Conheça 4 técnicas de precificação de serviço para ter lucro!

Muitos empreendedores, preocupados em gerar faturamento, acabam se descuidando da satisfação dos clientes e a estratégia de atração se torna prejudicada.

Muitas decisões de compra se baseiam nos preços de produtos e/ou serviços. Isso porque, apesar da maioria dos consumidores possuírem desejos e necessidades, ainda assim, a questão financeira continua sendo um fator limitante nesse processo.

Se você está em dúvida sobre quais técnicas de precificação de serviço podem ser aplicadas ao seu negócio este é o post certo! Continue a leitura e saiba mais!

1. Margem de contribuição

Vários fatores que influenciam a precificação são, por exemplo, a concorrência, os fornecedores, os custos, enfim, cada um deles com seu grau de participação ao longo do tempo no valor cobrado pelos serviços.

O cálculo da margem de contribuição é um dos índices mais importantes para conhecer qual o melhor preço para produtos e serviços. De maneira simplificada, o cálculo dessa margem nada mais é que o valor que sobra da receita obtida logo após pagar as despesas fixas e gerar lucro para o negócio.

Assim, logo após pagar todas as despesas variáveis, o restante do valor é o que sobra para quitar as despesas fixas e ainda lucrar.

A fórmula para o cálculo é simples:

Margem de Contribuição (MC) = Valor da venda Custos e despesas variáveis

Vamos a um exemplo: digamos que você prestou um serviço de reparos e cobrou R$ 80. Os custos e despesas variáveis (tributos e comissão de funcionários) foram de R$ 30. A margem de contribuição, nesse caso, é de R$ 50. E o índice de margem de contribuição é de 30%. Esse valor é destinado, como já visto, às despesas fixas e ao lucro.

2. Valor percebido

O valor percebido é aquele que o cliente tem a respeito do serviço prestado e é muito importante nas estratégias da empresa. Isso porque é justamente essa visão do consumidor que faz seu serviço se destacar da concorrência e, por mais curioso que pareça, isso não depende exclusivamente de preço do negócio.

Além disso, oferecer o preço do concorrente sem uma boa avaliação dos custos do negócio pode levar a prejuízos financeiros para a sua empresa. O ideal é investir na diversificação dos serviços, fazendo com que eles se destaquem daqueles oferecidos pela concorrência.

Isso contribui para que o valor percebido pelo cliente seja melhor para sua empresa.  Ao elaborar uma estratégia para chamar a atenção é preciso destacar as qualidades do que você oferece para o consumidor. Também vale a pena destacar os descontos oferecidos e levar em consideração a lucratividade.

3. Lucro desejado

O lucro desejado é o quanto você deseja ter de lucro sobre o serviço prestado. Ou seja, depois que todas as despesas e custos foram subtraídos, estima-se uma porcentagem de quanto se deseja lucrar.

O lucro desejado, via de regra, é o valor que o empreendedor deve estabelecer para seu produto quando já foram descontados todos os custos e despesas. Ou melhor, é o quanto ele deseja ganhar ao final.

4. Mark-up

Dentro do conceito de técnicas de precificação de serviço há um termo bastante comum: o mark-up. De maneira simples, o mark-up nada mais é que um índice, ou melhor, um percentual fixo que, quando aplicado sobre o custo de um serviço unitário, aponta qual deve ser o preço mínimo estabelecido para que a empresa obtenha lucro.

Escolher a melhor técnica de precificação de serviço não é uma questão fácil. É preciso analisar as necessidades do negócio e quais são os objetivos a serem alcançados. Sem um bom planejamento e controle financeiro fica difícil escolher um método que esteja alinhado aos objetivos da empresa.

Nosso post foi útil? Quer saber mais sobre o assunto? Complemente sua leitura aprendendo mais sobre terceirização ou outsourcing: veja qual é a opção ideal!

]]>

Compartilhar:

Gabriel
Último artigo
Escopo de projeto aberto: o que é e quais são as vantagens?
Próximo artigo
Consultoria para startup: como ela pode alavancar seu negócio?