fbpx

Planejamento de produto: cinco erros que precisam ser evitados

Realizar um planejamento de produto assertivo é fundamental para a organização da empresa no desenvolvimento de projetos. Com algumas atitudes diárias, é possível estar sempre alinhado com o time de tecnologia e também com o cliente, já que o projeto terá que possuir todas as funcionalidades que ele deseja, de modo que a satisfação do cliente seja alta. Com isso, é certo que sua startup cresça em tempo ágil, trazendo ótimos resultados aos cofres.

Pensando na importância de se realizar um bom planejamento de produto, nós preparamos um artigo que traz cinco erros comuns que podem (e precisam) ser evitados dentro de uma empresa. Confira a seguir:

Mau gerenciamento de riscos

Realizar um bom planejamento de produto passa bastante pela etapa de gerenciamento de riscos de possíveis problemas que possam acontecer no desenvolvimento do projeto. Por conta disso, durante a fase de organização das etapas de produção, faça uma lista de todos os problemas, qual a probabilidade deles acontecerem e o quanto isso deve afetar a entrega do produto ao cliente. Esse tipo de organização é importante para saber como solucionar esses problemas, já que a equipe de desenvolvimento não será surpreendida negativamente e o gestor terá bastante tempo para executar um plano de ação, economizando tempo de produção.

Caso esse gerenciamento de riscos seja feito de uma forma inadequada, o planejamento de produto do seu time será afetado de uma forma que o prazo final de entrega seja comprometido, já que um problema que surgir pode afetar o desenvolvimento de features importantes. Dessa forma, a produtividade dos profissionais será amplamente prejudicada.

Aliado a esse aspecto, ter uma falta de qualidade do seu produto final é a prova de que o planejamento foi mal executado. Além de deixar o cliente insatisfeito, já que as demandas solicitadas não foram atendidas com maestria, isso faz com que ele não volte a entrar em contato para projetos futuro e também deixe de indicar sua empresa à outras, abaixando sua reputação no mercado.

Cronogramas apertados

Ainda dentro do planejamento pré-execução do projeto, tenha atenção ao cronograma proposto para a sua equipe de desenvolvimento. Para um melhor planejamento de produto, é importante que o prazo de produção não seja apertado e tenha sobriedade, de forma que os profissionais façam tudo como deve ser feito e sem correria desnecessária. Como diz o ditado: “a pressa é inimiga da perfeição”, e isso se encaixa bastante em equipes de tecnologia.

Como todo líder de tecnologia deveria saber, não há como fazer um bom projeto sem tempo para isso. Por conta disso, procure explicar e ter transparência com o cliente desde o início do desenvolvimento do projeto, já que, em alguns casos, o cliente pode querer que o produto seja feito em tempo recorde, e cá entre nós, todos sabemos que não há como fazer isso.

Claro que é possível ser um pouco ganancioso e tentar negociar com seu time de execução o desenvolvimento de um projeto em um espaço de tempo menor do que o convencional. Entretanto, é importante não se apegar a esse prazo, de modo que, caso o projeto possa ficar comprometido em termos de qualidade, basta abandonar esse cronograma e retornar ao tradicional, no qual os devs sabem que será possível realizar um bom trabalho.

Não dar importância aos erros da equipe

Todo sucesso de um projeto só acontece após uma equipe errar bastante na hora de executá-lo. Por isso, esteja sempre ciente dos erros cometidos pelo time e tente solucioná-los da forma mais rápida possível, já que não dar a devida importância a esses problemas e deixá-los passar não agrega em nada em projetos futuros.

Além disso, é importante não expor o profissional que causou algum tipo de problema na produção do projeto, mas sim explicar para todo o time como aquilo pode ser prejudicial para toda a empresa. Esteja ciente também que, caso um feedback seja dado de uma maneira incorreta, a produtividade e a motivação dos profissionais podem cair drasticamente.

Falta de flexibilidade

Para um melhor planejamento de produto e para que seja bem executado, ter flexibilidade no dia a dia de trabalho também é importante, justamente para uma boa gestão de equipes de desenvolvimento. Seja flexível ao ponto de que os colaboradores se sintam confortáveis para passar feedbacks e também para que digam quais são os pontos no projeto que os incomodam. Dessa forma, é possível adaptar os processos de produção de uma maneira que os profissionais possam trabalhar do jeito que estão mais acostumados e confortáveis para uma melhor produtividade.

Além disso, como gerente de produto, ser um líder é diferente de ser um chefe. Saiba ouvir pontos de vista diferentes e se adapte para que a empresa tenha o melhor resultado possível na execução dos projetos técnicos e para uma boa satisfação do cliente.

Alterações no escopo

Apesar de acontecer com certa frequência em squads de tecnologia, as alterações recorrentes no escopo do projeto podem afetar a produção do time. Para que isso não aconteça, busque alinhar todas as expectativas com o cliente de forma que todas as funcionalidades do projeto estejam bem detalhadas. Assim, é possível diminuir a frequência com que essas mudanças acontecem, aumentando a efetividade da produção e também do planejamento de produto.

Tradicionalmente, os clientes não possuem a noção exata de quanto tempo leva para que seus projeto personalizado fique pronto, muito menos quais são os meios que os desenvolvedores percorrem para entregar o projeto. Por conta disso, eles pensam apenas no prazo em que desejam, e, por muitas vezes, mudam o escopo do projeto sem que o prazo final seja afetado. Isso é praticamente impossível. Fazendo uma analogia, não há como trocar o pneu de um carro em movimento sem atrasar a chegada ao destino final. O mesmo se aplica a projetos de tecnologia.

Conclusão

Neste artigo, busquei trazer detalhes sobre a importância de se realizar um planejamento de produto assertivo e com efetividade. Além disso, pude elencar alguns erros que são bastante comuns em startups que estão iniciando os seus trabalhos e que ainda buscam um espaço no mercado. Com a resolução desses gaps, é possível crescer e dar autoridade ao nome da sua empresa ao mercado, podendo bater de frente aos concorrentes. Além disso, seus projetos tendem a ganhar a confiança de clientes, trazendo resultados significativos ao caixa da empresa.

A habilidade de reter talentos no seu time de desenvolvimento

Reter talentos na sua empresa é fundamental, principalmente em um mercado tão aquecido e competitivo quanto o de tecnologia. Investir um tempo dos gestores para organizar práticas que buscam manter os principais profissionais na sua empresa pode trazer uma série de benefícios futuros e aumentar ainda mais o retorno sobre investimento do seu negócio. Métodos como oferecer planos de carreira, utilizar sistemas de gamificação e até mesmo ser um líder flexível são bastante utilizados em grandes empresas atualmente.

Em razão da importância de se reter talentos na sua equipe de desenvolvimento, nós produzimos um artigo que traz mais detalhes sobre a importância dessa estratégia e o que fazer para diminuir o índice de turnover na sua empresa. Confira a seguir:

Do que se trata a retenção de talentos?

A prática de reter talentos é um dos pontos que mais vem ganhando a atenção dos líderes de empresas. Conseguir segurar profissionais que oferecem uma alta produtividade e um bom desempenho na sua startup é fundamental para que sua empresa cresça de uma forma mais rápida, já que o profissional já está adequado à cultura e pode produzir mais ativamente caso se sinta confortável com sua posição na empresa.

A retenção de talentos consiste em uma série de práticas e ações que visam a manutenção de bons profissionais, colaboradores e afins, por meio de estratégias de reconhecimento, bonificações e gamificação, além de ações de integração diárias. Ter um profissional por um bom período de tempo na sua empresa, é fundamental para o crescimento da mesma já que sua adaptação é certa e não se gasta recursos para contratar novos profissionais, como tempo para treinamentos e tempo de processo seletivo.

Atualmente, grande parte das empresas possuem métodos próprios para trabalhar a prática de reter talentos. Além disso, existem diversos métodos que são utilizados nessa busca por reter os colaboradores mais talentosos. Outro grande motivo para esse processo ser trabalhado é que o mercado está cada vez mais competitivo e ter um bom planejamento que busca reter talentos é fundamental para a consistência e regularidade de um time na execução de projetos.

Qual a importância de reter talentos?

É sabido que o principal recurso de uma empresa é o profissional que se dedica para o crescimento da mesma. Em razão disso é importante que a liderança da empresa dedique um tempo na organização dessas práticas para com seus colaboradores. Reter talentos é essencial principalmente se o nicho da sua empresa apresenta níveis extremos de competitividade por profissionais. É preciso fazer com que o colaborador não queira assumir outros compromissos e ser fiel ao projeto apresentado a ele na hora da contratação, e isso parte de um bom salário em comparação com concorrentes e chega a benefícios e bonificações por desempenho.

Ter talentos ajuda a organização a ter sucesso e estabelecer uma forte presença no mercado que já é competitivo, além disso, manter funcionários engajados trazem melhores resultados em projetos e faz com que o retorno sobre o investimento seja maior.

Benefícios de investir nesse processo de retenção

Para que esse processo tenha importância na sua empresa, é preciso entender quais os benefícios de investir tempo no processo de retenção. O primeiro a ser citado é a vantagem competitiva que sua empresa garante contra concorrentes do mesmo nicho de atuação. Dessa forma, sua marca se estabelece no mercado e ganha ainda mais autoridade com os clientes. 

Outro ponto positivo é a própria atração de novos talentos. Quando uma empresa consegue manter profissionais na sua equipe, sua reputação pode aumentar consideravelmente e atrair novos interessados a fazer parte do time. Dessa forma, fica claro que os seus resultados podem aumentar ainda mais rapidamente.

Diminuir a taxa de turnover na sua empresa é fundamental também para a economia de recursos da empresa. Desligar um profissional pode ser complicado, principalmente se o regime contratado for CLT. Por isso, vale o investimento em diminuir esses índices para que o caixa da empresa não seja comprometido de forma indevida.

No geral, reter talentos ainda envolve um aumento da produtividade e engajamento dos profissionais, além de manter o ambiente de trabalho sempre com um clima satisfatório e agradável entre todos.

Estratégias para reter talentos

Para definir quais são as melhores estratégias para reter talentos, o gestor precisa verificar o que está no alcance de ser executado pela empresa. Um dos métodos mais utilizados é o uso de sistemas de gamificação. Esse processo consiste em colocar metas atingíveis aos profissionais e recompensá-los após o comprimento e execução. Da forma como se fosse um “jogo da produtividade”, profissionais mais proativos e centrados no seu trabalho conseguem recompensas maiores. Dessa forma, ao sentirem que seu trabalho está dando resultados e são valorizados, dificilmente trocarão sua empresa por uma concorrente.

Outro fator interessante é estar sempre aberto a diálogos e pontos de vista diferentes do seu. Isso é importante para que os profissionais sejam ouvidos e que haja a oportunidade de suas ideias serem entendidas pelo grupo. Como os profissionais são os principais recursos de uma empresa, é fundamental que possam sentir que são importantes diariamente e que são capazes de serem autogeridos.

Além disso, busque dar reconhecimento aos colaboradores após seus projetos terem sido executados ou entregues ao cliente. Também é interessante conhecer como anda a rotina de cada profissional para que seja possível tentar melhorar a qualidade de vida do mesmo. Um colaborador descontente com seu trabalho ou com a falta de equilíbrio entre vida pessoal e profissional pode fazer com que o mesmo busque novas oportunidades na área.

No geral, outros métodos que buscam reter talentos como oferecer planos de carreira, segurança profissional e também ter atenção na hora de contratar um novo membro, são atitudes válidas e que só tendem a acrescentar.

Estruturação de squads: como fazer e atingir os melhores resultados

Realizar a estruturação de squads na sua startup é um passo fundamental para o sucesso na entrega dos seus projetos. Com essa delimitação, as equipes podem trabalhar de forma mais organizada, coesa e produtiva, já que terão um foco maior em determinada área do produto. O método, que ficou famoso com a implementação pelo Spotify, já é uma das metodologias ágeis mais utilizadas do mundo, visto que se tornou um grande case de sucesso.

Pensando na importância desse tema para as equipes de tecnologia, nós preparamos um artigo que traz mais detalhes sobre como realizar a estruturação de squads e como são divididos os grupos. Confira a seguir.

O que são squads e como surgiram?

Traduzido do inglês, os squads podem ser chamados também de “esquadrões”. Esse método de trabalho é bastante utilizado em equipes de tecnologia já que permite acelerar o processo de desenvolvimento dos projetos de uma maneira mais organizada e com menor índice de erros. Em grande parte dos casos, essas equipes são formadas com membros de diferentes áreas da empresa, sendo que cada um é responsável por determinada função e fluxo de trabalho.

Principalmente em times com muitos colaboradores, realizar essa divisão em grupos pequenos é uma maneira mais fácil de um time se organizar e trabalhar nas suas tarefas do backlog. Dentro desses squads, há ainda uma líder que será o responsável por alinhar as expectativas do time em relação ao projeto em questão e também para fazer a equipe ser autogerida de maneira horizontal, além de auxiliar no processo de desenvolvimento.

Esse método de trabalho ficou bastante famoso após ser implementado pelo Spotify, sendo um dos cases de mais sucesso do mundo. Dentro do proposto, a empresa melhorou ainda mais o método Scrum de trabalho, fazendo com que aumentasse o valor do seu produto e a experiência do cliente ao utilizar a plataforma.

O objetivo do método era trabalhar com pequenos grupos dentro da mesma empresa que seriam responsáveis por setores diferentes da plataforma, por conta disso, caso alguma estrutura desse algum problema, todo o programa não seria comprometido, e sim apenas a parte no qual o bug aconteceu.

Como estruturar de uma maneira mais efetiva?

Dentro desse método implementado pelo Spotify, foi possível dividir e realizar a estruturação de squads de maneira na qual a comunicação ainda fosse feita entre todos os profissionais envolvidos, seja de dentro ou de fora de um determinado squad. Para estruturar um squad de uma maneira mais assertiva é preciso ter atenção a alguns pontos. O primeiro deles é na escolha de membros, visto que um squad precisa ter profissionais de diferentes setores, sendo que, normalmente, Gerentes de Produto, Arquitetos, Designers, Desenvolvedores, QAs e Data Scientists são os mais recomendados para compor a equipe.

Além disso, é super importante que o líder do projeto defina o nível de autonomia que os squads terão no desenvolvimento dos projetos e qual o prazo final para a entrega das funcionalidades. Outra questão fundamental é fazer com que todos os colaboradores se sintam confortáveis em trabalhar nesse método, além de sentirem que sua opinião é importante no desenvolvimento do sistema.

Em razão do surgimento desse método, algumas nomenclaturas como Tribe, Chapter e Guild foram criadas. Traremos mais detalhes a seguir.

Squad, Tribe e Chapter…

Um pouco acima do squad tradicional baseado no scrum, tribe foi o nome escolhido para exemplificar um conjunto de squads. Organizando dessa maneira, é possível aumentar o nível de interação entre os squads e promover a comunicação de uma maneira mais efetiva e produtiva, sendo um dos métodos de gerenciamento de equipes mais efetivos existentes atualmente.

Já o chapter é o nome dado a um conjunto de colaboradores que pertencem a mesma função dentro de squads e que também são do mesmo tribe. Dividir os grupos dessa maneira facilita também a comunicação entre setores da empresa, fazendo com que troquem informações, dicas e tirem dúvidas sobre questões técnicas da sua área com maior facilidade.

Ainda mais acima nós temos as guilds. Esse tipo de divisão entre os profissionais é feita independentemente de squads, tribes e chapters já existentes. As guilds são caracterizadas por colaboradores de diferentes áreas que gostariam de aprender sobre determinado assunto, dessa forma, as guilds são formadas.

Quais as vantagens de se trabalhar em squads?

Como já citado anteriormente, organizar sua equipe de tecnologia em squads é fundamental para um desenvolvimento ágil dos seus projetos e produtos. Com esse tipo de organização, criam-se equipes coesas, com pessoas de diferentes áreas e que são autogerenciáveis, aumentando a efetividade na produção.

Principalmente em projetos maiores, esse tipo de divisão delimita a área de atuação do seu time e os deixa mais focados nas suas funções, em busca de trazer o que há de melhor para o cliente no final do projeto.

Gerenciamento de Produtos: cinco hard skills fundamentais

Realizar um bom gerenciamento de produtos é uma das etapas principais para a consolidação da sua empresa no mercado e para o ágil crescimento frente à concorrência. Isso porque, ter uma estrutura de desenvolvimento de projetos minimamente organizada aumenta consideravelmente a produtividade do time de tecnologia e também dos outros setores da empresa, como marketing e vendas. Para que esse processo seja feito da melhor maneira possível, é importante ter uma liderança completa e experiente, e que tenha algumas habilidades específicas.

Dentro dessas hard skills, algumas se destacam como o conhecimento sobre métodos de negócio, implementação de metodologias ágeis, capacidade analítica e de pesquisa, além de um conhecimento técnico refinado na área para aumentar a confiança da equipe sobre seu trabalho. Por conta da importância e da quantidade de habilidades recomendadas para a liderança, nós preparamos um artigo que traz mais detalhes sobre as cinco hard skills fundamentais para um bom gerenciamento de produtos. Confira a seguir.

Conhecimento sobre negócios

Apesar de ser optativo, ter um conhecimento básico sobre o mundo dos negócios é fundamental no gerenciamento de produtos. Isso significa que o profissional não precisa obrigatoriamente seguir por esse lado mercadológico em sua carreira, entretanto, o gestor de produto que tiver esse embasamento, poderá se destacar diante de outros profissionais. Dentro do ambiente da tecnologia, é muito comum que conceitos de negócios sejam aplicados nas equipes na busca por diminuir as receitas e aumentar os lucros.

Na profissão, o gerente de produto precisa saber todos os detalhes do desenvolvimento do produto, além de coisas que acontecem em outros setores da empresa e que podem afetar esse desenvolvimento. 

Saber implementar metodologias ágeis

Além de ter conhecimento sobre negócios, é super importante que o gestor de produtos saiba como implementar metodologias ágeis no seu time de tecnologia. Com essas metodologias, você pode aumentar a produtividade do seu time de uma maneira que todos entreguem os resultados no tempo proposto e sem atrasos, validando a importância de se manter a cultura ágil dentro da empresa. 

Todas elas visam melhorar aspectos presentes no dia a dia do desenvolvimento de projetos como a colaboração, a simplicidade do produto, a adaptabilidade dos profissionais, a comunicação com a presença de feedbacks constantes e também conseguir manter um alto nível mesmo com equipes pequenas.

Os projetos que são geridos através da metodologia ágil são desenvolvidos por meio de entregas incrementais, isso significa que em cada entrega feita ao cliente, é desenvolvida uma ou mais funcionalidades do software e não o software todo de uma vez. Com isso, os trabalhos são divididos em etapas, que após finalizadas são enviadas para o cliente, e a partir do seu feedback, pode-se melhorar o que foi feito e o que será realizado.

Capacidade em pesquisa e análise

Outra característica fundamental para os gestores de produtos obterem sucesso em seus projetos é ter a capacidade analítica de dados e também de pesquisa. Isso é importante para que ele consiga manter a organização de indicadores de desempenho como KPIs e OKRs, além de poder indicar para sua equipe quais os melhores caminhos que devem ser percorridos para que todos tenham sucesso na execução dos projetos. Dessa forma, você garante uma boa relação com seus clientes.

Além disso, é importante que o gestor saiba como conduzir pesquisas de mercado, construir e administrar ferramentas para gestão desses dados estatísticos, tudo em prol da organização e da alta produtividade do time de desenvolvimento. Essa hard skill também é fundamental para a validação dos projetos antes de começarem a ser executados.

Conhecimento econômico e de mercado

Outra hard skill importante para profissionais da área é ter um conhecimento sobre a economia da cidade/estado ou país em que o seu produtos está inserido. Isso é interessante para que a equipe tenha os pés no chão e saiba onde investir tempo e dinheiro em busca do crescimento.

Talvez não seja interessante para uma startup investir em determinados segmentos em que há muita concorrência ou que o retorno seja baixo. Por conta disso, saiba analisar o mercado e tenha uma visão bem analítica sobre toda a situação. Dessa forma, a chance de erros acontecerem diminui drasticamente.

Conhecimento técnico da área

Pra finalizar, uma das principais hard skills necessárias no gerenciamento de produtos é o gestor ter conhecimento técnico da área. Um profissional que almeja bons resultados para a empresa onde atua precisa ter experiência prática em engenharia da computação e áreas similares. Como ele será o líder técnico de uma equipe, ele precisa organizar todo o time e apresentar soluções para possíveis erros técnicos que possam vir a acontecer na execução de um projeto.

No mercado de tecnologia, é comum que a maioria desses profissionais sejam formados em áreas da engenharia e de computação, além de possuírem conhecimento em arquitetura de sistema, programação e design de software. Apesar de nem todas essas habilidades estarem presentes nos profissionais, possuir conhecimento prático da parte técnica e experiência na área os torna mais bem preparados para lidar com tipos de desafios técnicos que possam vir a aparecer no dia a dia de trabalho.

Ter essa hard skill também é importante para que você passe confiança para sua equipe técnica mostrando que você sabe do que está falando em momentos de decisão. Com isso, a empatia dos profissionais é maior e também podem te compreender mais facilmente.

What is code review and how important is to your company?

Know what code review is and what its importance can directly impact the progress of your project, since it is normal that the project changes along the way. So, before passing it on, you need to forward it to another developer, who will review these changes. Only after all of them have been made, reviewed and approved, will the project move on to the next steps. That’s what code review is all about.

As the name implies, the code review is this phase of the code review. Basically, its function is to identify problems that may go unnoticed by those who are programming, besides suggesting alternative ways to solve them.

In fact, code review brings a series of benefits to the company, guaranteeing the delivery of better quality products. So, do you want to know more about code review and what is its role in your company’s earnings? Keep reading!

What is the importance of code review?

To begin to detail the importance of code review it is necessary to know that, in most companies, it is very common that there is some project being developed by only one person, being the only one who knows how it works. This situation, however, is bad for both the company – generating what we call individual queues – and the developer, who has all the responsibility for the project being placed on you.

However, when another developer reviews this work, a healthy distribution of knowledge occurs. By understanding the code development process and how the implementations of each feature were made, all members of the team responsible for the review are able to work on that project as well.

This way, responsibilities are better distributed and individual queues are avoided. Not to mention that it is extremely important to see how the whole project works, instead of just hearing about it in meetings.

Another benefit that details the importance of code review is, without a doubt, the productivity gain. In fact, it can even double since, by removing all the weight of one person and sharing knowledge, working together makes everything more agile – from possible solutions to certain problems to the decision making itself.

In other words, a more collective development environment causes responsibilities to be divided and no developer to be overwhelmed, which increases the overall productivity of projects.

With the code review, it is possible to create alternative solutions to the problems

It is rare that a code is well developed. In many cases, whether due to misuse of language resources or the speed at which it is produced, the code simply does not look the best way it could be done. Therefore, the revision stage is important. In this way, it is possible to check for problems and then always ask if they have all been solved in the correct way.

This inquiry, by the way, is fundamental for analyzing the solutions from several points of view. The whole process is great to make both the developer responsible for the project and its reviewers learn and create the best possible solutions in each case.

Especially for those who are starting in the programming area and still don’t have a very acute critical sense regarding the code, this kind of feedback allows a faster maturation of the professionals.

Increased sense of team

Another very common case of happening in companies: when problems arise in the development of some feature, the blame is placed on the person who implemented it. This, however, is not correct. It should not fall only on the person who made this implementation, but on the whole team that worked on the project, because it is of joint responsibility.

Since the code has been reviewed by more than one individual – who has done the testing and analyzed whether the implementation would be in accordance with what was proposed – the whole team becomes responsible for it. Thus, the team’s communication is optimized, so that everyone is always helping each other, exchanging criticisms and ideas, both positive and negative, being another point that details the importance of the code review.

This kind of relationship between team members ends up providing a much more conducive environment for everyone to feel safe with each other, being able to express their ideas together. After all, they are no longer isolated developers, but an integrated team.

What are the good practices of code review?

Given the advantages we’ve seen so far, we can conclude that code review is important not only as a methodology for finding bugs and errors, but also for adding much greater value to the development team – which makes it essential for delivering higher quality projects.

Now, what should be done in the company so that this whole process is executed in the best possible way? After all, reading the code a few times is not enough to ensure proper security. It is necessary to go further, following some specific practices. Among them, it is worth highlighting the following.

Have a wiki and use checklists

The first step is to have a document that contains all the practices made in the project. The ideal in this sense is to use a wiki as a living document, which not only can but should be changed constantly, according to the evolution of the project. It will serve as a reference point, and should always be available to developers and reviewers.

Also, since code review works like a search – so if you don’t know what you’re looking for, you probably won’t find it – another good practice is to create some checklists to be used as a guide in this code review. In certain cases, these may be lists with verification of authentication, data encryption, previous vulnerabilities and so on.

The code review should be executed whenever there are any changes in the code, even if they are small. Especially in cases of iterative cycles, in which minor changes can cause large serial impacts, generating unforeseen vulnerabilities by the team.

Stay alert about new threats

A very common mistake at this stage is misinformation, or outdated information. Due to the knowledge people already have of a certain area, it is not rare that new vulnerabilities are disregarded simply because of a lack of up-to-date knowledge of developers.

However, remember: new threats arise all the time, and they manage to exploit weaknesses that, until then, were not considered as such. Because of this, try to keep yourself updated at all times, along with how the new threats work, so as not to let any vulnerability in the code pass.

Incorporate automation to manual work

The analysis of a code is, yes, a subjective task, since it goes through a decision process. This, however, does not mean that automation is totally unfeasible. The reality is that uniting the manual work of the code review process with automation makes this step much more agile – besides adding to it a greater relevance, keeping in mind that certain human failures can be avoided.

The incorporation of automation can be done in the automatic search of certain patterns that indicate vulnerability, or of some flaws that are already widely known.

Use tools to optimize the process

Following still in the line of this help that technology can provide to code review, it is worth mentioning some interesting tools. All of them help developers to follow standards in development or shorten revision steps. They are:

  • Android Lint – this tool offers a very useful code verification when identifying and fixing problems with the structural quality of the code;
  • Checkstyle – helps programmers write java code, which adhere to a coding standard. Basically, it automates the code verification process;
  • Findbugs – this is another tool that can be considered a static parser, but works in Java Bytecode, and not in the source code. It identifies some Java codes that are more prone to bugs;
  • SonarQube – offers an open source platform for continuous quality inspection, in automatic reviews with static code analysis to detect possible errors and security vulnerabilities. This tool is compatible with over 20 programming languages, which makes it even better.

Besides these, there are many other tools that can be explored. However, it is worth remembering here what has already been said regarding work automation: it must be done as an incorporation of manual work, and not as a replacement for it.

Finally, all these good code review practices are fundamental to ensure that the process is always free of vulnerabilities and threats. As we have seen, this is a very important stage for project development. So, don’t forget to include the automation moderator, the checklists, the review at each change and always try to keep up to date with new threats!

Lead Time: saiba a importância de reduzi-lo

Conhecer o lead time do seu negócio é fundamental para que sua empresa tenha sucesso diante de concorrentes do mercado. Isso porque, produzir e entregar um projeto ao seu cliente no tempo pré-estabelecido é fundamental para a sua satisfação e também para que ele volte a te procurar para o desenvolvimento de projetos futuros. Apesar de ser um processo voltado a longo prazo, realizar o cálculo também é importante para que você conheça melhor onde estão os gargalos da seu negócio e também onde a produtividade anda baixa e que precisa melhorar.

Em razão da importância do lead time nas empresas de tecnologia, nós produzimos um artigo que traz o porque de você priorizar a redução no prazo de entrega dos projetos aos seus clientes. Confira a seguir.

O que é Lead Time?

Traduzindo ao pé da letra para uma forma mais simplificada, Lead Time é o mesmo que “prazo de entrega”. Ou seja, dentro do mercado de tecnologia, o conceito se trata do período compreendido entre a data de realização de um pedido até o dia da entrega do produto finalizado ao cliente. Presente em diferentes áreas da engenharia, a medida é muito comum em equipes de desenvolvimento de software pois permite que a liderança técnica saiba como anda a produtividade do time e dá um panorama maior da sua eficiência ao longo do mês.

Calcular esse tempo de entrega é um dos fatores mais importantes para garantir a capacidade competitiva de uma empresa e ampliar suas possibilidades de expansão de mercado. Antes de tudo, é importante que todo o projeto seja dividido em etapas micro e que seja tirada uma média de quanto tempo cada etapa leva para ser feita. Após isso, fica mais fácil definir quanto tempo leva para que o projeto seja entregue ao cliente a partir do dia no qual ele entrou como demanda. Nos dias atuais, o lead time é facilmente medido por um sistema de kanban, seja ele físico ou virtual, por meio de aplicações web como o Trello. 

Qual a importância do Lead Time?

Dentro de uma empresa, todo e qualquer líder sempre tem em mente que aumentar a produtividade e diminuir o tempo de produção é uma das melhores maneiras para se ter melhores resultados. Por conta disso, saber como ter um bom gerenciamento do lead time é importante porque possibilita a otimização dos processos de produção da empresa, sobretudo a diminuição do tempo gasto no desenvolvimento das features, desde a entrada do projeto ao kanban até a sua entrega ao cliente.

Ter a noção exata do lead time dos seus projetos também contribui para a realização de planejamentos organizacionais mais eficientes. Afinal, conhecer o tempo gasto para a entrega de cada funcionalidade permite que os gestores analisem e planejem medidas que podem ser adotadas para redução desse período.

É claro que se trata de um processo longo, porém, após alguns meses realizando o cálculo do lead time, é possível ter uma base de quanto tempo leva para sua equipe desenvolver cada feature do projeto. Com esse número em mãos, a liderança técnica da empresa consegue ter um panorama maior sobre quais pontos precisam ser melhorados e quais são os pontos mais fortes do seu time.

Além disso, após esse período de análise, é possível até mesmo negociar melhores prazos de entrega com futuros clientes para que o projeto seja feito num período de tempo ideal. Afinal, os consumidores tendem a optar por empresas que oferecem produtos e serviços em menor prazo e, principalmente, a ser fiéis a empresas que cumprem o prazo prometido.

Como faço o cálculo?

Para que o cálculo do lead time seja feito de uma maneira eficiente e com bons resultados algumas etapas em andamento do seu projeto precisam ser relatadas e analisadas. O primeiro passo é dividir todo o projeto em micro etapas iguais ou semelhantes para que seja mais fácil de verificar e fazer uma média de quanto tempo leva para ser desenvolvida. Após esse processo, faça a listagem de tudo que precisa ser produzido para que o projeto seja entregue com 100% de funcionamento ao cliente.

No começo, o processo pode ser um pouco empírico já que sua equipe ainda não tem uma base de quanto tempo leva para a produção da feature em questão, por isso se trata de um processo a longo prazo. Após as entregas das primeiras funcionalidades, algumas funcionalidades podem ter tempo variável já que podem ser produzidas por profissionais diferentes. Após o fechamento do mês ou da entrega ao cliente, faça uma análise junto a sua equipe e calcule o tempo médio de produção das etapas.

O lead time é a soma do tempo de todas essas etapas. Com o passar do tempo, esse número tende a ficar mais fiel à sua realidade e é possível saber quais setores a produtividade anda mais baixa e que precisam de uma atenção maior. Por isso, busque deixar em evidência para sua equipe qual etapa leva mais tempo para ser produzida e de quanto tempo ela precisou.

Por que calcular o Lead Time?

Com esse cálculo em mãos, é possível que a sua empresa saiba determinar prazos para seus futuros clientes, além de conhecer mais seu time e encontrar gargalos que podem atrapalhar o andamento do projeto. Além disso, com ele é possível aumentar a satisfação do cliente, já que um projeto entregue na data correta ou de forma adiantada passa uma credibilidade maior da sua empresa no mercado. O cálculo do lead time também é importante para mudanças no gerenciamento do projeto e também na otimização dos mesmos.

Como reduzir?

Como dito anteriormente neste artigo, reduzir o lead time é fundamental para que sua empresa consiga crescer de uma maneira mais ágil e rápida. Para que isso seja possível, existem algumas atitudes que podem ser tomadas de modo que sua equipe de desenvolvimento se torne mais produtiva, principalmente nas etapas que demandam mais tempo de execução.

O primeiro passo para reduzir esse tempo de entrega é ter fluxos de trabalho bem definidos. Esse ponto é importante para que sua equipe evite os atrasos e minimize os períodos de inatividade durante os procedimentos. Além disso, ter uma boa organização permite que o líder técnico visualize o andamento das tarefas de forma mais simples e visual e aumente a agilidade nas tomadas de decisão.

Outro procedimento que pode (e deve) ser adotado é a implementação de metodologias ágeis no desenvolvimento do seu projeto. Dentre as mais utilizadas está o Scrum, metodologia na qual todos na equipe sabem o que cada um dos seus integrantes está fazendo e quais as suas respectivas responsabilidades. Com a implementação, é certeza que a produtividade da sua equipe deve aumentar e o lead time diminuir.

Além disso, é importante que a equipe saiba priorizar demandas e consiga dividir os processos em partes menores, de modo que eles possam ser desenvolvidos mais rapidamente e não atrase a produção de nenhuma outra etapa até à entrega ao cliente.

Nível Técnico: como validar na hora da contratação

Validar o nível técnico de um profissional na hora da contratação é uma das principais etapas de um processo seletivo de TI. É nesse momento que a equipe de recrutamento precisa esmiuçar todas as características de um determinado profissional na busca por entender se ele é capacitado ou não para uma determinada vaga. Dentro desse processo, é importante entender que existem diversos tipos de testes que podem ser feitos e que garantem um bom resultado para o time, seja eles feitos de forma presencial ou remotamente.

Em razão da importância desta etapa de contratação, nós preparamos um artigo que traz os melhores métodos de como avaliar o nível técnico de um candidato. Confira a seguir os mais utilizados pelas empresas de tecnologia.

Teste de lógica

Na hora da contratação, um dos principais pontos que precisa ser analisado é a capacidade lógica da pessoa desenvolvedora. Sendo uma das principais características da profissão – já que toda linguagem de programação é desenvolvida por meio da lógica -, é importante que a equipe de recrutamento faça atividades que visam conhecer mais como o candidato se sai na resolução de problemas lógicos e com qual velocidade ele encontra soluções.

Esse tipo de teste é muito comum para desenvolvedores pleno e sênior, no entanto, vale aplicar também em estagiários, trainees e juniores, para conhecer o quão desenvolvida está essa habilidade no profissional e quais os principais caminhos que a equipe de tecnologia deve seguir para incluir ele no time de desenvolvimento, de modo que esteja no mesmo ritmo dos demais.

Teste técnico

Um dos testes mais comuns de serem realizados pela equipe de recrutamento é o teste técnico de projeto. Nesse tipo de teste, é possível avaliar o nível técnico do candidato por meio de uma situação/problema que o profissional pode encontrar no seu dia a dia de trabalho. O mais comum de acontecer é a empresa contratante enviar um pseudo projeto ao candidato na linguagem de programação na qual ele se candidatou.

Na maioria das vezes é dado um prazo de 7 dias ou mais para que ele resolva a situação e poste em alguma plataforma, para que a equipe de recrutamento possa avaliar como foi o seu desempenho. Entretanto, esse tipo de teste exige muita flexibilidade da empresa contratante, já que, muitas das vezes, o profissional não tem muito tempo para demandar nesse tipo de exame, principalmente se for um desenvolvedor sênior. Estudos apontam que é nessa fase que muitas empresas perdem candidatos, justamente por essa falta de flexibilidade ou por conta de uma exigência muito alta no nível do teste técnico.

Code Review

Outro exercício bastante válido para validar o nível técnico de candidatos é o code review. Para que isso funcione de maneira assertiva, pegue um código produzido pela sua equipe que contenha erros de sintaxe ou lógica e que você saiba como solucioná-los. Após isso, durante a entrevista técnica, peça ao candidato que faça uma análise do código e diga à equipe de recrutamento se ele encontrou algum erro pertinente e se ele tem sugestões de como melhorar.

Uma dica interessante para esses casos é apresentar ao candidato dois tipos de códigos: um mais simples e outro mais complexo. Dessa forma, a equipe consegue ter uma noção maior do nível exato do profissional e se ele possui nível técnico para ser contratado. Além disso, esse tipo de teste é importante para processos que precisam ser mais ágeis e também pode ser feita de maneira remota, facilitando os processos. Entretanto, é preciso tomar cuidado já que, em vagas que exigem pouca experiência, esse tipo de teste pode não ser efetivo, visto que o profissional pode não saber muito bem como solucionar os problemas.

Resolução de um problema real

Além do code review, outro método bastante pertinente de avaliação de nível técnico é a resolução de um problema real encontrado na empresa. Esse tipo de teste é interessante pois é excelente para pegar pessoas consultoras, não deixa os candidatos desconfortáveis e não exige tanta preparação. Além disso, assim como o code review, é um método bastante prático e que pode ser feito remotamente.

Um exemplo interessante, já apresentado em nosso blog uma vez, é o seguinte:

Imagine que você está contratando uma pessoa desenvolvedora sênior Node.js. Proponha ao candidato a seguinte situação:

Você acabou de entrar na empresa e é justo época de Black Friday. O gerente logo marca uma reunião com a equipe e passa que a expectativa de acesso deste ano é 9x quantidade de acesso da último ano.

Alguns desenvolvedores já alertam o gestor, que terá que refazer uma parte do sistema porque no ano passado foi bem complicado atender a demanda. Conversando com time, percebe que está tudo em um monólito. O que você sugere para resolver esse problema?

É importante dar um tempo para a pessoa candidata analisar e pensar e dar algumas soluções para o problema. Não espere uma resposta pronta, e sim uma análise profunda do problema. Nesse tipo de teste é importante estar aberto a responder todas as perguntas de aprofundamento do candidato, inclusive, elas são um bom sinal, afinal, para a pessoa dar alguma sugestão de resolução ela precisa entender de fato o problema.

Pair programming

Outra maneira de avaliar o nível técnico de candidatos é a realização do Pair Programming durante a entrevista técnica. Neste teste, os candidatos à vaga precisam programar na frente da equipe de tecnologia, juntamente com a pessoa que está realizando a entrevista.

Durante o processo, é proposto uma atividade ao desenvolvedor e sua tela é compartilhada com o restante do time, buscando entender a linha de raciocínio do profissional e para ter a noção se ele pode se encaixar bem na equipe se for contratado. Porém, também é importante ser flexível nesses casos já que esse tipo de teste pode elevar o nível de ansiedade do candidato. Então é de extrema importância quebrar o gelo logo cedo na entrevista, deixando claro para a pessoa que qualquer dúvida ela pode perguntar ou pesquisar no google.

Esse tipo de teste é muito bom para saber se a pessoa consegue mesmo dar vazão em código e também não alonga muito o processo. Porém, é importante que uma preparação seja feita, pois caso algo dê errado, isso pode gerar um estresse bem alto no candidato e pode fazer com que sua empresa perca um talento.

White Board

Para quem busca fazer um processo seletivo técnico presencial, o uso do white board como ferramenta também pode o ajudar a entender o nível técnico de um profissional. Durante essa etapa, o recrutador propõe um desafio ao candidato no qual ele precisa resolver e explicar as etapas em um quadro branco. Esse tipo de teste é bastante interessante pois é possível acompanhar a organização do profissional em solucionar os problemas e qual a lógica que ele utilizará para resolvê-lo.

Além disso, isso propõe um desafio maior já que o profissional não estará equipado das suas ferramentas e terá que encontrar uma solução com o que tem em mãos naquele momento.

Análise de GitHub ou portfólio

Pra finalizar nosso artigo sobre como avaliar o nível técnico na hora da contratação, temos dois métodos que também podem ser utilizados. O primeiro é a avaliação do portfólio de cada candidato ou seus projetos hospedados no Github. O site é a principal fonte de códigos abertos de um desenvolvedor, ou seja, lá as pessoas podem colocar seus projetos pessoais ou estudos para que outros desenvolvedores possam contribuir ou visualizar.

Dessa maneira, você consegue entender a experiência desse profissional e até avaliar a qualidade dos códigos desenvolvidos. Além disso, você avalia o nível de conhecimento do desenvolvedor em determinada linguagem de programação.

 

IT Management: how to keep your team productive

Improving IT management is one of the great wishes of a technology leader. This is because the more productive and dynamic the workflows, the greater the result at the end of the development sprints. Within teams, implementing the use of performance indicators such as KPIs and NPS are some of the examples of aspects that need to be analyzed in order to find out from your team is being productive enough to achieve the desired results.

If the answer is no, or the return on investment is being very low, there are some attitudes that project leaders can take in order to increase the productivity of your teams.

Thinking of helping you in this moment, we have prepared an article that details what to do on a daily basis to increase the productivity of your development team and improve your IT management. Check it out below.

How to keep my team productive?

Set your goals

One of the main methods to improve IT management and increase the productivity of technology teams is to use intelligent and measurable goals during the execution of the project. This happens because if your professionals have very complex and difficult goals to achieve, they can become discouraged over time. To make it easier in this aspect, create shorter goals and for a shorter space of time, making them incorporated day after day and done in a more agile way, boosting the development of the company little by little.

With the application of these concepts presented previously, it will be possible to follow up on goals in an easier way, besides being able to measure results achieved and build a more productive team.

Provide feedbacks

Another aspect that can be interesting to improve IT management is to perform constant feedbacks. The idea of feedback is that your development team understands where they are getting it right, making mistakes and even how their behavior can be interpreted by other people. This way, a more pleasant climate is created in the work environment because of this more transparent communication and, consequently, increases productivity in the long term.

Within your teams, this practice contributes to the improvement of the teams’ performance, avoids possible noise in the communication and ties possible loose ends. By performing frequent reviews on what is happening and how the team’s work is going, the manager is able to show that he is willing to solve the problems and available to solve doubts, since the human capital of a company is what is most important for the delivery of good results and, consequently, the evolution in the market.

Giving feedback to your IT team should not only happen in the period in which the performance analyses occur, but it is necessary that it is a continuous daily process.

Form coherent teams

Another tip that may have its importance for certain companies is the need to form coherent teams. Knowing how to structure a development team can be one of the main doubts of a technical leader. Due to the work requirements of each sector of a technology team, it is very important that the organization of your squad happens so that the needs found in the production of your product are addressed by the team.

For productivity to be high, your technology team needs to have professionals responsible for different areas, who, together, can complete all the stages present in the backlog. For this reason, when hiring professionals with different profiles and who have a creative, proactive profile and the ability to lead.

Get access to intelligent tools

Knowing which are the main tools of project management can help in a very effective way in the development of your products. The great reason for all this importance is that some existing services currently only tend to contribute to better organization of teams and help priority demands to be delivered more quickly.

These project management tools promise to help internal communication between professionals, whether remote or on-site. During the execution of projects, certain different goals must be met simultaneously. Some examples are: structure the project, increase productivity, simplify communication, ensure that all steps are executed and also store information generated.

Use agile metrics

Within your teams, there are a number of factors that can be measured in order to know whether your team is being productive or not. One of the main and most used ways are the KPIs. This indicator is used to measure the performance of a company’s processes and, with this information, collaborate to achieve its goals.

Through the KPIs, all professionals know and become involved in the goals of the company, in order to align efforts around the strategies established by your managers. Through the results indicated in the KPIs, it is possible to quantify the performance of the company and allows workers to understand how much their activities contribute to the success of these numbers.

In addition, another way to measure is to analyze the level of satisfaction of your customers. In this way, you as a manager are able to check gaps where you need to improve in the development of future products. Another way that can be used is to analyze the NPS (Net Promoter Score).

Being very efficient and simple, NPS is a way to understand if there is loyalty on the part of your IT clients, to the point of recommending the company to other startups. Moreover, analyzing ROI (Return on Investment) is another super important way to know if your investment in certain products are giving the expected financial result.

KPI Desenvolvimento de Software: quais aplicar na sua equipe de TI

Implementar KPI de desenvolvimento de software são fundamentais para verificar se a empresa está ou não no caminho certo para o crescimento. Esses indicadores de desempenho mensuráveis são bastante conhecidos já que indicam se o seu negócio está ou não atingindo as metas pré-estabelecidas seja a médio ou a longo prazo.

Também chamados de Key Performance Indicators, esse tipo de métrica é muito importante pois ajuda a liderança de uma empresa a saber quais pontos é preciso melhorar ou quais aspectos sua startup possui como destaque diante dos concorrentes.

Por meio do KPI de desenvolvimento de software, todos os profissionais conhecem e tornam-se envolvidos nos objetivos da empresa, a fim de alinhar os esforços em torno das estratégias estabelecidas pelos gestores de ti. Por meio dos resultados apontados nos indicadores, é possível quantificar o desempenho da empresa e permite que os trabalhadores entendam o quanto suas atividades colaboram para o sucesso desses números.

Além disso, é importante ressaltar que cada empresa pode acompanhar KPIs específicos para seu tipo de negócio, seja ela startup de tecnologia, marketing ou financeira. Por conta disso, não existem um padrão de quais indicadores precisam ser seguidos. Cabe à liderança da empresa definir as melhores métricas e metas a serem atingidas. Escolher indicadores errados para sua startup pode trazer uma falsa sensação de crescimento ou até mesmo de estagnação que podem não condizer com a realidade.

Qual a importância dos KPIs e porquê utilizá-los?

Como dito anteriormente, diversas áreas podem utilizar esses indicadores, sendo que são fundamentais para toda e qualquer empresa que busca um crescimento organizado, consciente e de forma ágil. Por facilitar a medição de desempenho dos processos, a partir das informações coletadas durante semanas fica mais fácil corrigir alguns gaps que possam vir a aparecer.

A principal importância relacionada a KPI de desenvolvimento de software é no aumento da comunicação e da transparência entre colaboradores e liderança de tecnologia. Dessa forma, é possível definir objetivos claros para cada setor da equipe sobre o que precisa ser feito para alcançar um projeto ideal no final, além, é claro, de conseguir monitorar se tudo está sendo feito como planejado.

Dentro de qualquer empresa quantificar e qualificar seus processos e suas atividades e suas operações são a melhor forma de conseguir entregar um produto no qual o cliente se sinta satisfeito e volte a procurar sua empresa para projetos futuros. Dessa forma, isso aumenta ainda mais a importância de se utilizar KPIs.

Os resultados da implementação de KPI de desenvolvimento de software são voltados para médio e longo prazo. Após um certo período de tempo, benefícios como melhor qualidade, aumento da produtividade e desempenho dos colaboradores, serão facilmente notados e suas metas ficam mais fáceis de serem atingidas.

Como definir um bom KPI de desenvolvimento de software?

Antes de se iniciar um planejamento para formulação dos melhores KPI de desenvolvimento de software que sua empresa precisa analisar, é preciso começar entendendo quais os objetivos da sua startup e como vai ser feito o planejamento para que sejam alcançados. Além disso, é super importante que as metas estejam bem definidas e que toda a equipe esteja ciente do que precisam fazer para alcançá-las.

Para que isso seja possível, busque ouvir feedbacks de pessoas que já trabalharam com esses indicadores e busque conhecimento por meio de leituras mais especializadas sobre o assunto. Dessa forma, você consegue dominar tudo o que os KPIs podem oferecer e passar isso com segurança para todo o time de desenvolvimento.

Após a definição, faça a análise de quais seriam os principais indicadores que fariam mais sentido para sua startup. Isso pode variar bastante de acordo com o porte da empresa, já que equipes maiores exigem mais atribuições e exigências. Com isso, é importante analisar com bastante atenção algumas características que servem para definir um bom KPI de desenvolvimento de software.

A primeira delas é a relevância. Escolha indicadores que mostrem números relevantes e que realmente indicam resultados. Durante a análise você vai se deparar com uma série de aspectos que poderiam ser metrificados, porém, faça uma ordem de relevância entre eles e escolha apenas os principais.

Já a segunda característica fundamental é a periodicidade dos números. Um KPI de desenvolvimento de software precisa ser medido constantemente, seja semanal ou mensal. Por isso, verifique onde há periodicidade na sua startup em relação ao números e adicione entre os primeiros indicadores na ordem de relevância.

Quais os principais KPIs de desenvolvimento de software?

Durante a produção e o planejamento do desenvolvimento de algum software, a utilização de KPIs é fundamental para acompanhamento de resultados. Por conta de falhas, erros e bugs que podem vir a ocorrer (até mesmo com certa frequência) e para facilitar o trabalho da equipe de tecnologia, metrificar essas quantidades é importante para saber como lidar com problemas técnicos e também para servir como base para projetos futuros. Por isso também a importância de um monitoramento constante.

Confira a lista a seguir com alguns dos KPIs mais utilizados em empresas de tecnologia e desenvolvimento de software:

  • Tempo de entrega de projetos;
  • Número de bugs apresentados no sistema;
  • Controle de orçamento;
  • Work In Progress (WIP);
  • Tempo de ciclo;
  • Velocidade das sprints;
  • Taxa de retrabalho.

O processo de análise e acompanhamento em equipe

Assim como qualquer tipo de métrica, analisar e comparar os KPIs que você escolheu implementar no seu negócio pode fazer com que sua startup evolua. Isso acontece porque com essa análise mais aprofundada de como anda sua equipe de desenvolvimento, as tomadas de decisão são mais fáceis de serem executadas pela liderança de tecnologia, principalmente quanto os índices forem abaixo do esperado.

Por conta disso não utilize os KPIs apenas para manter uma organização sobre como andam as coisas, mas sim para executar planos de ação caso algo esteja totalmente fora do padrão ou do esperado. Além disso, realizar esse acompanhamento em equipe permite que todos os envolvidos na empresa saibam onde estão errando e o que precisam melhorar, além, é claro, de mostrar transparência por parte da empresa com os colaboradores.

Com informações: Algar Telecom, Logical Minds e Cronapp

What Does a Software Development Company do?

What does a software development company do? Nowadays, this type of business has increased its importance, especially for startups that are in search of accelerated growth. Moreover, with the constant increase in the use of applications and systems by the population, countries are even putting the discipline of programming in their schools.

Because of our experience in the market, startups that are looking for a software development company are in the moment to hire professionals for their team or want to better understand how a development company works to work with one in the near future.

Thinking of helping you in this moment, we have produced an article that better details how software development companies work in the market. Check it out below.

What is a software development company?

To begin with, let’s understand what a software development company is. This kind of company, as the name says, develops software on demand for other businesses. To illustrate better, imagine that you own a bakery and need to control all the finance and inventory of your business.

You have two options, hire a software ready from a startup, for example, or hire a company to develop a software on demand for your company. Both solutions have their pros and cons. In the case of customized software, it will probably cost more than a ready-made product, however, you will be sure that it will contemplate all the functionalities your business needs to function properly.

The point here is for you to understand that software development is not an exact science. To think that you know exactly what you want as an end result can be a shot in the foot. Because of this, it is extremely important to have an open project scope so that you and your team can make changes when you need them, without wasting too much time on it.

Professionals involved in a software development company

Project Manager

He is responsible for controlling all the bureaucratic issues of a software project, he is the one who takes care of the product roadmap and which activities will be prioritized. Currently, this professional is very related to agile methodologies, and these managers take on PO’s or PM’s roles and ensure that the process and the product are moving and evolving to the right direction.

There are companies that leave this discipline in charge of one of the team’s developers, the so-called “Tech Lead”. This can also be a good option for smaller projects that do not need so much management.

Designer

Another key professional in a software development company is the designer. It’s a mistake to think that a designer can only make an application beautiful. Designers are responsible for making the tool that is being built, easy to use.

Today the area is divided into UX and UI, one focusing more on the usability of the product while the other on the visual aspect. UI Design is responsible for how the application will behave visually, in other words, it is who actually designs the screens of the application thinking mainly on aesthetics. UX Design takes care of the experience as a whole, besides the interface, it thinks about aspects such as ease of use and accessibility.

QA

Essential in developing good software, QA is also important. The so-called test analyst is responsible for ensuring the functionality of that project. Every technology project has a bug, even Facebook, Instagram and WhatsApp that is maintained by thousands of engineers have their problems, it is natural.

The job of QA is to minimize all possible problems that a software can have, either through manual or automated testing.

Types of software development company

With the advancement of the market, today there are some ways for a company to provide a customized software development service. Each one of them has its own characteristics, so it’s up to the client to decide the best option for their reality.

Software Factory

More common nowadays, a software factory is a company that delivers software on demand, as the name says, as if it were a factory. So, theoretically there is a production line so that in the end the product that you ordered comes out.

Unlike developer allocation, hiring a software factory means that the company will have full control of the project that needs to be executed, taking care of all steps, from the beginning to the moment of delivery to the client. However, while it may seem like a good solution for companies, this business model can be complicated for medium to long term projects.

This happens because all decisions related to technology are made by the software factory, leaving the client totally out of which stacks are being used and what maximum performance your product can offer your company. Also, as startups are constantly changing and evolving, not having professionals allocated can limit the real-time evolution of the product as different demands arise.

Outsourcing allocated presentially and remotely


This type of service is ideal when you already have a technology team. Here you hire a complete person or team to join your main team, thus increasing the flow of new features. The downside is that you need a physical space and managers to manage this team. What if you have started a company now, is not the best option.

The remote hiring is practically the same as the one mentioned above, however, in this case, this hired team is allocated remotely. The big difference in this case is that you have access to talents from all over the world, increasing the ease of hiring and technical quality of your team.

Customization of ready-made products

In this case, you hire a software development company to customize ready-made products, but of course, the product needs to allow this kind of approach.

We have several examples of large corporations living on top of this type of service, such as Salesforce, SAP and TOTV products. You buy a ready-made solution and hire services (either from the company that created the product or not) to modify the software according to your needs.