fbpx

O futuro das relações de trabalho no mercado de tecnologia

As empresas precisam se adaptar! Quem trabalha no mercado de tecnologia sabe que as relações de trabalho mudaram, tendo em vista que nos últimos anos estamos vivendo um momento de extrema demanda e baixa oferta no mundo todo. Segundo a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, serão criados 70 mil novos empregos para o segmento em 2021.

Não precisamos nem dizer que não temos gente o suficiente, né? O jogo virou e agora são os talentos que ditam as regras. Se você não entendeu isso ainda, sentimos em te dizer, mas a sua empresa vai sofrer. Sofrer pela dificuldade de contratar e reter bons talentos e, como você sabe, talentos são o combustível de qualquer negócio. Principalmente agora, na era do conhecimento. 

A adaptação não é simples, assim como não foi para o mercado de mobilidade quando a Uber chegou, ou para o mercado de hotelaria quando o Airbnb nasceu. Não é fácil, mas é possível. Para ajudar, existem alguns conceitos já estudados e aplicados por outras empresas ao redor do mundo que podem economizar em muito o seu tempo.

Vamos falar sobre alguns deles aqui. Acompanhe abaixo!

Organizações exponenciais 

No livro de mesmo nome o autor Salim Ismail explica as diferenças entre as organizações que crescem de maneira linear e as organizações que crescem de forma exponencial (Google, Uber, Airbnb, Netflix e etc…).

O livro é dividido em duas partes principais que tratam dos atributos externos (S.C.A.L.E) e dos atributos internos (I.D.E.A.S). Indo direto ao ponto, trataremos do assunto que está mais relacionado à contratação de talentos.

O S dos atributos externos (S.C.A.L.E) é de Staff On Demand, cujo a ideia principal é ter uma equipe que reage (aumenta ou diminui) conforme a demanda. Basicamente, você precisa entender que agora os talentos escolhem projetos para trabalhar e podem não querer mais passar a vida toda trabalhando para você. 

É uma relação mais de acesso a talentos do que de fato ter os talentos. (De novo, bem semelhante às propostas da Uber e Airbnb) e dessa forma, você tem acesso a talentos com habilidades específicas, por um determinado período (e esse período pode ser tanto 3 meses, quanto 3 anos, tudo vai de acordo com cada jornada). Uma relação muito mais honesta e clara, desde o início.  

Além de facilitar a contratação, esse tipo de relação te ajuda a ter mais flexibilidade na força de trabalho. Afinal, quem não quer transformar custo fixo em custo variável? É claro que isso funciona bem para determinadas profissões, como as que possuem uma demanda de mercado cada vez maior, como tecnologia, marketing ou inside sales. 

Open Talent Economy

O termo foi disseminado pela primeira vez em 2013 pela Deloitte e fala sobre como eles acreditavam que as organizações iriam se comportar em 2020. Uma das maiores promessas da época, que inclusive estava certa, foi o surgimento de um ecossistema de talentos. 

Esses ecossistemas permitem que as empresas tenham mais flexibilidade e versatilidade (muito de encontro com as organizações exponenciais) ao tratar de talentos. Ter apenas funcionários não é mais o suficiente para as empresas que querem mudar o mundo.

Nesse mesmo estudo a Deloitte cita algumas formas de organização de talentos: 

  • Partnership talent: Talentos que trabalham em um modelo próximo ao convencional. 
  • Borrowed talent: Talentos que trabalham como se fossem funcionários convencionais, mas são terceirizados. 
  • Freelance talent: Talentos independentes que trabalham em projetos temporários.
  • Open source talent:  Talentos que não necessariamente são parte da sua empresa, mas contribuem para o desenvolvimento de algum serviço ou produto.

E não pense que esses conceitos foram criados agora, ambos são citados há alguns anos. Ou seja, quanto ao futuro das relações de trabalho, já estamos atrasados.

Aqui na EZ nós utilizamos esses conceitos não só para escalar o nosso time, mas também os times de nossos clientes. Levamos as práticas de acesso a talentos para Startups e Scale-ups de todo o Brasil. E como dissemos acima, não é simples, exige muito esforço e aprendizado, mas é possível.

Qualquer dúvida ou sugestão deixe aqui nos comentários. Para falar conosco, clique aqui

Boa sorte na escala do seu time!

O que são organizações exponenciais?

Historicamente a grande maioria das empresas buscam um crescimento acelerado, afinal, crescimento (na maioria dos casos), traz aumento nos lucros da empresa. E quando acabam tendo um crescimento muito superior, comparado ao mercado, em curto espaço de tempo, são chamadas de organizações exponenciais.

O grande ponto é que para conquistar esse crescimento, que traz lucros para uma organização, não existe caminho fácil.

Pensando nessa dificuldade, Ismail, Michael S. Malone e Yuri van Geest criaram, em 2014, o conceito que chama de “Organizações Exponenciais (ExOs)”.

No livro de mesmo nome, os autores explicam algumas das características que levaram empresas a ter um crescimento exponencial e dominam o mercado como um todo.

Nesse artigo, vou resumir alguns dos pontos dos livro, para que você possa aplicar esses conceitos na sua empresa. Vamos lá?

O que significa exponencialidade

Um crescimento linear, segue um raciocínio mais razoável, logo se uma empresa cresce 15% ao ano, a linearidade sugere que ela continue crescendo de uma maneira proporcional ao longo do tempo.

No caso do crescimento exponencial, que como podemos ver no gráfico abaixo, tem um crescimento excepcional a partir de um determinado ponto (geralmente após o negócio ter encontrado product market fit), o chamado taco de hockey.

Quantas vezes você já viu especialistas errar grosseiramente uma estimativa de crescimento de alguma tecnologia ou startup nos últimos anos? 

No livro, os autores citam um caso de 2009 em que uma empresa especialista em pesquisa de mercado previu que a Symbian seria o principal sistema operacional em 2014, tendo uma participação de 39% de mercado.

Como já estamos 2020, sabemos que a Symbian encerrou suas atividades em 2012. Ser o principal player do mercado para fechar as portas é uma grande diferença.

O motivo dos especialistas errarem frequentemente e de maneira tão extravagante se dá ao fato de eles analisarem os fatos de maneira incremental (linear), confiam em um paradigma que já não funciona mais, afinal, estamos na era da tecnologia, o que leva a empresas a terem crescimentos exponenciais de uma hora para outra.

Características de uma empresa exponencial

Quais conceitos empresas como Airbnb, Uber, Facebook e Google tem em comum?

Enquanto empresas do “mundo antigo” ainda estão focadas em modelos de escassez, empresas como essas focam na abundância de informação.

No livro, os autores dividem por tópicos características que essas empresas possuem, vou passar por cada um deles rapidamente aqui, para não ficar muito extenso.

Propósito transformador massivo (PTM)

A evolução do famoso Missão, Visão e Valores. O PTM é uma frase que traduz todo o objetivo global da empresa. Através dele é possível perceber todas as ambições da empresa, atraindo pessoas que estão em busca desse mesmo interesse. 

Exemplos de PTM:

Google: “Organizar a informação do mundo”

Singularity University: “Impactar positivamente um bilhão de pessoas”

TED: “Ideias que merecem ser espalhadas”

Atributos externos (SCALE)

Staff on demand (Equipe sob demanda): Uma equipe que reage (aumenta ou diminui) conforme a demanda, dessa maneira temos agilidade para atender as novas perspectivas da empresa, sejam elas positivas ou negativas.

Community (Comunidade): Para que você tenha facilidade de testar novos produtos, ou até mesmo ter essa equipe sob demanda, é necessário nutrir uma comunidade engajada com seu propósito.

Algorithms (Algoritmos): Tem como objetivo, fornecer informações para que você tenha embasamento para crescimento ou correção de algum problema.

Leveraged Assets (Ativos alavancados): Utilizar terceirização para ter mais flexibilidade e agilidade no dimensionamento da empresa. A Apple, por exemplo, usa as fábricas da parceira de fabricação Foxconn para as principais linhas de produtos.

Engagement (Engajamento): Técnicas de engajamento do usuário, como gamificação e prêmios de incentivo, ajudam os ExOs a envolver os mercados rapidamente.

Atributos internos (IDEAS)

Interfaces: Algoritmos e fluxos de trabalho automatizados da forma mais eficiente possível para facilitar a construção dos atributos externos (SCALE).

Dashboards: Para acompanhar e monitorar o desempenho.

Experimentation (Experimentação): Métodos que facilitam a experimentação e a melhoria de processos através de ciclos rápidos de feedback.

Autonomy (Autonomia): Organizações exponenciais têm hierarquias horizontais para promover agilidade.

Social Technologies (Tecnologias sociais): As tecnologias sociais geram conversas em tempo real e sem latência em toda a organização

Como saber se a sua empresa é exponencial

Para uma empresa ser exponencial ela não precisa contemplar todos os atributos, para você ter uma ideia, grandes empresas como Coca-Cola e Google Ventures possuem grande parte dos atributos, mas não todos.

Claro que quanto mais uma empresa chega próximo das características melhor, porém, empresas com cerca de 70% dos atributos já podem se considerar uma ExO.

O quanto a sua empresa é exponencial? Faça as contas e compartilhe aqui nos comentários os resultados para discutirmos.

Offshore Software Development: everything you need to know

Offshore software development is an outsourcing process where the technical leader of a team delegates all development tasks or part of it to an outsourced company in another country, as long as it is in a culture and time zone totally different from the contracting country.

In most cases, this type of service is desired by startups looking for technology experts to develop their ideas and who do not find companies in their countries with the authority to carry out the project.

Currently, in the technology market, there are some trends that companies that carry out offshore sought to specialize. The main ones are: cloud computing (AWS or Google Cloud), automation, in addition to the development of technologies that involve Artificial Intelligence. Next, you will understand the main differences between the three types of outsourcing: onshore, offshore and nearshore, in addition to the negative and positive aspects of this type of contracting.

Differences between offshore, nearshore and onshore

Onshore

Onshore outsourcing is characterized when a company decides to hire software developers within its own country of origin. This type of service ends up becoming more attractive to the client because it is more accessible and adaptable to any changes that may occur, in addition to offering greater control over the professionals.

Nearshore

Unlike the previous outsourcing model, the nearshore service is characterized by the hiring of a technology team from neighboring countries, but with a similar time zone and a very similar culture. Examples of this type of service are found when US startups hire developers from Mexico, Brazil or Canada. Or even when companies in Germany offer services to neighboring countries like France and Poland.

Positives of outsourcing

One of the main positive points of offshore software development is the reduction of expenses of your company. With this type of outsourcing in the technology area, there is no need for the entrepreneur to assemble a specific team and not even spend on training their employees to bring the project to life. Outsourcing comes with a team of specialists in the subject in order to avoid this type of cost, increasing the return on your investment.

Another positive point is that, with a team specialized in the subject, the final result will have higher quality in a shorter production time. This is due to the fact that the professionals allocated by outsourcing will use any and all cutting edge technology for the execution of the project, without using the resources of their business.

In addition, in the offshore model, it is possible to hire professionals specialized in certain programming languages without having to travel to the country of origin. In this way, your development team will have a total focus on developing the service with the aim of delivering it as quickly as possible.

Risk reduction is another positive aspect of technology outsourcing, both in terms of errors occurring during project execution and in the company’s total investment. As it is a group specialized in technology, the project will be carried out by highly trained professionals in the subject that will be managed by the contracted company, that is, the manager does not have to worry about coordinating the technical project.

The company also does not have to worry about the risks and investments it would possibly need to make, such as, for example, opening a new sector or hiring new employees just to perform the service.

Negative points

Now entering the negative points, one of the problems of offshore software development that can occur during execution is the loss of control of the company over what is being produced. With that in mind, it is important to keep in touch with the outsourcing company frequently so that there are no delays and much less communication problems about what is being developed. In this way, structural problems in the project are also avoided.

Besides, another negative point that startups need to analyze before finding the ideal outsourcing company is in relation to security. When hiring this type of service for your company, the manager shares important data about your business and, if you trust an IT outsourcer without good references, your company’s confidentiality may be at risk.

Another tip is to constantly monitor the development of the project to know which areas are being worked on and if everything is in accordance with your ideals and with your business guidelines. This is because, as the offshore has a relationship with professionals from other parts of the world and with other cultures, communication can be flawed if not done in an assertive manner.

How to choose an outsourcing agency

After presenting the positive and negative points of this type of outsourcing, it is super important to know how to choose the ideal partner for this type of service. Because of this, we will present some points that make it easier to choose a reliable partner for outsourcing.

The first point of attention is to choose a company that has a cultural fit with yours and that fits your values. This is super important for the smooth running of the work routine and also to avoid discomfort with the outsourcing team. In addition, it is also important to ask about all costs involved, avoiding possible future surprises.

As it is a process that involves high investment, verifying the company’s authority through existing cases is one of the main tips to avoid that your investment is not matched.

Entrevista técnica: Conheça os tipos para você aplicar no seu processo seletivo

Entrevista técnica. Só de falar isso as pessoas que estão com o desafio de contratar pessoas de tecnologia já ficam ansiosas. Afinal, mesmo com o desemprego em um nível altíssimo, a área de tecnologia ainda continua crescendo.

E uma das etapas mais complicadas é validar se a pessoa tem de fato o conhecimento técnico necessário para a vaga. E é ai que muitas pessoas se perdem, acabam realizando uma entrevista técnica não condizente com a realidade da vaga e das pessoas candidatas.

Precisamos enxergar a contratação como um funil, e quanto mais alongamos esse funil, mais pessoas escampam.

Uma entrevista técnica mal pensada por arruinar o seu funil de contratação.
Funil de contratação

Por isso, é importante avaliar os trade-offs com os candidatos. Se gastarmos muito tempo, conseguimos avaliar com mais clareza, porém corremos o risco da pessoa perder o interesse na vaga. Por outro lado, se gastarmos pouco tempo podemos não avaliar corretamente a pessoa.

É uma situação complicada.

Nesse artigo vou citar uma boa parte de tipos de teste e entrevista técnica, como realizá-los e seus pontos fortes e fracos. Vamos lá?

Resolução de um problema real

Como funciona: 

Apresente um problema real do dia a dia que a pessoa vá trabalhar. 

Por exemplo, se você está contratando uma pessoa desenvolvedora sênior Node.js:

“Você acabou de entrar na empresa e é justo época de Black Friday.

O gerente logo marca uma reunião com a equipe e passa que a expectativa de acesso deste ano é 9x quantidade de acesso da último ano.

Alguns desenvolvedores já alertam o gestor, que terá que refazer uma parte do sistema porque no ano passado foi bem complicado atender a demanda.

Conversando com time, percebe que está tudo em um monolito. O que você sugere para resolver esse problema?”

É importante dar um tempo para a pessoa candidata analisar e pensar e dar algumas soluções para o problema. Não espere uma resposta pronta, e sim uma análise profunda do problema.

Nessa entrevista técnica é importante estar aberto a responder todas as perguntas de aprofundamento do candidato, inclusive, elas são um bom sinal, afinal, para a pessoa dar alguma sugestão de resolução ela precisa entender de fato o problema.

Após ele sugerir alguma solução, peça para ele explicar como aplicaria isso tecnicamente.

Tempo de entrevista: 40min – 1 hora.

Pontos positivos:

  • Excelente para pegar pessoas consultoras;
  • Mais rápido de ser aplicado e menos burocrático;
  • Não deixa as pessoas tão desconfortáveis;
  • Não exige muita preparação para realização;
  • Pode ser tocada remotamente;

Pontos negativos:

  • Funciona melhor com pessoas candidatas experientes;
  • Para aplicar esse teste a pessoa que está entrevistando precisa ser bem experiente tecnicamente para conseguir avaliar corretamente a pessoa candidata;

Code Review

Como funciona: 

Apresente um código real finalizado para a pessoa candidata realizar um Code Review do mesmo.

De preferência, pegue um código que você sabe quais melhorias e erros a serem corrigidos.

Após a apresentação, peça uma análise crítica do código apresentado. Além de uma análise do que ele acha do código, peça para ele observar se tem algum bug aparente, ou melhorias a serem realizadas.

Uma dica é apresentar dois códigos, um mais bem elaborado e outro mais simples, para ver como a pessoa candidata discorre sob o código.

Tempo de entrevista: 30min – 1 hora.

Pontos positivos:

  • Bom para pessoas que estão na correria, devido ao teste ser mais curto;
  • Excelente para pegar “gênios arrogantes”;
  • Pode ser tocada remotamente;

Pontos negativos:

  • Um pouco superficial, não te dá muitas garantias de que a pessoa sabe aplicar o que sabe no dia a dia;
  • Funciona melhor para pessoas mais experientes; 
  • Pode não tirar suas dúvidas sobre o candidato, caso o código para o code review não aborda esses pontos

Pair programming 

Como funciona: 

Basicamente, nesse teste a candidata precisa programar na frente, junto da pessoa que está entrevistando. 

Nós disponibilizamos um código pronto com alguns problemas a serem resolvidos e melhorias a serem realizadas em um tempo razoável. No início da entrevista, a pessoa que está entrevistando explica o código e expõe as atividades a serem realizadas.

A tela da candidata é compartilhada para que possamos entender a linha de raciocínio de cada pessoa.

A partir daí o candidato tem um tempo para realizar tudo que foi proposto.

Um ponto de atenção é que esse tipo de teste pode elevar o nível de ansiedade do candidato, então é de extrema importância quebrar o gelo logo cedo na entrevista. Deixe claro para a pessoa que qualquer dúvida ela pode perguntar ou pesquisar no google. 

Tempo de entrevista: 1 horas (fica a critério de quem está avaliando decidir se quer estender)

Pontos positivos:

  • Muito bom para avaliar se a pessoa consegue dar vazão em código mesmo;
  • Não alonga muito o processo;
  • Bom para pegar pessoas menos experientes também;
  • Pode ser tocado remotamente; 

Pontos negativos:

  • Se não aplicado corretamente, pode causar um estresse na candidata levando você a perder um bom talento;
  • Exige um certo preparo para realização;

Dever de casa

Como funciona: 

Na maioria das vezes é preparado um desafio (condizente com a realidade da empresa) para que a candidata consiga desenvolver um projeto de sua casa, no seu tempo livre.

Como se fosse um requisito técnico, crie um documento com o contexto do desafio, o que você espera que tenha no projeto e o que exatamente será avaliado. 

Por exemplo, se você vai avaliar a qualidade do design do projeto, deixe muito claro. 

Estipule um tempo de desenvolvimento do teste do candidato (deixe isso muito claro também) e espere o resultado.

Após o teste ser realizado avalie o que foi desenvolvido, isso pode ser feito somente por você ou em conjunto com o candidato, em outra entrevista.

Tempo de teste: 1 semana

Pontos positivos:

  • Muito bom para estagiários e pessoas iniciantes;
  • Pode ser tocado remotamente; 

Pontos negativos:

  • Exige muito preparo e esforço para realização;
  • Não garante que a pessoa saiba desenvolver de fato (ninguém garante que ela quem fez aquele código);
  • Alonga muito o processo seletivo;

Entrevista estruturada por competência

Como funciona:

Nessa entrevista técnica, deve ser avaliada previamente quais habilidades e competências espera-se que o profissional tenha para desempenhar, da melhor forma possível, as atividades solicitadas, englobando habilidades técnicas e não-técnicas e a cultura da empresa. Após esse mapeamento, é necessário criar um roteiro de perguntas que vão avaliar diretamente cada uma dessas competências.

Exemplo: 

Competência – Adaptabilidade

Pergunta – Me conte sobre uma situação em que te pediram para fazer algo que nunca tinha feito antes. Como você reagiu? O que você aprendeu?

Tempo de entrevista: 40 min – 1 hora

Pontos positivos:

  • Avalia tanto soft quanto hard skills
  • Mais fácil de ser avaliada por pessoas fora da área técnica
  • Não deixa as pessoas tão desconfortáveis;
  • Não exige muita preparação para realização do lado da candidata;
  • Pode ser tocada remotamente;

Pontos negativos:

  • Exige preparo para a realização do lado de quem está recrutando
  • Um pouco superficial, não te dá muitas garantias de que a pessoa sabe aplicar o que sabe no dia a dia;

Essas são algumas das entrevistas e testes técnicos mais aplicados no mercado, cabe a você analisar qual tem mais fit com sua realidade.

Hard Skills and Soft Skills that every CTO must have

Having specific Hard Skills and Soft Skills can make all the difference in the work of a CTO. Like any company leader, this professional needs to have skills focused on people management, business and also have mastery of technical aspects, such as programming languages and project management. This is important for your startup to develop in the best possible way and with a lower rate of problems along the way.

Because of this importance in the area, we have produced an article that details the main hard skills and soft skills that every CTO should have. Perhaps this can help professionals improve their characteristics or help you hire the ideal technical leader. Check it out below.

Hard Skills

Project planning

As it is a very technical area, a good CTO must know how to correctly execute the planning of his projects. This is because, for a given product to have a good final result, it is necessary that project management techniques are executed in an agile way. Having experience with SCRUM and Kanban are fundamental to the curriculum of a technology director.

In this planning, the professional is responsible for conducting a requirements survey on which features will enter the project. In addition, he needs to understand and assemble this planning according to the needs of the company and its customers. The CTO also analyzes scopes and limitations of projects, studies solutions, and also works to guarantee the success of products, managing time, processes, prioritization, resources and deadlines.

Strategic knowledge

As previously mentioned, for a CTO to be able to plan projects he needs to have well-developed strategic knowledge. This professional becomes the leader and responsible for choosing which technologies will be used in the products, implementing these languages ​​and developing strategies to improve and perfect the product.

As its focus is on the customer, the final product and the increase in revenue, it is important that every CTO is well updated on the emergence of new technologies – and the most used ones – so that he can understand where to use each programming language. . In this way, the professional is able to pass the main instructions to his development team. This strategic thinking is important so that execution errors do not happen and that the final product has no problems.

Technical knowledge

Following the main hard skills required in a CTO, having technical knowledge is the most important. A professional who wants a CTO position needs to have practical experience in computer engineering and similar areas. As he will be the technical leader of a team, he needs to organize the whole team and come up with solutions to possible technical errors that may happen in the execution of a project.

That is why most CTOs are trained in computer science and have knowledge of system architecture, programming and software design. Although not all of these skills are present in professionals, having practical knowledge of the technical part and experience in the area makes them better prepared to deal with types of technical challenges.

Know how to hire professionals

In addition to the resources mentioned above, it is super important that a CTO knows how to hire professionals. He is responsible for assembling the development teams, knowing where to find the developers, what their characteristics and in what areas are most needed can help in the progress of the project and in the management of the team.

The CTO needs to be able to identify and attract developers who are not only talented, but who are part of the company’s culture. In addition, it is important to know how to detect performance problems among employees as soon as possible, so that the company does not suffer from unexpected results. Therefore, look for professionals you can trust and who enjoy working together so that the company’s goals are achieved.

Soft Skills

Communication

Besides to hard skills, soft skills are also important for any CTO. Having a professional with the ability to communicate is super important for the growth of your business. Because it is a very technical area, the CTO who is able to convey his ideas in a simpler and more didactic way tends to have an easier time managing his projects. In addition, communication is important to communicate to other sectors of the company about what is being done in your area.

Another important characteristic is knowing how to listen to other people. The CTO needs to fully understand what is needed on both the business and development side and know how to deal with all the challenges so that it can transmit them efficiently. Make sure you understand if your development team is really understanding what you are saying.

Have a leadership profile

This soft skill is pretty obvious, but we can’t stop talking. As the technical leader of its development team, it is up to the CTO to indicate which paths should be taken and which priorities the project should have. Besides, it is the CTO that defines which programming language will be used in the product and which will be your team.

This choice can become a complicated step because defining a technology stack in the wrong way can compromise (and a lot) the development of the project. This leadership is also an important role in solving problems, as the technical leader is responsible for analyzing and tying up loose ends.

Organization

Closing our list of hard skills and soft skills, having a good organization is also part of the range of skills of a CTO. When entering a technical project, every technology leader needs to be organized enough to define a list of priorities and also to assemble their development team. Every initial project needs developers who know how to work in more than one area (Full-stack). After a clear growth of your business, choosing specific professionals who will work in each sector (Front-end, Back-end, etc.) guarantees increased productivity.

Being organized also ensures that development sprints are effective, done in a shorter period of time and that the least number of problems happen during execution.

How to structure a software development team

How to structure a good software development team is one of the biggest challenges that a manager has when deciding to start a new digital product. Among the main doubts that arise at that moment are related to the necessary functions within the team, how many people are needed for the good progress and what is the best professional profile.

Within the technology area, different roles and responsibilities are defined. Because of this, understanding what each of these profiles does is essential for a good project performance. Thinking to help you in this moment of decision, we have prepared an article that details some essential functions and positions for the progress of your project and what are its due importance.

Remembering that each moment of the startup needs a certain set of professionals, and our intention is just to show each one of them so that you can decide which ones you need.

CTO

To structure a software development team, the presence of a CTO is essential. He is the chief technology officer of his company and is responsible for the entire technical area of the business. It is his responsibility to hire the team for the area, control code quality and technical debt, always be tuned in to new technologies and know how to get the best out of each person within the team.

As we are talking about digital products, technology is one of the main areas of the business, so it is important that this professional is one of the business partners. In this way, you are able to guarantee your total commitment to team management and product development.

PM

Following our presentation of the main positions for managing a project appears the Product Manager. This professional is responsible for guiding your product, and he is also the one who gives direction to where the team should go and which paths to take.

Knowing how to set a priority on which features will be launched with priorities and what the client’s real needs are competencies of that professional. It is essential that a good Product Manager has a notion of growth hacking, roadmap definition and processes. Knowledge in agile methodologies such as SCRUM and KANBAN and product metrics are also essential.

Front-end developer

When we talk about front-end we are referring to the development of a more visual aspect of the product. This part of the development will deal with the functionalities that guarantee the user’s direct relationship with the system. All the things that someone sees or interacts when they are on a website, for example, relate to the front end.

When a page is accessed, it has several features. Everything a person sees when accessing a website was made possible by a front-end developer. For this, the professional will use a language (such as JavaScript) that will allow to elaborate the application components in the browser. Menus, buttons, titles, texts, bars. All of this is the result of the work of this professional.

Back-end developer

The back-end developer, on the other hand, is concerned with what is “behind” what the user sees. This specialization will be based mainly on the functionalities related to the information that are not displayed in the interface of the website but, nonetheless, are necessary for its functioning.

A dynamic web application, for example, requires a variety of information and functionality that will be stored on servers and databases. The developer specialized in this area is responsible for a kind of “intermediation” between what the user accesses and this data.

Your performance will ensure that the application remains up to date and preserves the data that must be there, such as videos and images. In order for him to do this, it is necessary to use a programming language that is understood by the databases. In this case, the developer will use PHP, C #, Java – and even JavaScript -, for example.

Full Stack developer

The full stack developer, can act in several parts within our project, he can develop both back-end and front-end and depending on the experience of this developer he can even work with devops.

This type of professional is essential for starting a startup, as it reduces the amount of resources needed to make a project run from end to end.

QA and UX/UI Designer

Quality Assurance, as the name implies, is the person who guarantees the quality of a project. She is responsible for testing the products, whether automated or not.

The objective of this professional is to reduce the amount of bugs that reach the end customer, thus increasing the quality of the product as a whole.

Entering the Design segment, at this moment, it is important that a team has two professional profiles. UI Design is responsible for how the application will behave visually, that is, it is the one who actually designs the application screens thinking mainly about aesthetics. UX Design takes care of the experience as a whole, in addition to the interface it thinks about aspects such as ease of use accessibility.

Devops

Devops, in a simpler way, is the combination of development and operation practices. The job of this professional is to automate the maximum of infrastructure functions, such as publications on servers, security, database backup, among others.

A good Devops also knows how to work with the most famous cloud services on the market, such as AWS or Google Cloud.

Tips to how to build a good software development team

For any manager to be able to structure a good software development team, it is important to take into account some points. The main one is the context of the product and the timing of the business. When the need arises to assemble a new technology team, whether for a new digital product or the launch of new features of an existing product, always be clear about the objectives that this team needs to achieve.

In addition, the presence of a multidisciplinary team assists in the process, since it is a combination of people from different specialties that aims to deliver a result. With this variety, you can have different views on the same problem, so the solution can be much more creative.

Another important point is to be as transparent as possible. That way, the people on the team know exactly what their responsibilities are and what they will perform on a daily basis. It is very annoying when you hire a professional to work on process X and end up working on process Y. Of course, these situations can happen, but it is essential that you as a manager talk to that person explain the situation.

In addition to all this, for a healthy production process, it is recommended that the staff have a cultural fit similar to the values of your company. When hiring, be sure to do an interview to ensure that the new employee has all the cultural aspects that you value in your business.

Minha startup recebeu um aporte e agora?

Ter uma startup que recebe aporte financeiro é o grande sonho de todo gestor que possua uma grande ideia em mente. Com a chegada de um investidor para seu negócio, sua startup passa a ter agora uma série de obrigações que, se cumpridas corretamente e em tempo curto, pode trazer um grande retorno financeiro para você e para seu investidor-anjo. Por conta de ainda estar começando e talvez possuir pouca experiência na área, alguns gestores podem se sentir confusos sobre onde começar e quais os caminhos para o sucesso.

Além disso, se um houve investimento, isso quer dizer que sua ideia é bastante promissora. Lembrando sempre que esse aporte chega após uma análise sobre a oportunidade de retorno financeiro, se há segurança do capital investido e qual a perspectiva de crescimento. 

Pensando nisso, nós preparamos um artigo que detalha quais mudanças são necessárias e quais atitudes precisam ser tomadas para que seu negócio se profissionalize e entre de vez no mercado. Confira, nas linhas a seguir, o que fazer após receber aporte financeiro.

Invista tempo em mentorias e em consultorias

Ter um capital de investimento no seu negócio é o principal fator que leva ao crescimento das empresas. Entretanto, o gestor não deve ficar preso somente aos valores oferecidos pelo investidor, e sim, aproveitar essa oportunidade para agregar o máximo de conhecimento com mentorias e consultorias com gente especializada no assunto.

Essa também é uma parte fundamental para o crescimento da sua startup, já que, futuramente, você pode se tornar um especialista em negócios, gestão e empreendedorismo. Sem essas mentorias, o empreendedor pode usar todo o aporte de capital de forma precipitada e desperdiçar seus valiosos recursos em algo que talvez não gere tantos resultados.

Além disso, investidores possuem um networking com diversos nomes do mercado e de diferentes áreas. Essa conexão pode te auxiliar a ter gente extremamente competente ao seu lado, aumentando as chances de sucesso a longo prazo.

Talvez seja necessária uma mudança estrutural na sua startup

Uma das primeiras atitudes a se tomar quando se recebe um aporte de um investidor é rever a estrutura da sua startup. Isso porque, a partir de agora, seu negócio possui capital suficiente para crescimento a longo prazo e terá a obrigação de apresentar resultados significativos e dados bem detalhados sobre o andamento dos processos.

Numa startup que não recebe aporte os processos para controle tendem a ser mais informal, sem a necessidade de adoção de práticas mais completas para controle, registros e prestações de contas, seja mensal, bimestral ou trimestral. Em grande parte dos casos, startups iniciam suas atividades de forma mais simples, tendo como base ideias de seus criadores. Além disso, a rotina de trabalho de uma startup que está no início muita das vezes passa do horário comercial e seus funcionários se dedicam 100% do tempo para o desenvolvimento do projeto.

Isso muda com a presença de um investidor-anjo. Nesse caso, é necessário que diversos aspectos na condução das atividades sejam alterados e implementados em busca de manter uma boa relação com o investidor e, consequentemente, aumentando o sucesso do seu negócio. Essa simplicidade instalada no gerenciamento dos processos precisa ser alterada, visando a profissionalização, além da capacitação dos profissionais para esse novo modelo.

Com essa mudança, já será possível identificar pontos onde sua startup deve se desenvolver com mais facilidade e também corrigir aspectos negativos encontrados ao longo da transição. Essa etapa precisa ter como objetivo evitar prejuízos a ambas as partes: gestor e investidor.

Principais pontos para mudança

Dentro dessa transformação na rotina do seu negócio, alguns pontos são importantíssimos e precisam de uma definição emergencial. Primeiramente, defina o nível de participação dos investidores na rotina da sua startup. Isso é importante para que todos saibam quais informações devem serem repassadas para o novo sócio e quais precisam ser mantidas internamente.

Além disso, registre documentalmente todo tipo de negociação e acordo que possa a ser realizado em reuniões, seja em forma de ata ou de qualquer outra maneira que desejar. Isso aumenta a autoridade da sua startup e a profissionaliza.

Ainda nesse ponto sobre reuniões, é importante que seja definido um cronograma de reuniões com certa periodicidade. Nesses encontros, busque apresentar ao investidor um resumo bem detalhado do andamento da empresa e quais os próximos passos. Outra atitude essencial para que ninguém saia no prejuízo é formalizar os contratos com clientes. Isso é básico, mas ajuda a evitar possíveis problemas futuros

Como dito anteriormente, a mudança no gerenciamento da startup é algo inevitável de se acontecer. A implantação de controles sobre as transações da startup é uma condição fundamental para alcançar bons níveis de gestão e também a transparência na relação com os investidores. Algumas medidas que visam controlar fluxo de caixa, acompanhar a relação com fornecedores e também com clientes é algo que pode ser bastante positivo.

Tenha suporte jurídico na sua startup

Após receber um bom investimento no seu negócio é super importante que sua startup faça a contratação de uma assessoria jurídica. Ter um cuidado a mais com o cumprimento das exigências legais e fiscais é essencial para que nenhum problema futuro aconteça e que possa travar o investimento ou o crescimento do seu negócio.

Necessária em qualquer tipo de empresa, a consultoria jurídica tem uma importância ainda maior no caso de uma startup em processo de investimento externo. Este suporte garante que toda operação de transição seja feita com as respectivas garantias para ambas as partes, quanto aos aspectos não apenas propriamente legais, mas ainda societários e fiscais.

Além disso, em alguns pontos o suporte jurídico pode contribuir em retirar algumas preocupações da cabeça do gestor. Assistências em relação a registro da marca, andamento de negociações, auxílio caso haja desconhecimento na área tributária e até mesmo no caso do gestor não possuir conhecimento empresarial, são as atividades mais comuns.

How much does it cost to have open vacancy in your company

Finding out how much cost a open vacancy in your company can be important so that the recruitment process is done more quickly. This is because, despite the chance to reduce costs with the dismissal of a professional being tempting, this vacancy that has just opened can bring a series of impacts due to the drop in productivity of your business. In addition, this cost can quickly exceed the salaries of the former professional.

Although most organizations know that unfilled positions can hurt profit, few are able to quantify exactly how much these vacancies cost. It is essential to observe how the loss of manpower and talent can affect everything from sales, production to management and recruitment efforts.

Among the main impacts caused by an open position, some of them can hinder the evolution of your business. In this scenario, probably some employees will need to be relocated and will start to perform not only their obligations, but also that of another sector, taking the focus away from the professional for their tasks. In addition, when hiring an employee for the specific payment takes a long time, other professionals may feel devalued, since they are performing double functions.

Because of all these problems mentioned earlier, it is super important that the leaders of a startup know how to calculate the COV. Known as “Cost of Vacancy”, the selection and recruitment metric can help you recognize how much it costs to have a open vacancy in your company. Want to know more details? Check it out below.

What are the costs of a open vacancy?

The costs of a vacancy can vary depending on several factors. In addition to financial impacts in relation to the monthly / annual revenue that the lack of an employee generate, there are also some additional problems that can occur in your team and in the company as a whole. This can even be felt by the staff, by each individual professional, by competitors, partners, customers and also in the development of your company.

When there is a open vacancy in your business it means that the work that would have been completed by a person in that role still needs to be done in some way. The solution to this recurring problem may be to hire a temporary employee or pay overtime to other employees. Another concern is the costs of employee turnover in your company. When a selection process is not carried out in an assertive manner, costs related to hiring, integration and training may be demanded by a professional who does not fit correctly for the specific vacancy.

As well, from the moment there is a vacancy open the productivity decreases, affecting its results in several ways. This not only means that you are potentially paying extra overtime, but you are also missing out on business opportunities and product development that you cannot take advantage of or explore. This, in turn, impedes your company’s growth and stifles your ability to scale.

How to calculate the cost of a open vacancy?

As stated earlier, calculating the “Cost of Vacancy” for certain positions in a company is crucial for you to know what the real cost of an open position is. Besides, this calculation is also super important to find out how much is feasible to spend in the process of selecting and hiring new employees.

The importance of performing this calculation goes further. Most companies think that an open position is not something that can cause problems for their business, because it means a temporary reduction in expenses. However, the reality is that hiring an employee should be seen as an investment and not an expense, since all professionals must bring financial returns to the company.

Entering the subject of our subtitle, performing this calculation can vary greatly for different positions in your business. However, there are some formulas that can help you measure this to approximate values.

General hires

The first is for hiring in general. This formula is based on the average of how much an employee generates annual revenue for the company, divided by the number of working days in a year. Thus, you get the average daily revenue of an employee in the final result. If you have an open spot, this is the amount you lose each day.

Formula:

(Annual revenue / No. of employees) / Working days in the year

Specific hires

Another way to perform this calculation is for vacancies in more specific positions and positions. According to studies, a professional is expected to generate a financial return of 1 to 3 times the value of his salary. Therefore, divide the employee’s salary by the number of working days in a year and multiply it by a number from 1 to 3. The final result should represent how much your company loses each day that a particular vacancy is not filled.

Formula:

(Annual professional salary / Working days in the year) x 3

In addition to making an assertive hiring for your business, it is super important that it be done in a short period of time. Therefore, some practices to optimize the selection process can help you in this regard.

One way out is to try to make the selection as objective as possible for the vacancy in question. With the elimination of bureaucracy, costs are also lower. Also, do a well-planned outreach to attract as many candidates as possible. If it is still difficult to find a professional – mainly for the technology area – some companies are specialized in this type of service and can bring the ideal professional in a short period of time.

Quanto custa ter uma vaga aberta na sua empresa

Descobrir quanto custa uma vaga aberta na sua empresa pode ser importante para que o processo de recrutamento seja feito com mais agilidade. Isso porque, apesar da chance de reduzir os custos com o desligamento de um profissional ser tentadora, essa vaga que acabou de abrir pode trazer uma série de impactos em razão da queda de produtividade do seu negócio. Além disso, esse custo pode exceder rapidamente os salários do antigo profissional.

Apesar de a maioria das organizações saberem que posições não preenchidas podem prejudicar o lucro, poucas conseguem quantificar exatamente quanto custam essas vagas. É essencial observar como a perda de mão de obra e talento podem afetar tudo, desde vendas, produção a até esforços de gerenciamento e recrutamento. 

Dentre os principais impactos causados por uma vaga em aberto, alguns deles podem prejudicar a evolução do seu negócio. Nesse cenário, provavelmente alguns funcionários precisarão ser remanejados e passarão a realizar não apenas suas obrigações, mas também a de outro setor, tirando o foco do profissional para suas tarefas. Além disso, quando a contratação de um funcionário para a paga específica demora muito, os outros profissionais podem se sentir desvalorizados, já que estão realizando funções duplas.

Por conta de todos esse problemas citados anteriormente, é super importante que os líderes de uma startup saibam como calcular o COV. Conhecido como “Cost of Vacancy”, a métrica de seleção e recrutamento pode te ajudar a reconhecer quanto custa ter uma vaga aberta na sua empresa. Quer saber mais detalhes? Confira a seguir.

Quais os custos de uma vaga aberta?

Os custos de uma vaga podem variar dependendo de vários fatores. Além de impactos financeiros em relação a receita mensal/anual que um funcionário em falta não consegue gerar, existem também alguns problemas adicionais que podem ocorrer na sua equipe e na empresa como um todo. Isso pode até ser sentido pelo quadro de funcionários, por cada profissional individualmente, por concorrentes, parceiros, clientes e também no desenvolvimento da sua empresa.

Quando existe uma vaga aberta no seu negócio significa que o trabalho que teria sido concluído por uma pessoa nessa função ainda precisa ser realizado de alguma maneira. A solução para esse recorrente problema pode ser a contratação de um funcionário temporário ou o pagamento de horas extras a outros funcionários. Outra preocupação são os custos com a rotatividade de funcionários na sua empresa. Quando um processo seletivo não é feito de maneira assertiva, custos relacionados a contratação, integração e treinamento podem ser demandados para um profissional que não se encaixa corretamente para a vaga em específico.

Além disso, a partir do momento em que se tem uma vaga aberta consequentemente a produtividade diminui, afetando seus resultados de várias maneiras. Isso não significa apenas que você está potencialmente pagando um valor extra em horas extras, mas também está perdendo oportunidades de negócios e desenvolvimento de produtos que você não pode tirar proveito ou explorar. Isso, por sua vez, impede o crescimento de sua empresa e sufoca sua capacidade de escalar.

Como calcular o custo de uma vaga aberta?

Como dito anteriormente, calcular o “Cost of Vacancy” para determinadas posições de uma empresa é crucial para que você saiba qual o real custo de uma vaga em aberto. Além disso, esse cálculo também é super importante para descobrir o quanto é viável gastar no processo de seleção e contratação de novos funcionários.

A importância de realizar esse cálculo vai além. Grande parte das empresas acham que uma vaga em aberto não é algo que possa causar problemas para seu negócio, porque significa uma redução temporária nos gastos. Entretanto, a realidade é que contratar um funcionário deve ser visto como um investimento e não como uma despesa, já que todos os profissionais devem trazer retorno financeiro para empresa.

Entrando no tema do nosso subtítulo, realizar esse cálculo pode variar bastante para diferentes cargos do seu negócio. Porém, existem algumas fórmulas que podem te ajudar a metrificar isso a valores aproximados.

Contratações gerais

A primeira delas é para contratações no geral. Essa fórmula tem como base a média de quanto um funcionário gera de receita anual para a empresa, dividido pelo número de dias úteis em um ano. Assim, você consegue no resultado final a receita média diária de um funcionário. Se você possui uma vaga aberta, esse é o valor que você perde a cada dia.

Fórmula:

(Receita anual / Nº de funcionários) / Dias úteis no ano

Contratações específicas

Outro jeito de realizar esse cálculo é para vagas em posições e cargos mais específicos. De acordo com estudos, é esperado que um profissional gere retorno financeiro de 1 a 3 vezes o valor de seu salário. Por isso, divida o salário do funcionário pelo número de dias úteis em um ano e multiplique por um número de 1 a 3. O resultado final deve representar o quanto sua empresa perde a cada dia que uma determinada vaga não é preenchida.

Fórmula: 

(Salário anual do profissional / Dias úteis no ano) x 3

Além de realizar uma contratação assertiva para seu negócio, é super importante que ela seja feita em um período curto de tempo. Por isso, algumas práticas para otimizar o processo de seleção podem te ajudar nesse ponto.

Uma delas é tentar realizar uma seleção mais objetiva possível para a vaga em questão. Com a eliminação de burocracias, os custos também são menores. Além disso, faça uma divulgação bem planejada de sua vaga para atrair o maior número possível de candidatos. Caso ainda seja complicado encontrar um profissional – principalmente para área de tecnologia, algumas empresas são especializadas nesse tipo de serviço e podem trazer o profissional ideal em um curto espaço de tempo.

When to know when to hire a outsourced developer?

Whether or not to hire a outsourced developer can be one of the main questions for those starting a digital business. Having an allocated professional, who is not part of your internal team of professionals, can bring some uncertainty to managers. However, this type of contracting brings a series of benefits such as cost reduction, reduced risk of investment going wrong and also agility in development.

Because of this, if the size of your company prevents you from performing all the necessary functions at a reasonable and consistent cost, outsourcing may be a good option.

However, it is also important to know that the ideal time to hire a outsourced developer is when you are looking for an evolution of your company in the job market, either by creating an online solution, developing an application that can boost your business or just for daily control and management of your startup.

Because of all these points presented, we have prepared an article that details the outsourcing of developers and their benefits. Check it out below.

What does an IT developer do?

The system developer is a professional who has the function of writing and coding a series of functions and commands that will be responsible for creating a software, website or application. In addition, within the areas of expertise, the professional also has enough technical knowledge to monitor networks, create and manage databases and also offer technical support for maintaining products already developed.

The work of the developer is very important nowadays, due to the rapid advancement of information technology and the constant evolution of technological knowledge. In addition, most companies are looking for a digital solution to increase revenue and visibility for their business.

Despite writing codes, the developer must have, in your essence, creativity, curiosity in solving problems and a lot of dedication in his studies, since new technologies and languages ​​appear daily. Another fundamental characteristic in the profession is having leadership, to manage a possible team of developers, and also the notion of entrepreneurship, to attract new customers and close a larger number of deals.

Due to the countless qualities expected for this type of professional, the system developer is a key part for a company that wants agile growth and innovation, following the trends that have emerged over the years.

When to hire a outsourced developer?

Before hiring a technology developer, it is necessary to analyze the structure of your company, how many employees you need for the operation and also about which projects you want to invest in. This is important to determine how the search for talent will occur, since, to fill or create a new vacancy for an IT professional depends, first of all, on the assessment of their needs. So, recognize what your company needs. After that, finding the right person for the vacancy will be much easier.

As well, it is important to detail and delimit your project so that you have in mind what your goals are, it is another important step so that, in the future, the development team has no doubts about what to produce.

The trigger to hire a outsourced developer must arise from a need, whether to create a website, a management system or an application that will modify your business for the better, paying less than the company would pay when forming an internal development team.

One of the solutions to reduce the initial cost projected by the company is to invest in an outsourced IT professional. With this type of outsourcing in the technology area, there is no need for the entrepreneur to assemble a specific team, take care of the bureaucratic hiring parts and not even spend on training their employees to bring the project to life.

Hire a developer will increase your results

From the moment you have a company that specializes in hiring and managing high performance teams, you also dramatically minimize the risks of the investment not having the expected return. Besides, choosing companies that take care of this part of developer allocation ensures that your project will be produced by highly trained professionals in the subject, and with that, the completion of your system will be completed more quickly without losing code quality.

Another time when hiring a outsourced developer may be ideal is when it comes to starting a digital transformation in your business. Hiring a team of developers who will be responsible for including your brand in the online world can significantly increase your company’s authority and visibility and, consequently, profitability.

Other factors that may indicate that you need an outsourced software development consultancy are related to the lack of training of your employees regarding technology. Having an outsourced team for the matter, the manager will have a team focused only on the objective of bringing the project to life while the company’s fixed employees take care of other vital areas of their business.

In addition, another positive point is that, when the project executed by the allocated professionals ends, the result will be maintained for a long period. Assuming that a group of developers developed software for your company, in this case, even with the departure of the allocated professionals, the result of your work will be maintained and the manager will have no consequences on the performance of your business.