Empresas do Vale do Silício: quais tecnologias elas utilizam?

A região do Vale do Silício, localizada no deserto da Califórnia, é conhecida no mundo todo por ser um polo de inovação que atuou como berço de diversas empresas de tecnologia.

Por ser o maior polo tecnológico e empresarial do país, com alto investimento em inovação, muitas empresas conhecidas no mundo todo se localizam lá, sejam as suas sedes ou filiais. Além das empresas que não nasceram no Vale do Silício, alguns negócios, principalmente startups, migraram para a região com grandes propósitos de inovação e se tornaram, assim, grandes empresas.

Além de ser o local onde grandes corporações se situam, o Vale do Silício, que começou a se desenvolver tecnologicamente pós segunda Guerra Mundial, é o local onde surgem as principais ideias de inovação em ciência, tecnologia e negócios dos Estados Unidos, o que faz com que diversos países ao redor do mundo sigam as tendências que surgem do sul da Baía de São Francisco.

Neste conteúdo, vamos falar sobre as principais tecnologias, principalmente linguagens e frameworks para o desenvolvimento de software, utilizadas por algumas das empresas do Vale do Silício. Ficou curioso? Continue a leitura para saber mais.

Inteligência artificial e Machine Learning

Antes de adentrarmos nas tecnologias específicas de cada empresa do Vale do Silício, existem recursos tecnológicos que estão sendo cada vez mais utilizados por estas corporações, como a Inteligência Artificial (IA) e os conceitos que permeiam o Machine Learning. 

A ideia de fazer com que as máquinas aprendam a pensar como os seres humanos e, assim, executar uma série de ações e tomar decisões baseadas nas informações dos usuários é aplicada das mais diversas formas. Desde as recomendações de filmes, séries e músicas por serviços de streaming como Netflix e Amazon, até os assistentes de voz mais conhecidos pelo mundo, Siri, Alexa e Cortana, a inteligência artificial e, principalmente o Machine e Deep Learning se fazem presentes. 

As empresas do Vale do Silício estão apostando alto na inovação dos seus produtos através da IA, um dos maiores exemplo disso atualmente é a criação do Metaverso, um projeto grandioso desenvolvido pelo antigo Facebook, empresa que agora recebe o nome Meta (dando todo o sentido para o universo em criação).

Desde a Meta até o próprio Google, as grandes corporações da Terra do Tio Sam mostram ao mundo todo que inteligência e aprendizado de máquina são recursos indispensáveis para negócios que mudam o mundo. E é por isso que diversas empresas brasileiras também têm investido pesado nestas tecnologias.

Mas agora, vamos falar um pouco mais sobre o setor de desenvolvimento de softwares destas grandes empresas.

Facebook 

A rede social mais visitada no mundo reúne diversas tecnologias já conhecidas por programadores, como a linguagem JavaScript, utilizada para a construção de todo o front-end da aplicação. Enquanto isso, o back-end conta com uma linguagem própria do Facebook, a Hack, criada para suprir algumas necessidades encontradas quando o site ainda utilizava PHP como linguagem.

A Hack é uma tecnologia que mantém as características da PHP, mas funciona de forma otimizada, já que inclui também as melhores características de outras linguagens de programação existentes. 

Quando se trata de frameworks, os nomes que ficam em evidência no desenvolvimento do Facebook são: React, React Native e Draft.js. 

Google

A gigante das buscas, uma das multinacionais mais marcantes dentre as empresas do Vale do Silício, o Google utiliza uma série de linguagens de programação, principalmente quando se trata de desenvolvimento back-end, como Python, C ++, C e Java. Já a programação front-end continua com a predominância do JavaScript, porém, de uma forma diferente: com o auxílio de um compilador denominado Google Closure. 

Além disso, em 2009 a empresa desenvolveu e lançou sua própria linguagem, denominada Go, como um software de código aberto e, é claro, ela também é utilizada pelos seus desenvolvedores.

Yahoo!

Uma das primeiras empresas do Vale do Silício e no mundo relacionadas à internet, acabou perdendo certo espaço para outras gigantes como o Google e o Bing e hoje já não é mais considerada o maior site de buscas do mundo, mas ela ainda possui grande relevância entre as gigantes nas quais estamos falando nesse conteúdo.

A tecnologia utilizada para o desenvolvimento front-end é… isso mesmo, JavaScript. O back-end  também é desenvolvido com JS e conta com o auxílio do PHP e de bancos de dados como MySQL e PostgreSQL.

Amazon

A multinacional de Jeff Bezzos, pioneira no comércio de livros pela internet e que agora entrega desde produtos de tecnologia até brinquedos e cosméticos, utiliza em sua programação front-end o JavaScript e aposta em Python, C#, C++ e Perl para o desenvolvimento back-end da aplicação.

A Amazon não se limitou apenas ao comércio digital e desenvolveu um software de computação em nuvem, o Amazon Web Services (AWS) que é utilizado por diversas empresas de tecnologia conhecidas no mundo todo, algumas delas inclusive estão situadas no Vale do Silício.

Netflix

Por fim, chegou a hora de falarmos sobre a queridinha das plataformas de streaming, que começou como uma empresa de locação de filmes via correio ao final da década de 1990. No entanto, após quase trinta anos, a empresa se tornou a maior provedora global de filmes e séries via streaming, inclusive com grandes produções próprias. 

Assim como todas as outras empresas do vale do silício que trouxemos neste artigo, a Netflix utiliza JavaScript no seu front-end e conta com Python e Node.js para o back-end. Além disso, ela é uma das empresas que utilizam a computação em nuvem da Amazon, o AWS, para suprir quase todas as suas necessidades de computação, como bancos de dados, transcodificação de vídeo, entre outros.

Estas são as tecnologias utilizadas por algumas empresas do Vale do Silício. E para você que está buscando trabalhar com estas habilidades, recomendo que dê uma olhada no nosso ecossistema, clicando aqui. Garanto que não vai se arrepender!

Camila
Último artigo
Tendências de tecnologia para 2022
Próximo artigo
O trabalho presencial terá seu fim decretado em 2022?