fbpx

Vaga de Programação: como se dar bem nas entrevistas

O trabalho remoto e o comércio digital são dois grandes motivos do aumento no uso de tecnologias dentro do setor empresarial. Pessoas programadoras, também chamadas de desenvolvedoras, estão entre os profissionais mais procurados do mercado de trabalho na área de TI no ano de 2021 e essa busca só tende a aumentar.

Por mais que exista uma grande procura, muitas empresas não conseguem encontrar o profissional certo para preencher as vagas e, por isso, você se depara com aquela infinidade de oportunidades de empregos e às vezes não sabe nem o que fazer ou qual vaga escolher para se candidatar. Ou pior, quando encontra o trabalho perfeito, não consegue se sair tão bem no processo seletivo.

Se esta situação é semelhante à que você está passando, não se preocupe, pois nós vamos te ajudar!  Neste artigo, estão algumas dicas que podem te ajudar a mandar bem nas entrevistas e te guiar até a oportunidade dos sonhos. Confira a seguir: 

Conheça bem sobre a empresa e a vaga 

Com todas as vagas disponíveis para candidatura no LinkedIn, a nossa vontade é de aplicar para todas elas, mas essa não é a decisão mais correta a ser tomada. É preciso que você esteja muito ciente do que realmente almeja na sua vida profissional e se as empresas com vagas disponíveis podem te oferecer essas experiências da maneira mais adequada para o seu perfil.

Antes de enviar seu currículo, pesquise a fundo sobre a empresa, através do site institucional e das redes sociais, por exemplo. Neste caso, vale até buscar por opiniões de pessoas que são ou já foram colaboradores, e você pode fazer isso por plataformas como o Glassdoor, onde as pessoas relatam de forma anônima como foram suas experiências. Assim, não corremos o risco de invadir a privacidade de ninguém!

O mesmo vale para as vagas: saiba exatamente qual será sua função dentro da empresa caso seja admitido e quais são as hard skills e soft skills necessárias aos candidatos. 

Tudo isso te ajudará a sair na frente de outros candidatos quando os recrutadores fizerem perguntas sobre a empresa ou o cargo que ocupará. Além do mais, sabemos que trabalhar em um lugar onde não nos identificamos é uma experiência nada agradável. 

Confira os salários oferecidos pela EZ para pessoas desenvolvedoras

Se prepare para perguntas comportamentais 

Na grande maioria das entrevistas, os recrutadores fazem perguntas relacionadas ao comportamento dos candidatos e o que os fez chegar até a vaga para a qual estão prestando o processo seletivo. Isso acontece pois eles precisam avaliar os perfis que mais se adequam à oportunidade.

Dessa forma, esteja preparado para falar sobre você, sobre o que te fez interessar pela vaga ou pela empresa, por que está buscando novas oportunidades, se já teve algum conflito com colegas de trabalho e como lidou com isso (e não vale dizer que nunca teve, hein?!), como você age sob pressão, trabalhando em grupo ou até mesmo como corrige seus erros. 

Essas são algumas das perguntas que você pode encontrar, então vale a pena estar com elas bem alinhadas antes da entrevista para não correr o risco de se enrolar com as palavras.

Atente-se aos testes técnicos 

Nas carreiras de tecnologia, é muito comum que os processos seletivos contenham fases de testes técnicos para verificar e comprovar as habilidades apresentadas pelos candidatos. Geralmente, esta é uma etapa aplicada por um especialista na área de tecnologia, já que para avaliar os talentos, é preciso saber o que eles estão executando.

Existem diversos tipos de testes técnicos que podem ser aplicados em um processo seletivo, e se você é uma pessoa programadora de nível Pleno ou Sênior, provavelmente já passou por alguns deles em candidaturas anteriores. Se você é um profissional de nível Júnior e nunca passou por esta etapa, você pode praticar seus conhecimentos através de plataformas como CodeLab, da Google.

Para os desenvolvedores que possuem projetos divulgados no GitHub, tenha a certeza de que você domina praticamente tudo sobre eles, pois há uma grande chance de os avaliadores te questionarem a respeito destes códigos. 

Mas, muito além dos códigos, os recrutadores avaliam como é o seu desempenho na resolução de problemas que fazem parte da rotina de um programador e se você se mostra aberto a críticas, por exemplo. Com essas skills você se sai bem em grande parte das seleções.

Seja interessado

Candidatos entusiasmados ganham a atenção dos recrutadores, então não tenha medo de tirar todas as suas dúvidas sobre a empresa e as etapas do processo seletivo pelo qual você está passando. 

A entrevista deve ser tratada como uma conversa entre você e o recrutador, e ninguém quer conversar com quem dá apenas respostas curtas e não demonstra interesse pelo assunto. Saiba ouvir aquilo que os avaliadores têm a dizer, e desenvolva as respostas com naturalidade. 

Esse é um ponto importante para que a empresa, e até você mesmo, avaliem se há um alinhamento entre a cultura organizacional e os seus propósitos como profissional.

Suas soft skills em prática

As entrevistas, sejam elas mais gerais ou técnicas, são o melhor momento para colocar algumas das suas soft skills em prática. Se você tem boa comunicação, por exemplo, pode mostrar esta habilidade enquanto conversa com o recrutador. Outro exemplo está nos testes técnicos, onde você pode provar que é organizado e que sabe gerenciar bem os prazos estipulados.

É uma dica simples, mas que faz toda a diferença na hora de a empresa escolher o candidato ideal.

Conte com a EZ.devs

Aqui na EZ nós te ajudamos a se conectar com as melhores startups e scale-ups em até quatro semanas. Aqui, além de um ambiente de trabalho incrível, você irá se deparar com projetos desafiadores que impulsionarão sua carreira. 

Não deixe para depois, clique aqui para saber mais sobre como você pode fazer parte do nosso ecossistema e cadastre-se na nossa plataforma!

Carreira em tecnologia: 3 desafios que você pode enfrentar

A carreira em tecnologia vêm ganhando cada vez mais espaço no mercado de trabalho, principalmente com a transformação digital trazendo a constante evolução de diversas ferramentas para facilitar o trabalho diário, isso em qualquer segmento empresarial.

A quantidade de oportunidades de trabalho envolvendo as inúmeras áreas de TI só aumenta. Para aqueles que se interessam pelo ramo e pretendem seguir ou transitar de carreira, este é um ótimo momento para escolher trabalhar com tecnologias.

Nos últimos anos, as demandas relacionadas aos mais diversos tipos de tecnologias aumentaram de uma forma exponencial, principalmente com a implementação do comércio digital e do trabalho remoto. Tudo isso fez com que o número de profissionais qualificados não fosse o suficiente para suprir todas as necessidades do mercado.

Se deseja seguir nesta profissão, este momento pode ser um divisor de águas na sua carreira. Pensando nisso, trouxemos neste artigo alguns desafios encontrados por talentos tech na hora de se capacitar, para que você possa dar uma atenção maior a estes pontos e se tornar o perfil que todas as empresas procuram.

Formação profissional

Em qualquer segmento profissional é necessário uma formação técnica para que você possa atuar, e com a TI não é diferente! Pode parecer óbvio, mas é necessário ressaltar que a tecnologia está cada vez mais presente em quase todo o nosso dia-a-dia e por esse motivo, quem deseja trabalhar com ela e ser um bom profissional precisa de um conhecimento aprofundado.

Para se tornar uma autoridade no assunto, é necessário buscar por uma boa formação técnica. Mas, ao contrário do que muitos pensam, não é necessário cursar uma faculdade na área de TI, como Engenharia de Software por exemplo, para conseguir boas oportunidades. 

É claro que as graduações são um diferencial muito importante, mas a grande maioria das empresas leva em consideração outros cursos de profissionalização que existem disponíveis e que você pode fazer para obter conhecimento técnico e qualificação profissional.

O mais importante em qualquer tipo de formação que você optar é que ela lhe garanta uma visão ampla da tecnologia, focando não apenas nas teorias e conceitos, que são muito importantes, mas também em como você irá aplicá-los na sua rotina de trabalho.

Manter-se atualizado

Este tópico está diretamente relacionado ao anterior e talvez seja uma das dicas mais importantes desse artigo, pois para garantir uma formação de qualidade é preciso estar em constante atualização dos conhecimentos. Isso é ainda mais importante na área de TI pois a tecnologia traz inovações a todo o momento.

O profissional que não busca se atualizar fica preso em conceitos ultrapassados, dominando apenas linguagens, metodologias e ferramentas que já estão ultrapassadas e, assim, vai deixando de ser um talento almejado pelo mercado, perdendo oportunidades incríveis.

Temos certeza que isso não é o que você almeja! Por isso, não deixe de investir em novos conhecimentos!

Não subestime as soft skills 

Por último, mas não menos importante, é preciso dar uma atenção especial às suas soft skills, habilidades que são um grande diferencial na hora de as empresas buscarem por bons profissionais de TI.

Muitas pessoas focam apenas em melhorar suas hard skills, absorvendo muitos conteúdos técnicos do ramo de tecnologia e acabam esquecendo de exercitar outras habilidades que são essenciais no mercado de trabalho. Assim, permitem que os talentos mais qualificados passem à frente em um processo seletivo, por exemplo. 

Abaixo estão apenas algumas das soft skills que você deve priorizar e praticar para se tornar um profissional muito mais qualificado.

Organização e gestão de tempo

Essas duas skills andam juntas e são umas das mais avaliadas na hora de se contratar um talento tech. 

Ser uma pessoa organizada e que tem um bom domínio sobre as tarefas e o tempo em que elas precisam ser realizadas é essencial para lidar com os projetos que surgirão na organização em que você estiver colaborando. Conseguir priorizar as tarefas que devem ser executadas é a chave para que os seus objetivos e os objetivos da empresa sejam atingidos.

Uma demanda muito grande de projetos pode comprometer a qualidade do produto e gerar impressões negativas nos clientes sobre o seu nome ou o da empresa. Por isso, é interessante gerenciar o tempo através de frameworks e métodos ágeis, como o Scrum e Kanban, por exemplo.

Além disso, a organização ajuda sua equipe a compreender melhor os resultados que estão sendo gerados, contribuindo para um time mais coeso, produtivo e agradável de se trabalhar. 

Boa comunicação e trabalho em equipe

Saber se comunicar e trabalhar em equipe são habilidades necessárias para todas as áreas do mercado de trabalho, incluindo na tecnologia. 

Pessoas que trabalham com TI estarão sempre em contato com outras pessoas, seja com clientes ou, principalmente, com outros profissionais, já que trabalham em um time. Para estes dois casos, faz-se necessária uma comunicação sem ruídos que possam interferir na compreensão das informações que você deseja transmitir.

Quando toda a equipe entende sobre os projetos em que estão trabalhando, garantimos um alinhamento que resulta em uma menor quantidade de erros durante a execução das tarefas, que serão concluídas com sucesso.

O trabalho em equipe está completamente interligado com a comunicação eficiente. Saber trabalhar em grupo e cooperar com os colegas de trabalho, também gera bons resultados e é por isso que muitos recrutadores analisam esta característica nos candidatos à vagas de TI.

Um bom profissional sabe colaborar com outros, dividir ideias e respeitar opiniões e pessoas diferentes da sua. Não deixe essa skill fazer com que você seja passado para trás em processos seletivos.

E, aí? O que achou do nosso conteúdo? Com essas dicas, temos certeza de que você estará muito bem preparado para ingressar no mercado de trabalho como um grande profissional!

Visite nosso site para conhecer mais sobre nosso ecossistema, seus benefícios e faixas salariais.

Open source: A virada de chave na sua carreira

Seja para treinar habilidades, aumentar o portfólio ou até mesmo fazer networking, colaborar com projetos Open Source pode ser uma boa escolha para você que é uma pessoa desenvolvedora trabalhar e mudar o rumo da sua carreira. 

Neste artigo, trouxemos os principais conceitos e vantagens de colaborar com projetos Open Source.

O que é Open Source?

Projetos Open Source são aqueles onde uma comunidade contribui com seus conhecimentos para a construção e melhora de um projeto ou produto. Portanto não é algo restrito ao desenvolvimento web. Mas, quando se trata de tecnologia, principalmente de programação, o Open Source está relacionado a um tipo de software. 

Softwares Open Source (OSS) são aqueles que possuem os códigos abertos para que qualquer pessoa desenvolvedora os acesse, modifique e distribua. Dessa forma, pode-se dizer que o principal objetivo desse tipo de software é ter o seu desenvolvimento e revisão feitos pelas comunidades de programadores.

O Open Source revolucionou a programação de softwares, pois preza pela inovação durante a resolução de problemas, através do envolvimento de diversos profissionais. Dessa forma, temos também um novo modelo de negócios, já que o sistema de produção é feita por toda a comunidade desenvolvedora.

Diferenças entre Open Source e Software Livre

Antes de adentrarmos nas vantagens de se trabalhar com esse tipo de software, é preciso definir muito bem as diferenças entre Open Source e Software Livre que, apesar de terem finalidades semelhantes e ambos tratarem de softwares com código aberto, não são a mesma coisa. 

Enquanto o Software Livre tem como prioridade alguns princípios e questões políticas, como a liberdade dos usuários para a utilização de um software. Já o Open Source foca nas técnicas e na prática, priorizando o uso de softwares de uma maneira mais acessível às empresas de diferentes segmentos e foca na rapidez nos desenvolvimentos e no auxílio da comunidade para trazer melhorias a determinado produto.

Dessa forma, para um software ser considerado Open Source, ele deve possuir uma série de princípios, como esses, por exemplo: toda a comunidade desenvolvedora deve ter acesso ao código fonte e todas as licenças distribuídas de forma livre, não deve haver nenhum tipo de discriminação quanto à pessoas, grupos ou até mesmo áreas de atuação da empresa que o utiliza, seguir uma neutralidade em relação à tecnologia, entre outros requisitos. 

Um software Open Source é confiável?

Esta pergunta é um dos pontos mais importantes de serem destacados quando falamos de Open Source, já que os membros de comunidades desenvolvedoras podem questionar se projetos com código aberto são confiáveis, visto que qualquer pessoa programadora poderá ter acesso a ele.

E a resposta a essa dúvida é: projetos Open Source são, sim, muito confiáveis! Existem diversas documentações e termos de uso que precisam ser seguidos para que desenvolvedores possam trabalhar nos softwares que desejam. 

Além disso, após os profissionais trabalharem e oferecerem melhorias ao produto, as alterações não são feitas diretamente no projeto. As solicitações, chamadas de pull-request, são enviadas ao repositório do código e passam por análises e revisões, antes da aprovação.

Benefícios em colaborar com esses projetos

Os projetos Open Source ainda geram algumas dúvidas a seu respeito, mas existem grandes vantagens que mostram o quanto vale a pena se dedicar a este tipo de projeto. Abaixo, vamos listar algumas delas.

Aprendizado

Trabalhando nesses projetos, você consegue analisar e ver todas as tecnologias e até mesmo conhecer mais sobre como os desenvolvedores de softwares mais complexos trabalham.

Estes projetos te colocam de frente para tecnologias mais avançadas das quais, muitas vezes, você não teria oportunidade de trabalhar caso o código não fosse aberto. Dessa forma, você consegue estudar mais a respeito destes códigos, softwares e os projetos como um todo.

Aumento de portfólio

No mercado de desenvolvimento web, ter um portfólio rico pode te colocar à frente de outros candidatos que disputam uma vaga com você e os projetos Open Source podem ser um bom lugar para você complementar suas habilidades.

Se você busca a vaga dos sonhos em uma empresa, saiba que muitas corporações, principalmente no exterior, observam se você possui colaborações nesses projetos através do seu perfil no GitHub para que então possam ou não te contratar.

Por isso, vale a pena investir uma parte do seu tempo buscando por esses projetos no GitHub, já que essa plataforma divide os softwares de código aberto em níveis de conhecimento e habilidades com programação que vão desde os iniciantes aos mais avançados. Lá você pode treinar suas skills da forma correta e, assim, evoluir como desenvolvedor, saindo na frente de outros candidatos à vaga que você tanto almeja.

Networking

Outro ponto importante na carreira de qualquer pessoa desenvolvedora é sua rede de contatos com outros profissionais experientes na área. 

Como os projetos Open Source envolvem muitos colaboradores do mundo todo, manter contato com essa comunidade pode te ajudar, seja durante a execução do projeto ou até mesmo depois para futuros trabalhos. Por isso, não despreze essa rede de profissionais, ela te ajudará muito!

Agora que você já sabe mais sobre as comunidades e projetos Open Source, o que acha de se organizar e buscar um software de código aberto para treinar e melhorar suas skills? Não perca tempo, temos certeza de que isso elevará sua carreira a outro patamar!

Vaga de desenvolvimento: como se preparar para conseguir uma

O mercado de trabalho na área de tecnologia vem crescendo muito, o que torna comum se deparar com uma vaga de desenvolvimento (ou várias delas) ao entrar em sites de vagas de emprego ou em plataformas como o LinkedIn, por exemplo. Por outro lado, as empresas vêm tendo dificuldades para contratar profissionais da área, especialmente por conta do grande número de vagas disponíveis.

Se você é uma pessoa desenvolvedora que está se inserindo no mercado de trabalho, ou se estiver simplesmente procurando uma nova vaga de desenvolvimento para ocupar, este artigo traz dicas para que você dispute a próxima oportunidade com uma melhor preparação. Confira a seguir:

Melhore suas hard skills

Hard skills são os conhecimentos técnicos necessários para o trabalho. Consequentemente, eles variam de acordo com a vaga que está em aberto e com a função a ser exercida por quem ocupá-la. 

Para uma vaga de desenvolvimento front-end, por exemplo, é importante aprender as linguagens de programação mais comuns da área, que são JavaScript, HTML e CSS, além de conceitos importantes para a construção de interfaces de usuário, como o de UX (experiência de usuário).

No caso de oportunidades em desenvolvimento back-end, por outro lado, as linguagens voltadas para este tipo de programação são .NET, PHP, Python, Java, dentre outras. Para este segmento também é fundamental saber usar tecnologias de banco de dados, como MySQL, PostgreSQL ou Oracle, por exemplo, já que são recursos utilizados constantemente por pessoas desenvolvedoras back-end.

Por fim, se estivermos falando de uma vaga de desenvolvimento full-stack, além dos conhecimentos necessários para pessoas desenvolvedoras back-end e front-end, é importante que se tenha conhecimentos que te auxiliem a lidar com o projeto como um todo, como noções de uso de ferramentas de controle de versão e noções de gestão de projetos, por exemplo.

Também é interessante buscar que tecnologias são utilizadas ou desenvolvidas pela empresa desejada e estudar seu funcionamento, o que permite um melhor direcionamento de seus estudos em hard skills e demonstra um maior interesse pela empresa a seus tech recruiters.

Não se esqueça das soft skills!

Essas são as habilidades que não possuem relação direta com o trabalho em si, mas que fazem toda a diferença no dia a dia de um ambiente de trabalho. Algumas soft skills importantes para quem pretende ocupar uma vaga de desenvolvimento são: comunicação, já que pessoas desenvolvedoras normalmente trabalham em equipes; flexibilidade e resiliência, pois mudanças repentinas acontecem com certa frequência na profissão; organização e gestão de tempo, já que muitos projetos demandam muito serviço para prazos relativamente curtos; dentre outras habilidades.

Tais habilidades, ao contrário das hard skills, nem sempre podem ser demonstradas através de diplomas e certificados. Muitas delas nem podem ser avaliadas em processos seletivos, inclusive. No entanto, já que elas são muito importantes para o cotidiano de uma pessoa desenvolvedora, procure observá-las em seu dia a dia, seja no trabalho ou não, a fim de perceber que pontos podem ser melhorados e como você pode deixá-las mais fortes. 

Busque mais conhecimento

Conhecimentos além dos unicamente ligados às linguagens de programação são importantes para que você se destaque para conseguir uma vaga de desenvolvimento. Ter noções sobre qualidade de código e sobre controle de versão, ainda que não tenham a ver com uma linguagem de programação específica, é muito importante para apresentar trabalhos mais eficientes e fáceis de compreender.

Para quem deseja ir além e se tornar um desenvolvedor pleno ou sênior, conhecimentos em gestão de projetos, liderança, mercado e negócios também são essenciais para progredir na carreira de desenvolvimento.

Monte um portfólio

Apresentar um portfólio bem feito a uma equipe de recrutamento pode ser um diferencial e tanto. Para uma vaga de desenvolvimento, especialmente, é possível que a própria pessoa desenvolvedora crie o site em que se hospedará seu portfólio, servindo como uma demonstração extra de suas habilidades. 

Seus códigos e demais trabalhos também podem ser publicados em forma de portfólio na plataforma GitHub, muito usada por profissionais de desenvolvimento, e que possui diversas funcionalidades que tornam mais fácil e prático o cotidiano da profissão.

Contribua para um projeto open source

Projetos open source, ou de código aberto, são aqueles que ficam disponíveis para que qualquer pessoa desenvolvedora possa contribuir. Ao participar do desenvolvimento de um projeto como esse, você poderá aprender ao observar o trabalho de colegas de profissão, além de poder mostrar suas habilidades ao solucionar algo pendente no desenvolvimento do software ou trazer algo que facilite seu funcionamento, por exemplo.

Capriche no currículo

Muitas vezes, o currículo é o documento que causa uma primeira impressão a um recrutador. Dependendo do caso, um currículo mal estruturado pode fazer com que você perca a oportunidade de uma vaga. Portanto, se esforce para fazer um currículo esteticamente agradável, que possua todas as informações pertinentes, e da forma mais resumida possível. Evite dados ou informações que sejam irrelevantes para a vaga de desenvolvimento que você pretende disputar.

Participe de eventos de tecnologia

Eventos relacionados a tecnologia são excelentes para estudantes e profissionais da área. Afinal, nele é possível aprender mais com palestras, workshops e afins, além de ser uma excelente oportunidade para fortalecer seu networking. Contatos feitos em tais eventos podem ser importantes para indicações para vagas, por exemplo.

Buscar oportunidades e disputar uma vaga de desenvolvimento é um desafio e demanda esforço de quem deseja conquistar um lugar em uma empresa. Portanto, respire fundo, prepare-se o quanto puder e muito boa sorte em seus processos seletivos!

Principais skills para se tornar um Desenvolvedor full stack

No mercado de trabalho do desenvolvimento, o tipo de profissional mais conhecido é o desenvolvedor full stack, ele atua como back-end e front-end. A pessoa desenvolvedora back-end é responsável por criar a estrutura de funcionamento de um site ou software, ligando usuários e servidores. Dessa forma, a aplicação cumpre o papel para a qual foi criada. O profissional front-end, por sua vez, cumpre o papel de desenvolver a interface que será utilizada pelos usuários, o ambiente com o qual ele vai interagir diretamente para mandar informações aos servidores. Os desenvolvedores full stack, por fim, são aqueles que exercem as duas funções explicadas acima.

Para que seu trabalho seja executado da melhor maneira possível, o desenvolvedor full stack tem que desenvolver habilidades e obter conhecimentos relacionados às duas áreas, o que exige um pouco mais de tais profissionais. Então, dê uma olhada em quais são as principais habilidades procuradas em um desenvolvedor full stack:

Hard skills

As hard skills são os conhecimentos técnicos necessários para o desenvolvimento dos softwares. Entre eles, estão as linguagens de programação, conhecimento em algoritmos e banco de dados, por exemplo. Sendo assim, já que o desenvolvedor full stack executa tanto o trabalho de front-end quanto o de back-end, é necessário que ele desenvolva e aprimore as hard skills necessárias para cada um deles.

Entre as hard skills de front-end estão as linguagens de programação HTML, CSS e JavaScript, consideradas básicas para profissionais do segmento. Em relação ao back-end, por outro lado, há inúmeras linguagens de programação voltada a esse tipo de trabalho, como PHP, Java, C#, ASP.NET, Ruby, entre outras. Além disso, os conhecimentos técnicos de back-end também envolvem bancos de dados, com os quais as pessoas desenvolvedoras da área lidam diariamente. Portanto, conhecimentos em servidores de banco de dados como MySQL, PostgreSQL ou Oracle, dentre outros disponíveis no mercado, são essenciais para o desenvolvedor full stack.

Controle de versão

As ferramentas de controle de versão são utilizadas para acompanhar e analisar as versões de um projeto. É um recurso muito útil para a identificação e correção de bugs e outros problemas, pois permite a comparação dos códigos de cada versão, destacando que partes foram alteradas, excluídas ou adicionadas ao código em cada uma delas. Saber como usá-las é muito importante para qualquer pessoa desenvolvedora, especialmente para o desenvolvedor full stack, que lida tanto com a parte front-end quanto com a back-end de uma aplicação, e precisa identificar eventuais problemas em cada uma delas.

A ferramenta de controle de versão mais famosa é o Git, que pode ser usado através da plataforma Github, que conta com inúmeras funcionalidades que ajudam o cotidiano de pessoas desenvolvedoras. Além do Git, o SVN também é uma ferramenta bastante utilizada no mercado.

Programação mobile

Ter conhecimentos relacionados ao desenvolvimento para plataformas mobile têm sido um diferencial no mercado da programação, já que as empresas vêm aderindo cada dia mais ao uso de aplicativos (ou Apps) em dispositivos móveis, que podem facilitar tanto o dia a dia de seus funcionários quanto o de seus clientes. Além disso, como esses aplicativos costumam estar integrados a um recurso back-end, é importante que o desenvolvedor full stack tenha conhecimento em programação mobile para atuar em projetos desse tipo com maior efetividade.

Conhecimento em UX

Já que o desenvolvedor full stack lida tanto com os mecanismos funcionais de um software quanto com a interface dele, com a qual o usuário interage diretamente, é importante que ele possua conhecimentos em UX, ou User Experience (experiência do usuário, em inglês). Tais conhecimentos permitem que a pessoa desenvolvedora crie uma interface eficiente, intuitiva, simples e funcional, capaz de proporcionar ao usuário a maior satisfação possível em sua experiência com a aplicação.

Qualidade de código

Desenvolver um projeto prezando pela qualidade de código é muito importante para qualquer pessoa desenvolvedora. No caso de desenvolvedores full stack, é mais ainda. Um código com qualidade facilita o entendimento do mesmo, bem como a identificação e correção de eventuais problemas. Sendo assim, é importante que o desenvolvedor full stack busque desenvolver um código com a melhor qualidade possível, a fim de integrar as “partes” front end e back end de seu trabalho com maior clareza e facilidade.

Além disso, um código com qualidade proporciona um melhor desempenho da aplicação como um todo, já que faz com que o código “exija” menos da máquina em que está sendo usado. Portanto, a qualidade do código é capaz de interferir no desempenho tanto no âmbito do back-end quanto no do front-end, positiva ou negativamente, razão pela qual é importante que o desenvolvedor full stack trabalhe com a melhor possível.

Soft skills

Essas são as habilidades não relacionadas ao conhecimento técnico da profissão. Ainda que não possuam tal relação, as soft skills influenciam muito no cotidiano de equipes de desenvolvimento. São inúmeras as habilidades consideradas soft skills, e algumas das mais interessantes para um desenvolvedor full stack são: boa comunicação, já que este profissional pode lidar com mais de uma equipe, talvez até ao mesmo tempo, e deve se comunicar bem com colegas; flexibilidade, pois podem haver trocas de função ou equipe, às quais o profissional deve se adaptar; e boa organização, já que terá que lidar com partes de um projeto que são consideravelmente diferentes, o que requer certo cuidado.

Essas são algumas skills importantes para quem deseja se tornar um desenvolvedor full stack. Porém, independente de que tipo de programação lhe interesse (back-end, front-end ou full stack) ou em que nível você deseje atuar (júnior, pleno ou sênior), lembre-se sempre de estudar muito, de se atualizar sempre e de sempre aprimorar suas habilidades, sejam elas técnicas ou não. Boa sorte em sua vida profissional!

Conheça as 5 principais habilidades de um tech lead

Tech Lead é o nome dado às pessoas desenvolvedoras que, ao mesmo tempo, trabalham diretamente na programação de um software e lideram uma equipe de desenvolvimento. Tais profissionais, que costumam se destacar pelos trabalhos entregues e por sua experiência, são responsáveis por trazer novas soluções e tecnologias ao projeto, buscando a resolução mais eficiente possível para os problemas que aparecem. Também é papel de um tech lead manter sua equipe concentrada nos objetivos e metas do projeto e definir que atividades devem ser priorizadas ao longo do desenvolvimento, para que tudo ocorra da melhor maneira possível.

Dê uma olhada nas habilidades consideradas importantes para profissionais que exercem o cargo de tech lead:

Comunicação

Já que estamos falando de um cargo de liderança, não tem como deixar essa habilidade de fora, certo? Afinal, a quantidade de tarefas concluídas não é o único ponto a se avaliar na qualidade de uma liderança técnica. É necessário manter contato com cada pessoa que faz parte de sua equipe, ouvindo suas opiniões sobre fatores ou problemas que as incomodam, analisando suas sugestões de mudança que podem trazer melhorias ao trabalho em equipe, repassando feedbacks sobre o trabalho de cada um, e assim por diante. Portanto, para que a equipe possa se entender da melhor maneira possível, é importante que seja liderada por alguém que tenha boas habilidades comunicacionais.

Tech Lead deve ser flexível

Como dito no começo do texto, os tech lead, além de exercerem a função de liderança, também precisam colocar a mão na massa. Sendo assim, eles também devem estar preparados para as mudanças que venham a acontecer no andamento do projeto e podem, por algum motivo ou imprevisto, ter que trocar de função com uma ou outra pessoa desenvolvedora. Portanto, para lidar com mudanças repentinas da melhor forma possível, flexibilidade, versatilidade e resiliência têm que ser características de quem ocupa o cargo de tech lead.

Estudo e atualização constantes

Pessoas desenvolvedoras que desempenham o papel de tech lead normalmente possuem uma capacidade técnica superior em relação à sua equipe. Por isso, e também pelo fato de que tais profissionais são responsáveis por trazer novas tecnologias e soluções aos projetos que lideram, é necessário que estejam sempre pesquisando, se informando quanto às novidades do mercado da tecnologia e estudando novos conceitos, métodos e recursos que possam ser aplicados a seus projetos. Tanto conhecimento também serve para orientar as pessoas desenvolvedoras lideradas pelos tech leads.

Atenção à qualidade

Essa é uma habilidade fundamental para que o tech lead coordene um trabalho que preze pela qualidade do software, de suas interfaces (que estarão intimamente ligadas à experiência do usuário, tanto em aspectos estéticos quanto funcionais) e, sem dúvida, do código. A qualidade do código tem uma importância enorme, já que afeta tanto as pessoas desenvolvedoras que nele trabalham quanto os usuários: um código feito sem qualidade dificulta o entendimento por parte de colegas de equipe, o que torna mais complicada a identificação de problemas e, consequentemente, a sua solução.

A baixa qualidade de um código também costuma diminuir a eficiência do sistema como um todo, fator que, por sua vez, impacta negativamente a experiência do usuário. Sendo assim, é responsabilidade do tech lead conhecer sobre tais conceitos de qualidade para aplicá-los aos projetos que estão sob sua liderança.

Todo tech lead deve ser interdisciplinar

Conhecimento nunca é demais, certo? E no caso de profissionais em posição de liderança, assim como os tech lead, é importante que se busque conhecimento relacionado a outras áreas da empresa, como marketing, vendas ou diretoria executiva, ainda que ele seja básico. Aliando esse conhecimento a boas habilidades de comunicação, a relação entre as áreas é facilitada, assim como a cooperação entre as mesmas, o que pode fazer com que sua liderança técnica seja ainda mais eficaz e valiosa. Além disso, repassar tais conhecimentos à sua equipe facilita ainda mais a comunicação entre setores, e isso pode dar ainda mais credibilidade à sua gestão como tech lead.

Buscar mais informação e conhecimento técnico, bem como procurar fortalecer suas soft skills, são atitudes que fazem parte do trabalho de qualquer boa pessoa desenvolvedora. Para quem deseja se tornar pleno, sênior , ou até mesmo ocupar um cargo de liderança técnica, essa busca deve ser ainda mais ampla e deve contar com ainda mais esforço. Portanto, dedique-se bastante aos seus estudos e boa sorte para alcançar seus objetivos profissionais!

Para saber mais sobre outras ocupações relacionadas ao desenvolvimento de software e como você pode desenvolver as habilidades necessárias, confira nossos outros conteúdos sobre Carreiras, aqui no nosso Blog e também nossa página de talentos.

Desenvolvedor Pleno: como chegar a sênior

No mercado de trabalho de desenvolvimento, são consideradas pessoas desenvolvedoras de nível pleno aquelas que possuem entre 2 e 5 anos de experiência profissional, aproximadamente. É esperado que o desenvolvedor pleno seja capaz de trabalhar em vários projetos ao mesmo tempo, de dominar as tecnologias mais usadas na empresa e de otimizar os códigos com o objetivos de torná-los mais eficientes e fáceis de serem compreendidos, dentre outras habilidades.

A experiência e o conhecimento técnico de tais profissionais permitem que a eles sejam atribuídas maiores responsabilidades, comparando às pessoas desenvolvedoras de nível júnior, já que eles têm maior influência nas tomadas de decisão de líderes. No entanto, embora sejam capazes de orientar juniores, a experiência do desenvolvedor pleno pode não ser suficiente para que atue na resolução de tarefas em vários níveis e de forma independente, o que faz com que também precise de mentores.

Tais mentores, por sua vez, podem ser pessoas desenvolvedoras sênior, que possuem maior experiência e independência na organização. Por possuírem cerca de 5 ou mais anos de carreira, esses profissionais são mais maduros profissionalmente, executam tarefas mais complexas e estão mais aptos a exercerem funções de liderança.

Então, se você se identifica como desenvolvedor pleno e tem o objetivo de tornar-se sênior, dê uma olhada nas dicas que trouxemos:

Busque conhecimento sempre Isso vale para qualquer pessoa desenvolvedora, na verdade. No caso do desenvolvedor pleno que quer se tornar sênior, é importante que se busquem conhecimentos sobre negócios em geral, liderança de equipes, gestão de projetos e afins, que vão além do conhecimento técnico. São tais conhecimentos que permitirão que você mentoreie tanto os desenvolvedores plenos quanto os juniores, gerencie e solucione os conflitos que venham a ocorrer entre membros de sua equipe, delegue tarefas e acompanhe entregas da melhor maneira possível, dentre outras habilidades desejáveis em uma pessoa desenvolvedora deste nível.

Conheça a fundo seu objeto de trabalho Uma das funções de pessoas desenvolvedoras sênior é encontrar soluções para problemas críticos. Para isso, é necessário que ela conheça o máximo possível das tecnologias utilizadas na empresa em que trabalha, tenha experiência com engenharia de software e também saiba com uma maior profundidade sobre o funcionamento de todos os aspectos do projeto. Dessa forma, além de resolver problemas mais facilmente, profissionais de nível sênior também se mostram capazes de reconhecer que partes de código podem ser otimizadas, que recursos tecnológicos podem ser utilizados de maneira mais eficiente, dentre outros aspectos que permitem que todo o software trabalhe com o desempenho mais efetivo possível.

Arrisque-se Afinal, de que adianta buscar mais conhecimento, novos métodos e novas tecnologias se você não tentar implementá-las em seus projetos? Ainda que tais escolhas devam ser feitas com responsabilidade, fazer um experimento desse tipo pode trazer benefícios para o desenvolvimento de seus projetos ou, na pior das hipóteses, o conhecimento de que aquela implementação não é a melhor para o caso. Se o experimento não causar grandes problemas ou prejuízos ao andamento do projeto, sempre trará resultados que enriquecem seu conhecimento profissional.

Aprenda como se fosse Junior Mesmo que você já tenha aprendido muito com sua carreira e com seus estudos, seja uma pessoa aberta a sugestões dos mais novos. Muitas vezes, a troca de ideias entre profissionais com diferentes tempos de experiência pode ser incrivelmente produtiva para as duas partes da conversa. E sempre que se deparar com algo novo quando estiver se informando ou estudando sobre tecnologia, busque aprender com o entusiasmo e o empenho que uma pessoa desenvolvedora júnior teria!

Incremente suas soft skills Tais habilidades, muito importantes para qualquer pessoa desenvolvedora, que envolvem conhecimentos não técnicos, são ainda mais importantes caso você queira se tornar sênior. Boas habilidades de comunicação, gestão de tempo, organização, flexibilidade, resiliência, dentre outras tantas, são de uma importância enorme para quem tem como objetivo a ocupação de um cargo de liderança. Portanto, ainda que você se considere uma pessoa que possui essas habilidades, procure que outros pontos você pode desenvolver para se tornar uma pessoa desenvolvedora completa.

Confira os salários oferecidos pela EZ para pessoas desenvolvedoras

Com essas dicas, fica claro que o tempo de atuação no mercado de trabalho não é o único critério para que um desenvolvedor pleno chegue ao posto de sênior, certo? Então, busque evoluir constantemente seus conhecimentos e habilidades, sejam elas técnicas ou não, para estar cada vez mais preparado para as oportunidades de passar ao próximo nível!

Carreira de desenvolvimento: 10 dicas para iniciantes

O início de qualquer carreira profissional nem sempre é fácil. Sendo assim, já que o setor de desenvolvimento de software vem crescendo e as empresas precisam cada vez mais de profissionais da área, trouxemos algumas dicas importantes para pessoas desenvolvedoras que estão iniciando sua carreira de desenvolvimento:

– Domine uma linguagem e se especialize nela

Existem várias linguagens com as quais podemos trabalhar, cada uma delas com suas próprias características e propósitos. Ainda que seja interessante ter noções essenciais de mais de uma linguagem, o ideal é que você se especialize em uma delas, dominando e se aprofundando cada vez mais nos estudos da linguagem escolhida.

Além disso, essa escolha deve ser feita levando em conta alguns fatores. Durante sua formação e estudos, é possível identificar com que linguagem você tem mais afinidade, facilidade, ou qual você considera mais versátil e útil para ser usada no trabalho. Entretanto, um fator de enorme importância são os seus objetivos profissionais. Se você deseja trabalhar em determinada área de desenvolvimento, como back-end ou front-end, deve-se concentrar em aprender mais sobre as linguagens importantes para tal área, por exemplo.

 – Tenha noções básicas de outras tecnologias

Conhecer o funcionamento básico de tecnologias relacionadas ao seu trabalho é muito importante, ainda que você não trabalhe diretamente com elas. Esse conhecimento permite que os serviços sejam executados com mais segurança e qualidade, pois permite que você perceba que ações suas causam alterações nos recursos tecnológicos com que você não lida diretamente. Além disso, facilita também a comunicação entre profissionais e equipes de diferentes setores, solução de problemas que envolvam tais tecnologias, melhorando, portanto, a rotina de trabalho neste aspecto.

– Nunca pare de se atualizar

Já que a tecnologia nunca para de avançar, é necessário que profissionais de desenvolvimento de software atualizem seus conhecimentos constantemente. Estudar sempre e buscar quais novos recursos e tecnologias podem ser agregados a seu trabalho são atitudes que permitem que você sempre esteja a par do que há de melhor para oferecer para a empresa em que você trabalha ou até mesmo a seus clientes, além de demonstrar seu empenho e dedicação em sempre implementar seus conhecimentos.

Portanto, acompanhe canais de notícias de tecnologia, visite blogs que trazem aos leitores o que há de novo nesse mercado e pesquise que técnicas e recursos podem trazer benefícios para o seu dia a dia.

 – Tenha contato com profissionais experientes

Colegas de profissão que estão há mais tempo no mercado certamente já passaram por situações que lhes ensinaram lições valiosas. Sendo assim, suas dicas e experiências podem ser muito bem utilizadas por profissionais que estão no início de suas carreiras, tanto as relacionadas à carreira de desenvolvimento quanto as que dizem respeito à vivência profissional em geral.

Outra fonte de conhecimento valioso são pessoas desenvolvedoras consideradas referência em seus respectivos segmentos. Estudar o trabalho de tais profissionais, como códigos, práticas e costumes, pode ser de grande valia para seu repertório e seu cotidiano no trabalho. Busque entender o motivo pelo qual esses profissionais são considerados de referência e analise quais dos conhecimentos são úteis ao seu trabalho na prática.

 – Contribua em projetos open source

Projetos open source, ou de código aberto, são aqueles que têm seu código disponível para que pessoas desenvolvedoras modifiquem, copiem, estudem ou efetivamente trabalhem no software. Ao participar deste tipo de projeto você pode aprender muito, já que existem muitos projetos de diversos tipos disponíveis em tal formato. A observação de códigos criados por terceiros, permite que você aprenda métodos que podem ser úteis, práticas que podem facilitar seu trabalho e novas formas de fazer algo que você já faz, porém com mais eficiência. Consequentemente, suas contribuições para tais projetos também podem servir de ensinamento para pessoas desenvolvedoras que façam parte deles.

 – Desenvolva suas soft skills

Embora suas hard skills, os conhecimentos em desenvolvimento e tecnologia, sejam essenciais para a evolução de sua carreira, também é importante que você desenvolva suas soft skills. As habilidades que não estão ligadas diretamente aos conhecimentos técnicos de uma profissão são denominadas soft skills, que são muito valiosas para qualquer profissional. Várias delas normalmente são analisadas no mercado de trabalho, e todas elas só têm a acrescentar ao trabalho de qualquer profissional.

Alguns exemplos de soft skills interessantes para a carreira de desenvolvimento de software são: comunicação, habilidade muito importante para o trabalho em equipe e para a cooperação entre diferentes equipes; organização e boa gestão de tempo,  já que a profissão pode exigir entregas de produtos de qualidade em prazos curtos, o que faz com que profissionais de desenvolvimento tenham que organizar seu tempo da melhor maneira possível; resiliência e flexibilidade, em função das constantes mudanças que envolvem o dia a dia da carreira de desenvolvimento de software, tanto em razão da evolução das tecnologias quanto das alterações de equipe, gestão, práticas e afins. A resiliência e a flexibilidade permitem que se lide com tais mudanças da melhor forma possível.

 – Aprenda inglês

Saber falar um segundo idioma é um fator que destaca qualquer profissional. Para profissionais de desenvolvimento, a língua inglesa também é uma chave que permite que inúmeras portas sejam abertas para o conhecimento.

Muitas soluções para problemas que surgem no decorrer de um projeto podem ser encontradas em materiais produzidos em inglês ou em fóruns de desenvolvimento que contam com a participação de profissionais do mundo todo, nos quais o idioma mais usado é o inglês.

Além disso, poder se comunicar naturalmente em inglês pode trazer oportunidades de trabalho em companhias estrangeiras ou em grandes empresas que tenham contato com unidades no exterior, multinacionais e outras organizações de tamanha dimensão.

 – Busque conhecimentos para além da programação

Afinal, conhecimento nunca é demais. Porém, especialmente se você tem a ambição de ocupar cargos de direção e chefia, ou até mesmo abrir sua própria empresa, é muito importante que você adquira conhecimentos mais amplos relacionados a negócios, gestão de equipes e de projetos, liderança, economia, dentre inúmeros outros assuntos.

Além disso, mesmo que seu objetivo não seja a ocupação de cargos de liderança, conhecimentos sobre negócios e gestão, por exemplo, podem ajudar em ideias que contribuam para um melhor produto a ser desenvolvido e um melhor trabalho em equipe.

 – Participe de eventos e comunidades

Assim como ocorre na participação em projetos open source, a integração proporcionada por tais eventos e ambientes é enriquecedora. Afinal, as ideias trocadas e as experiências compartilhadas entre profissionais de diferentes empresas, com diferentes rotinas e culturas corporativas, podem agregar muito não só ao trabalho de pessoas desenvolvedoras, mas também ao dia a dia da empresa em que trabalham e até mesmo à vida pessoal dos mesmos.

 – Cuide da sua saúde e tenha momentos de lazer

Muitas vezes, o início da carreira de desenvolvimento demanda muita dedicação, já que a profissão exige que os profissionais tenham bastante conhecimento e que se mantenham atualizados. Assim, as atividades físicas e de lazer acabam não sendo priorizadas.

É muito importante cuidar da saúde, praticando exercícios físicos regularmente, indo a consultas médicas periódicas e também reservando um tempo para atividades prazerosas que aliviam o estresse acumulado durante o trabalho. Um bom aproveitamento do tempo fora do serviço só pode influenciar de forma positiva o cotidiano do trabalho.

Esperamos que essas dicas ajudem de alguma forma o início de sua carreira de desenvolvimento e que possam auxiliar até mesmo as pessoas desenvolvedoras que já estão há um tempo no mercado. Torcemos para que você alcance seus objetivos e tenha muito sucesso em seus planos!

Pessoa desenvolvedora back-end: conheça as principais skills

O desenvolvimento back-end, também conhecido como server-side, é aquele que constrói e implementa as funcionalidades que, embora não estejam dispostas diretamente aos usuários, são essenciais para o funcionamento de um software. Podemos compará-lo à produção que ocorre nos bastidores de shows, peças de teatro ou qualquer tipo de apresentação: ambos devem ser bem feitos para que o público, seja ele de usuários ou espectadores, fique o mais satisfeito possível.

Sendo assim, é notável que o desenvolvimento back-end tem uma importância tão grande quanto o front-end, ainda que os usuários não vejam diretamente. Afinal, quando bem feito, é ele que proporciona maior rapidez no uso de um software, trazendo uma experiência positiva ao público, e também evita erros de processamento e problemas de segurança, o que, por sua vez, evita experiências negativas.

Confira abaixo quais são as principais skills que se esperam de uma pessoa desenvolvedora back-end:

 Conhecimento em linguagem de programação back-end

Algumas das principais linguagens voltadas para o desenvolvimento back-end são C#, PHP, Java, .NET, Ruby e Python. Conhecimento nunca é demais, então ter noções de como trabalhar com mais de uma linguagem sempre será um acréscimo e proporcionará um maior leque de opções de trabalho.

Entretanto, ter um maior domínio sobre uma linguagem pode fazer com que recrutadores te vejam como uma opção diferenciada de contratação. Demonstrar certa perícia a mais te coloca em posição de vantagem em relação a outros candidatos, mais ainda se a linguagem dominada for a mesma utilizada pela empresa em que você pretende trabalhar.

 Conhecimento em banco de dados

Ainda que a responsabilidade pela manutenção e cuidados com os bancos de dados seja de Administradores de Banco de Dados (ou DBA), o manuseio das informações neles contidas faz parte do desenvolvimento back-end. Sendo assim, é muito importante que profissionais de back-end conheçam as tecnologias relacionadas a banco de dados, como, por exemplo, Oracle, SQLServer, MySQL, MongoDB, dentre outras.

 Conhecimento em servidores

Também é importante, para a área de que estamos falando, algum conhecimento sobre manuseio de servidores, como IIS, Nginx, Apache e Microsoft IIS, por exemplo. Além disso, conhecimentos sobre Linux podem ser de grande valia para uma melhor administração de servidores.

 Conhecimento avançado em segurança

Simplesmente indispensável a profissionais de desenvolvimento back-end. A segurança de dados e informações, sejam elas de usuários ou das próprias organizações, é uma grande preocupação de qualquer empresa. Sendo assim, e sabendo que é papel da pessoa desenvolvedora back-end garantir o acesso aos dados de forma segura e proteger as informações armazenadas da melhor maneira possível, nem é preciso dizer o quão necessário tal conhecimento é e o quão importante é ampliá-lo constantemente.

 Conhecimento e experiência em arquitetura de software

A arquitetura de software tem a ver com as camadas que um software possui (services, controllers e models) e também com a conexão com outros softwares essenciais ao seu funcionamento. Sendo assim, o domínio técnico da arquitetura de software permite que a comunicação ocorra mais facilmente durante o processo de desenvolvimento, além de que tal conhecimento pode contribuir para que ocorram menos problemas neste processo e sejam feitas mais melhorias ao sistema.

 Conhecimento em tecnologias web

Tais tecnologias, como HTML, CSS e JavaScript, são amplamente utilizadas por equipes de desenvolvimento front-end. Já que equipes de back-end também precisam trabalhar em parceria com equipes de front-end, ter noções de tecnologias web é importante para alinhar os profissionais dessas equipes durante o desenvolvimento.

Não é necessário, no entanto, tornar-se especialista em tais tecnologias. Basta que seu conhecimento seja suficiente para permitir que a comunicação entre as equipes ocorra da melhor forma possível, de forma a permitir que as ideias e problemas sejam comunicados com clareza e o trabalho em equipe seja melhorado.

 Conhecimentos em otimização de código

A qualidade do código é de suma importância tanto para a experiência do usuário, já que está consideravelmente ligada à eficiência e desempenho do sistema, quanto para o trabalho das equipes de desenvolvimento, uma vez que facilita a análise do código, correção de bugs e o entendimento do projeto para novos participantes, por exemplo. Sendo assim, saber como otimizar um código e como desenvolvê-lo desde o início da melhor maneira possível é extremamente benéfico para todos os envolvidos em um projeto.

 Conhecimentos em estruturação e gerenciamento de projetos

Com tais conhecimentos, profissionais de desenvolvimento back-end são capazes de planejar melhor seus projetos e, consequentemente, otimizar sua gestão de tempo e seus métodos de trabalho, bem como os da equipe como um todo. Alguns exemplos de modelo de framework de gerenciamento de projetos são o SCRUM, Waterfall, XP, Agile, Kanban, entre outros.

 Domínio do uso de ferramentas de controle de versão

O controle de versão é fundamental para o gerenciamento de códigos-fonte em projetos de qualquer dimensão, já que permite uma otimização de tempo e de comunicação entre os envolvidos em um projeto. Sendo assim, é muito importante saber utilizar ferramentas como CVS, Subversion, Git, ou outras que cumpram tal função.

 Agilidade

Fazer uma gestão adequada do tempo é essencial para que o trabalho de profissionais back-end seja eficiente. Afinal, a rotina desta área é formada por uma variedade de tarefas além do desenvolvimento, como documentação, análise de requisitos, criação de fluxogramas, dentre outras. Soma-se, ainda, a necessidade de entregar com rapidez o trabalho contratado pelos clientes.

 Boa comunicação

Esta é uma habilidade indispensável, já que desenvolvedores back-end trabalham em equipe com outros profissionais. Uma comunicação que ocorre de maneira clara, objetiva e simples é um fator diferencial para a qualidade e a eficiência do trabalho de uma equipe, uma vez que otimiza a produção e facilita o entendimento entre equipes de diferentes áreas.

 Conhecimento sobre negócios

Este conhecimento é essencial para profissionais que têm como objetivo alcançar cargos superiores na empresa ou até mesmo iniciar seu próprio negócio. Entender como sua área de atuação influencia e é influenciada por aspectos financeiros, administrativos e relacionais da empresa é de grande importância para que metas mais ambiciosas sejam atingidas. Além disso, conhecimentos sobre liderança, gestão administrativa e vendas acrescentam muito ao cotidiano do trabalho e podem ser um diferencial para você. Afinal, qualquer local de trabalho envolve muitos aspectos para além da tecnologia.

Gostou do conteúdo? Visite nosso site e conheça mais sobre as oportunidades em nosso ecossistema de talentos tech.

Vaga de desenvolvedor front-end: o que saber para se candidatar?

Um time de tecnologia é composto por profissionais de diversos perfis. Nesse texto, focaremos no desenvolvedor front-end.

O desenvolvedor front-end é o profissional responsável pela construção, manutenção e aprimoramento das interfaces dos aplicativos, ou seja, a parte com a qual os usuários interagem diretamente. Sendo assim, podemos dizer que ele tem um papel de grande importância: o de criar um ambiente que seja o mais simples e o mais prático possível e que também seja completo e intuitivo, proporcionando uma experiência agradável ao usuário.

 Para exercer essa função, muitos consideram necessário o conhecimento de linguagens como HTML, JavaScript e CSS e de uma boa quantidade de frameworks, ficando atento, principalmente, para as mais usadas no momento em que você está buscando por determinada vaga . Também podemos dizer que conhecimentos e experiências voltados à parte visual acrescentam muito para o desenvolvedor front-end, como, por exemplo, noções de Web Design e Photoshop.

Se você está à procura de uma vaga para desenvolvedor front-end, ou quer estar preparado para quando a oportunidade aparecer, confira algumas dicas para que as suas chances de sucesso sejam cada vez maiores:

 Crie seu próprio portfólio

Mostrando suas habilidades e seu conhecimento por meio da exposição de seus trabalhos, a análise dos recrutadores fica mais fácil e completa. Um portfólio completo e feito com cuidado e empenho pode ser um grande diferencial para a sua candidatura. Vale até criar um site próprio para expor seus projetos anteriores, o que proporcionaria mais pontos ainda e também faria parte do próprio portfólio!

  •  Preencha seu portfólio

Embora a estrutura e a aparência dele sejam importantes, seu conteúdo também faz toda a diferença! Qualquer projeto pode fazer parte de seu portfólio: os feitos para grandes empresas, para clientes menores, os feitos como trabalho voluntário, como freelancer, etc. Mostre para os recrutadores a qualidade do seu trabalho e os problemas que você é capaz de resolver.

  •  Participe de projetos open source

Nos projetos open source, os códigos-fonte podem ser modificados por qualquer desenvolvedor, profissional ou não, que tenha interesse em trabalhar neles. Sua participação pode ser enriquecedora pois aprimora suas habilidades de desenvolvimento e de trabalho em equipe, além de aumentar sua rede de contatos com outros desenvolvedores que podem te ajudar eventualmente. Uma forma de encontrar tais projetos é pela ferramenta Explore da plataforma GitHub, da qual falaremos a seguir.

  •   Divulgue seus códigos no GitHub

Sendo essa uma ferramenta muito importante, que serve como local de colaboração e aprendizado, é importante que você se habitue a usá-la. O GitHub também serve como plataforma para divulgar trabalhos, podendo ser utilizado como uma segunda opção de portfólio, menos personalizada, mas bastante proveitosa. Além disso, a participação constante em contribuições na plataforma deixa evidente a regularidade de seu trabalho e da busca constante por mais conhecimentos e recursos.

Busque sempre estudar e aprender

Acompanhar a evolução das tecnologias e as notícias relacionadas ao universo da programação, especificamente do front-end, é muito importante para que você possa sempre inovar em seus projetos, buscando sempre os melhores recursos para cada situação. Dessa forma, você pode se destacar em entrevistas ou processos seletivos por mostrar que está sempre se informando.

Busque mais qualificação

Embora o conhecimento prático e o que pesquisamos para aplicar no trabalho seja de grande valia, a realização de cursos e a participação em eventos relacionados à área de tecnologia, ou até mesmo de negócios, sempre contará pontos a mais para suas disputas por vagas. E enquanto as oportunidades de desenvolvedor front-end não surgem, por que não buscar recursos para aumentar suas chances, não é? Conhecimento nunca é demais!

Esteja atento ao surgimento de vagas

Acompanhe sempre canais de divulgação de oportunidades de emprego e também os canais de comunicação das empresas pelas quais você se interesse. Dessa forma, você não deixará passar as ótimas oportunidades que vierem a aparecer. Afinal, de que adianta tanta qualificação se perdermos boas chances? Não durma no ponto!

Confira os salários oferecidos pela EZ para pessoas desenvolvedoras

Conheça seu futuro local de trabalho

Quando se candidatar para uma vaga, busque conhecer o máximo possível da empresa, que tipo de serviços são prestados por ela, que métodos e tecnologias são usados em seu dia a dia, dentre outras informações. Dessa forma, você pode avaliar como seus conhecimentos podem contribuir para o serviço da empresa, quais deles podem ser vistos como diferenciais pelos recrutadores, além de demonstrar um interesse maior por se informar sobre a corporação.

Prepare-se para as entrevistas

Para o cargo de desenvolvedor front-end, além dos conhecimentos técnicos, é importante demonstrar suas habilidades interpessoais, ou Soft Skills, como habilidade de comunicação e de interpretação, importantíssimas para o trabalho em equipe. Como desenvolvedores front-end costumam fazer parte de equipes estratégicas, demonstrar conhecimento sobre metodologias ágeis, visão panorâmica sobre os projetos e habilidades de adaptação podem te destacar em relação aos seus concorrentes.

Para se preparar para as entrevistas técnicas, dê uma olhada nestes dois artigos do nosso blog, que você pode acessar aqui e aqui.

 Agora que você já sabe o que precisa para se preparar para uma vaga de desenvolvedor front-end, confira em nosso site as oportunidades que nosso ecossistema oferece!

Desejamos muita sorte e muito sucesso em sua carreira!