Fábrica de software ou alocar um desenvolvedor

Negócios

Empresas de todo o mundo já descobriram o poder de ter um time de desenvolvimento externo, afinal existem uma série de benefícios quando se utilizar uma terceirização.

Mas quando se trata desse tipo de decisão, é importante entender que existem inúmeras alternativas para tal tipo de serviço.

E é pensando nisso que vou falar algumas dessas opções e ponderar cada uma delas, listando seus pontos positivos e negativos. Vamos lá?

Fábrica de software

Talvez o modelo mais comum, uma fábrica de software cuida de todo o desenvolvimento do seu produto, de ponta a ponta.

Dessa forma, a gestão do projeto, fica sob responsabilidade da contratada, cabendo a ela obedecer todos os prazos e orçamentos especificados.

Contudo, o que a priori pode parecer algo positivo, pode se tornar um pesadelo no médio e longo prazo.

Pois todas as decisões de tecnologia são tomadas pela fábrica de software, deixando o cliente totalmente alienado em relação o core de tecnologia.

Além de que, se o software exige muita mudança (como uma startup, por exemplo), definir um prazo e escopo a serem respeitados é praticamente impossível, gerando muita insatisfação ao longo do projeto.

Dessa maneira, eu indico a contratação de uma fábrica de software somente quando o core da empresa não é tecnologia, em casos como softwares gerenciais ou mais pontuais.

Powered by Rock Convert

Alocação de profissional presencial

Também chamado de outsourcing, uma alocação de profissional consiste – como o próprio nome diz – em contratar uma empresa para alocar um ou um conjunto de profissionais para a sua empresa.

Seja por motivo de falta de uma mão de obra especifica, por dificuldade de contratação ou até mesmo por questões de custo.

Imagine, por exemplo, que a sua empresa tem demandas urgentes para entregar e que não tem profissionais suficientes, sabendo que seu prazo de contratação gira em torno de 2 meses, contratar uma empresa de outsourcing é uma solução dos seus problemas.

Além de que custos com impostos, turnover e contratação são reduzidos drasticamente.

Alocação de profissional remoto

Quase o mesmo caso que acima, porém a grande diferença é quando você não tem demandas do seu core business mas sim de demandas periféricas ao seu produto principal (que não dependem do seu time completamente para serem realizadas).

Afinal, o desenvolver não vai ficar junto com o restante da equipe, sendo assim, ter apenas um profissional remoto, pode ser um tiro no pé.

Outro caso clássico da alocação de um profissional remoto é quando a equipe já está remota. Dessa maneira, a decisão mais lógica é alocar um profissional remoto para ajudar o time a dar vazão em novas funcionalidades.


Esses são alguns pontos importantes para se ponderar quando for decidir por contratar uma fábrica de software ou optar por alocação de desenvolvedor.

Se você gostou desse post, compartilhe com seus amigos e se tem alguma dúvida, não deixe de comentar que responderemos o mais rápido possível!