importante para o crescimento do seu negócio. Por se tratar de uma área bastante técnica, o CTO que conseguir transmitir suas ideias de forma mais simples e didática tende a ter mais facilidade no gerenciamento dos seus projetos. 

Outra característica importante é saber ouvir outras pessoas. O CTO precisa compreender totalmente o que é necessário tanto do lado do negócio quanto do desenvolvimento e saber lidar com todos os desafios para que possa transmiti-los de forma eficiente. Certifique-se de entender se seu time de desenvolvimento está realmente entendendo o que você está dizendo.

Ter perfil de liderança

Essa soft skill é bem óbvia mas não podemos deixar de falar. Como líder técnico da sua equipe de desenvolvimento, cabe ao CTO indicar quais caminhos devem ser percorridos e quais prioridades o projeto deve ter. Além disso, é o CTO que define qual linguagem de programação será utilizada no produto e qual será o seu time.

Essa escolha pode se tornar um passo complicado pois definir uma stack de tecnologia de forma errada pode comprometer (e muito) o desenvolvimento do projeto. Essa liderança é tem papel importante também na solução de problemas, pois o líder técnico é o responsável por analisar e amarrar pontas que tenham ficado soltas.

Organização

Ter uma boa organização também faz parte do leque de habilidades de um CTO. Ao entrar em um projeto técnico, todo líder de tecnologia precisa ser organizado o suficiente para definir uma lista de prioridades e também para montar sua equipe de desenvolvimento. Todo projeto inicial precisa de desenvolvedores que saibam trabalhar em mais de uma área (Full-stack). Após um nítido crescimento do seu negócio, escolher profissionais específicos que atuarão em cada setor (Front-end, Back-end, e etc) garante aumento da produtividade.

Ser organizado garante também que as sprints de desenvolvimento sejam efetivas, feitas em um período mais curto de tempo e que o menor número de problemas aconteça durante a execução.

Como se tornar um headhunter de TI?

O headhunter é uma função que se torna cada vez mais comum no meio empresarial. E, naturalmente, esse especialista também assumiu um papel importante no mercado de tecnologia. Sua relevância pode estar associada à diversos fatores, como a competitividade no setor e a alta demanda por profissionais qualificados. Mas, afinal, como se tornar um headhunter de TI e quais são suas atribuições? Entenda a seguir!

O headhunter de TI

Genericamente, as atividades de um headhunter estão relacionadas à mediação entre talentos e empresas. Esse profissional é responsável por encontrar um profissional de TI que se encaixe à necessidade de determinado negócio. Não é à toa, portanto, que ele é cada vez mais comum no campo de tecnologia. Nessa área, o headhunter pode ajudar a compensar a baixa disponibilidade de especialistas.

Hoje, um dos grandes problemas que sondam as empresas de TI é a lacuna de profissionais qualificados. Esse fator pode ser agravado ainda mais em algumas regiões. Para contornar isso, um headhunter de TI é capaz de conciliar as demandas de recursos humanos da empresa com seu conhecimento do mercado. E por isso, esse profissional é tão dependente da sua reputação.

Muitas vezes, um headhunter em TI deverá encontrar talentos que irão ocupar cargos muito importantes na operação. Consequentemente, conhecer os cases e trabalhos anteriores do recrutador será fundamental para decidir pela contratação dos serviços. Além disso, o seu conhecimento específico sobre a empresa atendida deve ser levado em consideração. A experiência, unida ao networking e a expertise técnica, são os pilares do headhunting em T.I.

Como se tornar um headhunter de TI

Agora que você já compreendeu onde esse profissional atua dentro do mercado, é hora de entender como se tornar um headhunter. Esse tipo de especialização não está relacionada à uma formação acadêmica ou técnica — ainda que isso possa ser um diferencial. Portanto, o caminho para trabalhar nesse segmento depende de uma série de particularidades. Compreenda algumas delas.

Conheça o mercado

Uma das principais qualidade de um headhunter é o conhecimento do mercado em que ele está inserido. Saber quais são as tendências, as referências profissionais e as principais empresas do ramo são qualidades indispensáveis. Isso garantirá que o recrutador tenha um panorama geral sobre onde os talentos estão e quais são as principais demandas das empresas.

Crie networking

Não basta possuir uma ampla compreensão do mercado se isso não estiver unido a um bom relacionamento. O reconhecimento do headhunter deve garantir que ele possua uma extensa lista de contatos. Essa característica será constantemente aprimorada, e apenas assim o profissional estará capacitado a abordar profissionais e dialogar com uma variedade de empresas.

Adquira conhecimento técnico

Para ser um headhunter de TI, é essencial possuir conhecimento técnico na área. Essa expertise pode vir de diversas formas: formação acadêmica, especialização e até mesmo de uma atuação prévia no mercado. Não há dúvida de que, para conseguir suprir adequadamente a demanda das empresas, é essencial que o headhunter saiba algumas especificidades sobre o tipo de trabalho exercido nelas.

Trabalhe a comunicação

É natural assumir que uma das grandes qualidades de um headhunter está na comunicação. Seja por meio do diálogo ou do comportamento, esse profissional estará frequentemente em situações que exigem sua habilidade retórica. Mesmo que diversas pessoas possuam uma vocação como comunicadores, é possível desenvolver esse recurso através de cursos e da própria experiência profissional.

Mantenha-se atualizado

Todas as qualidades citadas convergem para um fator: a constante atualização. Headhunters devem evitar ao máximo ficar inertes. O mercado de TI é extremamente dinâmico. Novas tendências, técnicas e modelos surgem diariamente. Para conseguir acompanhar tudo isso, o recrutador deve estar em constante evolução.

É hora de tentar

Se você deseja começar uma carreira como headhunter, não perca tempo. Já possuir afinidade com o mercado e conhecimento sobre a área de TI é uma ótima vantagem inicial, contudo, não é decisivo. Como deve ter ficado claro, além de aprimorar suas qualidades, é fundamental desenvolver novos conhecimentos. 

É importante compreender que não existe uma fórmula mágica. Cada vez mais empresas buscam por um headhunter e, naturalmente, a competição entre esses profissionais aumenta. Para se diferenciar esteja sempre em busca de criar relações sólidas e desenvolvimento profissional. O reconhecimento será uma consequência de um bom trabalho.

Vale a pena contratar um headhunter de T.I.?

Vale a pena contratar um headhunter? Decidir por um headhunter de T.I. é um passo fundamental para os bons resultados na sua empresa. Ter um profissional capacitado em encontrar talentos, e que, por consequência, permite facilitar processos de contratação, com preenchimento assertivo de vagas na sua empresa.

Além disso, a presença desse profissional garante que os turnovers diminuam, justamente pelo conhecimento prévio que o recrutador possui da vaga e onde encontrar bons profissionais para que seus projetos permaneçam estáveis durante todo o ano. 

Por ser da área da tecnologia da informação, um bom headhunter de TI possui uma ampla gama de conexões com desenvolvedores e pessoas atuantes da área. Essa característica é fundamental para que o profissional realize seu trabalho com agilidade e em tempo recorde.

Pensando em soluções e na importância desse tipo de profissional, nós preparamos um artigo que detalha algumas das características de um headhunter e que pode te ajudar a decidir, se vale a pena ou não, contratar um funcionário desse porte. Confira a seguir!

O que faz um headhunter?

O headhunter é um caçador de talentos. Podendo ser chamado também de recrutador, esse profissional possui características próprias, desenvolvidas ao longo de sua experiência, que permitem encontrar talentos para diversas áreas da tecnologia com agilidade, desde desenvolvedores até cargos corporativos e de gestão de negócios.

É importantíssimo que o headhunter tenha familiaridade com o universo da tecnologia, entendendo linguagens de desenvolvimento, metodologias e outras especificidades, para que passe credibilidade e segurança ao profissional que esteja sendo alvo de contratação. Além disso, esse recrutamento mais especializado garante que o índice de turnovers diminua durante a execução de seus projetos, já que o profissional indicado pelo recrutador provavelmente será um especialista no assunto. 

No dia a dia da execução dos projetos, algumas situações podem indicar que você precisa de um headhunter de TI experiente para sua empresa. Como dito anteriormente, o alto índice de turnover é uma delas. Assim, perder profissionais durante os projetos pode indicar que as contratações não foram assertivas e que o profissional não era o ideal para aquela vaga.

Além disso, cargos mais executivos e de alta gerência como presidência e diretores de tecnologia, exigem processos seletivos de contratação mais avançados, que podem ser demandados para o headhunter. Esse profissional torna o processo mais fácil e consegue resultados em um espaço menor de tempo.

Por estar frequentemente em contato com os setores da empresa, a relação com os funcionários de diferentes áreas aumenta o conhecimento do headhunter sobre quais são as principais necessidades e dificuldades da equipe. Com essas informações, a facilidade do headhunter em resolver problemas pontuais da empresa, com uma simples indicação de profissional, aumenta consideravelmente.

Por que contratar um headhunter?

Como apresentado anteriormente, fica evidente que ter um headhunter em sua equipe é importantíssimo para o crescimento do seu negócio. Nos dias atuais, encontrar profissionais extremamente capacitados e experientes para potenciais vagas pode ser uma tarefa difícil para gestores de empresa. É aí que entra o headhunter. Esse tipo de profissional é especialista em encontrar talentos que se adequam aos principais valores da sua empresa e que estão estritamente alinhados com o fit cultural da sua equipe

Essa questão do fit também é super importante para manter a boa relação no ambiente de trabalho. Desta forma, a produtividade entre os desenvolvedores aumenta, gerando melhores resultados em um menor período de tempo. Além disso, por possuir características específicas como boa comunicação, conhecimento em TI, habilidade de vendas e um bom networking, é fácil para o headhunter saber onde encontrar candidatos promissores e quais ferramentas são necessárias para contratar um profissional da área.

Em relação às vantagens de se contratar um headhunter, a principal é que sua empresa terá um funcionário capacitado em encontrar profissionais que se adequem às vagas abertas na sua equipe. Além de que, um bom headhunter possui uma rede de contatos mais abrangente, permitindo que faça uma seleção apurada dos candidatos e, assim, junto com a equipe de RH, aumentar as chances de sucesso em contratações.

Outra vantagem interessante é na questão da agilidade em encontrar bons profissionais. Ao invés de realizar apenas um processo seletivo em busca de novos funcionários, e não ter certeza se os participantes serão capacitados ao nível que deseja, é mais prático investir em um headhunter. Além disso, o recrutador tem habilidades que permitem abordar profissionais experientes e que tenham a característica específica da vaga, acelerando o processo de contratação.

7 principais atributos de um headhunter de TI

Ter um headhunter de TI na sua empresa pode significar aumentos consideráveis nos ganhos do seu negócio. Esse profissional é extremamente capacitado em contratar pessoas e possui características específicas que podem acelerar o crescimento da sua equipe, além de aumentar a eficácia no preenchimento de vagas na sua startup.

Ser um headhunter de TI é nada mais do que ser um caçador de talentos. Esse profissional possui características próprias, desenvolvidas ao longo de sua experiência, que permitem encontrar talentos para diversas áreas da tecnologia com agilidade, desde desenvolvedores até cargos corporativos e de gestão.

Nos dias atuais, com a alta segmentação da área de TI, encontrar profissionais extremamente capacitados e experientes para possíveis vagas pode ser uma tarefa difícil para gestores de empresa. Por isso, ter um headhunter na sua equipe é importantíssimo para o crescimento de sua empresa e possui algumas vantagens.

Uma delas é que, com um headhunter de TI, sua empresa terá um funcionário capacitado em encontrar profissionais que se adequem às vagas abertas na sua equipe. Para garantir isso, um bom headhunter deve possuir uma rede de contatos mais abrangente, permitindo que faça uma seleção apurada dos candidatos e, assim, junto com a equipe de RH, aumentar as chances de sucesso no processo seletivo.

Em razão da alta efetividade que esse profissional proporciona, nós preparamos um artigo com alguns dos atributos que são fundamentais em um headhunter de TI para realizar um bom trabalho. Confira a lista a seguir.

O networking do headhunter de TI

A primeira delas é o networking. Por ser da área da tecnologia da informação, um bom headhunter de TI possui uma ampla gama de conexões com desenvolvedores e pessoas atuantes da área. Essa característica é fundamental para que o profissional realize seu trabalho com agilidade e em tempo recorde, já que ele sabe onde encontrar talentos que podem se encaixar em diversos setores da sua empresa.

Além disso, o trabalho do headhunter se torna menos complicado já que, com suas referências de mercado, ele consegue ser mais assertivo em indicar candidatos que tenham perfil ideal e bastante experiência técnica. A principal ferramenta que o headhunter pode utilizar atualmente para ter um bom networking é o LinkedIn. A rede social corporativa permite uma ampla conexão com profissionais do mundo todo e pode auxiliar ainda mais na busca pelo bom candidato.

Ser adaptável

Outra aptidão bastante importante é a flexibilidade e o dinamismo para diferentes situações. Por ser o responsável em encontrar talentos para diversos setores da tecnologia, é necessário que o headhunter se adapte e estude detalhadamente cada vaga disponível pela empresa. Dessa forma, na hora do processo seletivo, perguntas pontuais podem ser feitas pelo entrevistador a fim de descobrir se o candidato é o ideal para a função que você deseja preencher.

Além disso, assim como os profissionais com quem mantém contato frequentemente, os processos seletivos de cada vaga são diferentes. Conhecer estratégias de recrutamento para cada setor da empresa e se aprofundar em cada linguagem de programação, aumentam a reputação do headhunter e trazem confiabilidade para seu negócio.

Um headhunter de TI precisa estar sempre atualizado

Seguindo na linha do dinamismo e da adaptação, é super importante que o headhunter busque pelo conhecimento a todo instante. Com o rápido avanço da tecnologia, novas linguagens surgem constantemente e, caso o gestor queira implementar alguma novidade, é importante que o headhunter tenha conhecimento prévio para que a montagem de uma equipe de desenvolvedores seja um trabalho mais fácil de ser desenvolvido.

Além disso, estar em constante atualização sobre o que acontece no mercado ajuda o profissional a entender melhor quais são as dores da empresa e quais os profissionais que podem ajudar a solucionar os problemas internos, caso sejam contratados. Essa dica vale não só para o mercado da tecnologia, mas sim para qualquer tipo de recrutador que deseja ser reconhecido por um bom trabalho.

Habilidade em lidar com pessoas

O quarto atributo que é importante para um headhunter possuir é ter uma boa comunicação e habilidade em lidar com diferentes tipos de pessoas. Essa desenvoltura é essencial para o mercado de trabalho já que os processos de contratação envolvem analisar tipos de perfis variados. Saber como encaminhar uma entrevista para determinada vaga pode fazer com que o candidato se sinta mais confortável no processo seletivo e, assim, o headhunter pode extrair todas as características e realizar uma contratação mais assertiva.

Boa argumentação é ponto chave de um headhunter de TI

Assim como ter um jogo de cintura em contornar situações e uma habilidade em lidar com diferentes tipos de pessoas, saber argumentar também é um atributo importante para um headhunter. Essa característica é uma das que facilitam o processo de contratação, já que, geralmente, o gestor de uma empresa não conhece a fundo as áreas da tecnologia. Portanto, cabe ao headhunter de TI argumentar e apresentar os principais pontos positivos e negativos de cada candidato, informando aos executivos quais suas preferências para cada vaga.

Poder de negociação

Outro atributo que faz relação aos citados anteriormente é o poder de negociação que um headhunter de TI precisa ter. Essa característica é uma das mais importantes no processo de contratação já que, possuir um profissional de qualidade envolve mexer na parte financeira da empresa. Por conta disso, o headhunter precisa chegar a um acordo com os gestores do negócio sobre qual a faixa de salário que eles podem pagar para cada vaga e também negociar com o profissional desejado quais benefícios serão pagos e qual o método de contratação.

Além disso, é imprescindível também que o recrutador tenha uma noção de como anda o mercado e quais os valores para cada tipo de vaga. Dessa forma, as chances de pagar um preço muito elevado para um profissional pouco experiente diminuem consideravelmente.

Ter um perfil observador

Pra finalizar a nossa lista com atributos fundamentais de um headhunter, uma das principais é ter um perfil observador. Um headhunter que sabe visualizar a situação do mercado e consegue analisar analiticamente cada perfil de candidato, pode aumentar ainda mais o sucesso na contratação de um profissional especializado. Esse atributo auxilia também no entendimento de diferentes tipos de currículos e proporciona uma triagem melhor dos candidatos durante o processo seletivo, diminuindo as chances de erro na contratação e de turnover ao longo do tempo.

Processo seletivo de TI: saiba a importância e o que procurar em um profissional

Realizar um bom processo seletivo de TI e contratar um bom profissional é uma das principais metas de toda empresa que busca crescimento. Escolher um candidato que se adeque aos valores do seu negócio, e que tenha o perfil ideal para a vaga disponível, não é uma tarefa das mais simples já que exige bastante pesquisa e uma busca em conhecer a fundo o potencial do novo funcionário da sua empresa.

Por se tratar de um processo que exige dedicação, é fundamental que você tenha em sua equipe um setor de RH especializado em tecnologia da informação. Desta forma, nas etapas do processo, a eficiência ao analisar um candidato é maior e os assuntos tratados nas entrevistas tendem a serem mais abrangentes.

Outra coisa bastante importante e que deve ser pensado antes de começar um processo seletivo é: “qual o perfil de candidato que estamos procurando?”. O ideal é que essa pergunta seja respondida com clareza para que o time de recursos humanos possa delimitar seu campo de busca, aumentando a eficiência na hora de encontrar o profissional e a agilidade na fase de contratação.

Com a constante evolução do mercado tecnológico, o recrutamento de profissionais de TI precisa evoluir paralelamente. Estratégias, técnicas de seleção, e também conhecimentos sobre como gerir pessoas precisam ser adaptadas de acordo com a área em que se pretende contratar. Desta forma, isso prova que dificilmente um processo seletivo será igual a outro, exigindo do profissional de RH uma preparação prévia para diferentes situações que podem vir a ocorrer durante o processo.

Qual a importância de um bom processo seletivo?

Um bom processo seletivo na área de TI é importante para que as vagas disponíveis em sua empresa sejam preenchidas corretamente. Como o mercado da tecnologia é bastante segmentado, um dos principais erros que acontecem durante a busca pelo profissional é esperar que o candidato conheça todas as tecnologias existentes atualmente. Isso é quase que impossível. O ideal é que o processo seletivo seja segmentado e realizado por linguagens de código ou áreas de atuação dentro do seu negócio, as chamadas hard skills.

Além disso, um processo seletivo transparente e que apresente segurança aos candidatos é fundamental para a reputação da sua empresa. Ao ser coerente durante todo o processo, os funcionários contratados podem te indicar a outros profissionais aumentando o marketing boca a boca do seu negócio no mercado de TI. Já com os profissionais que não se adequam às vagas, dar feedbacks e explicar o motivo da não contratação pode resultar em uma compreensão maior e uma maior tranquilidade na gestão da situação.

O que procurar em um profissional de TI?

Dentro do mercado de TI, como dito anteriormente, saber o que procurar em um profissional é uma das etapas mais importantes do processo. Além das hard skills, que são fundamentais, é necessário se atentar às soft skills de cada candidato.

Hard Skills

As hard skills são as habilidades técnicas que o profissional apresenta e que podem ser mensuradas. Essas habilidades podem ser adquiridas por meio de cursos e experiências profissionais e normalmente são fáceis de identificar, pois podem ser comprovadas por meio de certificados, testes, entre outros. 

Identificá-las durante o processo de contratação também é simples. Entendendo quais são os requisitos da vaga, numa breve conversa técnica é possível ver se as habilidades estão presentes e qual o nível de familiaridade que o candidato possui principalmente em relação a linguagens de código específicas, comum no mercado de TI.

Soft Skills

Entretanto, um processo seletivo não é feito apenas na análise de hard skills. É aí que entram as chamadas soft skills. As soft skills são as habilidades pessoais que o profissional possui que não conseguem ser comprovadas de maneira tão simples, como com o uso de certificados ou testes. 

Para avaliar esse tipo de aptidão é necessário entender quais os tipos de habilidades serão necessárias para a vaga em questão. Alguns exemplos de soft skills são a facilidade de comunicação, a criatividade e o pensamento crítico. Após definir quais habilidades serão necessárias no candidato, o ideal é que algumas perguntas específicas sejam preparadas com o intuito de descobrir se a habilidade está ou não presente.

As soft skills estão ganhando cada vez mais espaço nos processos de contratação pois as empresas estão mudando a forma de pensar e se preocupando cada vez mais com a cultura organizacional. Caso o candidato tenha muitas habilidades técnicas, mas não possua as soft skills necessárias, o ambiente de trabalho acaba sendo ruim para o profissional e ele não conseguirá alcançar uma grande produtividade, afetando também a empresa que o contratou.

Como é feito um processo seletivo de TI?

Para um processo seletivo mais assertivo é ideal ter uma equipe organizada que siga alguns passos básicos e fundamentais. O primeiro passo é realizar uma busca por possíveis candidatos em algumas plataformas como o LinkedIn. Atualmente, essa ferramenta é a principal porta de entrada para o mercado de TI, já que a própria rede social possui uma área dedicada a recrutar novos funcionários.

Após selecionar possíveis candidatos ideais, o primeiro contato com o profissional deve ser feito de forma clara e específica sobre qual será a vaga, forma de contrato, valor de remuneração e rotina de trabalho que será oferecida. Se o retorno for positivo, partimos para as entrevistas. Esse ponto é onde serão analisadas as hard e soft skills do candidato e se ele se encaixa perfeitamente com a vaga que está aberta em sua empresa.

Além disso, outra etapa bastante importante é o alinhamento de fit cultural com seus valores, para que o ambiente de trabalho seja harmônico e não tenha problemas de relacionamento no dia a dia. Com isso, as chances da sua empresa se desenvolver com a contratação do novo funcionário aumentam, além do desempenho dos outros profissionais que podem ser potencializados.

Hard Skills e Soft Skills: o que são e quais as suas diferenças?

Dois dos novos termos que estão sendo cada vez mais utilizados no mundo das contratações é o de hard e soft skills. A palavra “skill” vem do inglês e pode ser traduzida como “habilidade”, esses termos tentam dividir as habilidades e aptidões de cada profissional para que o processo seletivo seja cada vez mais assertivo.

Algum tempo atrás era muito comum no processo de contratação levar em conta apenas as hard skills na hora de selecionar um candidato, mas isso está mudando e as soft skills estão ganhando cada vez mais espaço.

Nesse artigo você vai entender um pouco mais sobre o que são soft e hard skills e como essas habilidades são avaliadas, além de apresentarmos também como essas aptidões podem influenciar no ambiente de trabalho das empresas.

O que são hard skills?

Hard skills são as habilidades técnicas que o profissional apresenta e que podem ser mensuradas. Essas habilidades podem ser adquiridas por meio de cursos e experiências profissionais e normalmente são fáceis de identificar, pois podem ser comprovadas por meio de certificados, testes, entre outros. 

Identificá-las durante o processo de contratação também é simples. Entendendo quais são os requisitos da vaga, numa breve conversa técnica é possível ver se as habilidades estão presentes e, caso seja necessário, podem ser realizados testes específicos que auxiliam ainda mais na hora de escolher o candidato ideal.

Essas informações são muito importantes para a avaliação dos candidatos dependendo da vaga, e são de fácil identificação pois, normalmente, elas se apresentam de forma clara no currículo, mas elas não podem ser a única fonte para avaliação na hora de decidir entre os candidatos.

 

O que são soft skills?

Soft skills são as habilidades pessoais que o profissional possui, essas, ao contrário das hard skills, são intangíveis e não conseguem ser comprovadas de maneira tão simples, como com o uso de certificados ou testes.

Para avaliar esse tipo de aptidão é necessário entender quais os tipos de habilidades serão necessárias para a vaga em questão. Alguns exemplos de soft skills são a facilidade de comunicação, a criatividade e o pensamento crítico. Quando sabemos quais habilidades precisaremos no candidato, preparamos algumas perguntas específicas onde poderemos abstrair se a habilidade parece estar presente.

As soft skills estão ganhando cada vez mais espaço nos processos de contratação pois as empresas estão mudando a forma de pensar e se preocupando cada vez mais com a cultura organizacional.

Caso o candidato tenha muitas habilidades técnicas, mas não possua as soft skills necessárias, o ambiente de trabalho acaba sendo ruim para o profissional e ele não conseguirá alcançar uma grande produtividade, afetando também a empresa que o contratou.

Como essas habilidades podem influenciar no ambiente de trabalho?

Como foi dito anteriormente, um candidato que foi contratado apenas por conta de suas habilidades técnicas e que não foram levadas em conta suas habilidades pessoais, pode causar um problema tanto para a organização quanto para o próprio profissional.

Considerando um ambiente de trabalho que necessite de pessoas que precisam ajudem umas às outras durante o andamento dos projetos, um profissional que não é muito flexível, que se desenvolve e tem mais produtividade trabalhando sozinho, não vai conseguir ser produtivo. Mas essa falta de produtividade não está ligada de forma alguma com a habilidade técnica e sim à uma habilidade pessoal.

Como posso desenvolver essas habilidades na minha empresa?

É possível ajudar os parceiros da sua empresa a desenvolver tanto as habilidades técnicas (hard skills) quanto às habilidades pessoais (soft skills). Desenvolver programas de treinamento, disponibilizar cursos técnicos e de idiomas e incentivar a ida à eventos e palestras são alguns exemplos de atividades que agregam as hard skills.

E para desenvolver as soft skills, algumas práticas também podem auxiliar, como a realização de ações para melhorar a comunicação e o relacionamento entre as equipes e a criação de uma cultura de feedback.

Conclusão

Com este artigo conseguimos compreender o significado de hard skill e soft skill e como identificá-los e desenvolvê-los. Com essas definições em mente, agora é muito mais fácil encontrar os perfis que mais combinam com a sua empresa, mas é sempre importante lembrar que os dois tipos de habilidades podem ser também desenvolvidos em conjunto com cada um dos parceiros que compõem a empresa.

Entenda o que é um Tech Recruiter

No setor de recursos humanos, o recrutamento e seleção não é uma novidade, mas o Tech Recruiter  pode ser um profissional desconhecido para muitos. Muitas empresas, hoje em dia, possuem a necessidade de criar ou aumentar seu time de desenvolvimento e acabam tendo algumas dificuldades na hora de utilizar o processo de contratação convencional.

A área de tecnologia está aquecida e em foco constante, e as empresas estão sentindo cada vez mais a necessidade de especialistas para resolver problemas voltados à essa área. O processo de recrutamento e seleção tradicional acabou deixando de atender as necessidades do mercado com a mesma eficiência de antes.

E esse é o momento em que o papel do Tech Recruiter entra em foco. Esse profissional surgiu e está cada vez mais presente no mercado de trabalho e em empresas que estão passando por transformação digital, por conta da grande demanda por contratações de qualidade na área de tecnologia.

Esse artigo tem como objetivo trazer mais informações sobre essa nova área de atuação, então vamos descobrir um pouco mais sobre o que um Tech Recruiter faz?

O que é um Tech Recruiter?

Um Tech Recruiter (ou recrutador técnico), como o nome já diz, é o profissional que recruta pessoas, no setor de tecnologia e desenvolvimento, com base em habilidades técnicas. É preferível que esse profissional entenda tanto da área de recursos humanos quanto da área de T.I., mas uma experiência prévia na área de tecnologia não é um requisito, a vontade de se manter atualizado e aberto a conhecer novos conteúdos sim.

O conhecimento sobre linguagens de programação, ferramentas, bibliotecas e boas práticas é muito importante para que o recrutador consiga fazer uma boa triagem e escolher realmente o candidato melhor qualificado para atuar na empresa, agilizando o processo seletivo e filtrando pessoas que não terão um fit com a oportunidade. Além, da avaliação técnica, esse recrutador continua avaliando questões ligadas à cultura, como é feito em um processo seletivo convencional.

Esse profissional é muito necessário em todos os tipos de empresas que trabalham com tecnologias. Ele consegue diminuir o tempo no processo seletivo pois possui habilidades de triagem mais efetivas, justamente por conta do conhecimento técnico, diminuindo custos e o tempo de contratação. Além disso, tem um papel essencial na escalação dos profissionais mais adequados para compor um time ágil – como, por exemplo, uma squad.

O que um recrutador técnico faz?

Um recrutador técnico é responsável pela aquisição e triagem de currículos e pessoas, realização de entrevistas que consigam filtrar e entender o conhecimento do candidato, além de pensar em estratégias para moldar o processo de acordo com a necessidade específica da vaga proposta, como, por exemplo, a preparação de um teste prático que avalia os conhecimentos técnicos característicos da vaga apresentada, e que serão necessários para atuar na empresa e no dia a dia.

Mas esse profissional não precisa avaliar sozinho os candidatos. Aqui na EZ.devs, por exemplo, realizamos uma triagem de perfis com os Tech Recruiters e depois, uma pessoa que já atua com a tecnologia necessária para a vaga, avalia o candidato de uma maneira mais efetiva, entrando mais a fundo em conhecimentos técnicos.

Outra atividade que um recrutador técnico pode executar dentro de uma empresa é na definição de estratégias para tornar os processos seletivos mais agradáveis aos talentos, trabalhando em conjunto com os profissionais da área de marketing, por exemplo, para implementar o Inbound Recruiting.

Além dessas funções, o Tech Recruiter também é responsável por montar descrições de vagas que sejam claras e diretas, fazer a divulgação nas redes sociais e também em canais de comunicação específicos para a oportunidade.

Por isso, os recrutadores técnicos precisam sempre estar de olho em grupos e comunidades sobre linguagens, que os desenvolvedores geralmente participam e contribuem, pois são nesses canais que uma divulgação de vaga pode ser mais efetiva, atingindo diretamente o seu público alvo.

O que eu preciso fazer para me tornar um recrutador técnico?

Para se tornar um recrutador técnico é necessário, como já dito anteriormente, não só o conhecimento da área de recursos humanos e recrutamento e seleção, mas também um conhecimento sobre as tecnologias atuais e mais utilizadas no mercado de trabalho.

Existem várias formas de entrar nessa área, não sendo sempre necessária uma graduação, pois isso varia de empresa para empresa. Mas o estudo contínuo sobre tecnologia e sobre linguagens de programação ajudam e são um grande diferencial.

O profissional que quer trabalhar como Tech Recruiter precisa, principalmente, ter vontade de aprender e de se manter atualizado, pois o mercado de T.I. sofre mudanças e ganha novas tecnologias constantemente. Além disso, é legal que essa pessoa se engaje e participe da comunidade, comparecendo à eventos, meetups e afins.

Essa nova profissão é um complemento que chegou para facilitar a vida de todo o setor de Recursos Humanos, e não substituir os profissionais. Portanto ainda são necessárias pessoas que ajudam a gerenciar, estruturar e recrutar o time de uma empresa, mas o modelo e a forma de trabalho evoluiu.

Espero que você tenha gostado do artigo e, caso tenha restado alguma dúvida, deixe nos comentários!